Seis equipamentos que o Novo Polo tem e o Golf não

Compacto recém-lançado custa menos e tem itens não encontrados no hatch veterano - nem como opcional

Polo e Golf

Mais recente, o Polo tem equipamentos que o Golf, mais caro e maior, não tem (João Mantovani e Leo Sposito/Quatro Rodas)

Lançado há pouco mais de um mês, o novo Volkswagen Polo começou a ser entregue aos primeiros compradores. É tão recente que seu projeto inclui tecnologias que nem mesmo o Golf – que será reestilizado apenas em 2018 – tem. Mesmo que a Volks esteja chamando o Polo de mini-Golf.

Quadro de instrumentos digital

Opcional da versão Highline, o Active Info Display é uma tela de 10,3 polegadas que faz as vezes de quadro de instrumentos. Ele exibe informações de condução, navegação, assistência e até mesmo dados da central multimídia Discover Midia.

Opcional para a versão Highline, de R$ 69.190, o quadro digital tem 10,25 polegadas com mostradores personalizáveis em 2D ou 3D (Divulgação/Volkswagen)

A comunicação entre os dois é feita por cabos de fibra ótica que somam 4 m. Pode-se alternar as telas de informação do quadro de instrumentos através de comandos no volante. E as informações exibidas nessas telas podem ser personalizadas pela central multimídia. É possível memorizar até três telas personalizadas.

Três entradas USB

Até o rádio com Bluetooth dos Polo mais básicos tem porta USB. Há mais uma atrás do suporte de celular (Divulgação/Volkswagen)

Não faz muitos anos, os carros da Volkswagen – e também da Audi – nem sequer tinham portas USB. Hoje, o Golf tem uma. Já o Polo pode ter até três: uma no suporte de celular (que o Golf também não tem), outra no sistema de som e uma terceira para o banco de trás nas versões com motor 1.0 TSI. Parece uma bobagem, mas converse com um dono de Volks (ou Audi) que não tem USB e você irá entender que isso é um problema.

Expulsão de água dos freios

Todos os Polo com motor 1.0 TSI têm freios a disco nas quatro rodas e controle de estabilidade. Os dois sistemas juntos compõem um sistema autolimpante, que aproxima as pastilhas dos discos de freio dianteiros por frações de segundo e de forma imperceptível para secar os componentes.

Discos de freio dianteiro dos Polo 200 TSI têm sistema de expulsão de água (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Esta função chama-se BSW e funciona acima de 70 km/h, quando o limpador de para-brisa está acionado. E se repete em intervalos de 3 km.

Vetorização do torque XDA+

Outro sistema vinculado ao ESC é o bloqueio eletrônico do diferencial. Sua função é acionar o freio da roda com menor tração, transferindo o torque para a roda com maior aderência. Este é o XDS, que o Golf também tem.

Em curvas, o XDA+ atua para deixar o compacto mais ágil (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Polo tem o XDS+. Permite intervenções seletivas nos freios das rodas internas às curvas nos dois eixos para que o carro aponte para dentro da curva, proporcionando mais agilidade e segurança.

Banco do passageiro com encosto rebatível

Banco do passageiro pode rebater para liberar mais espaço na cabine (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Este equipamento era de série no Highline. Agora, para rebater o encosto do banco do passageiro é preciso pagar R$ 300 a mais pelo equipamento. Melhor assim: no Golf, nem como opcional.

Motor 1.0 TSI mais potente e combinado com câmbio automático

Hoje o Golf Comfortline é vendido apenas com o motor 1.0 TSI em versão de 125 cv, mas sempre em conjunto com o câmbio manual de seis marchas.

Com 128 cv, motor 1.0 TSI tem calibração mais potente em relação à utilizada em Golf e Up (Christian Castanho/Quatro Rodas)

No Polo 200 TSI este mesmo motor rende 128 cv e trabalha em conjunto com câmbio automático de seis marchas. Seria a combinação perfeita para o Golf, um hatch médio que parte dos R$ 77.247. O Polo 1.0 TSI parte dos R$ 65.190.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. André Rodrigues

    Acabei de trocar meu Golf Mk7 Highline (mexicano) por uma 320i (das primeiras da atual geração)
    Posso listar 6 equipamentos que o Golf tem e a 320i não tem (a saber: controle de cruzeiro com 2 modos, estepe de liga -a bm deveria abandonar o run flat no BR-, rebatimento elétrico dos retrovisores, ACC, sensores de estacionamento dianteiro, park pilot e park assist).
    Mas adianta? Ainda sim é notório e sabido que a BMW é mais carro (em que pese o Golf ser uma nave soberana nos hatches médios em termos de acabamento e qualidade de construção).
    E assim é: sempre teremos carros mais simples com mimos de carros de categoria superior. Mas ainda sim continuarão a ser uma categoria abaixo.