Exclusivo: aceleramos o Ford Territory, futuro rival do Jeep Compass

SUV médio foi totalmente pensado para a China, mas tem tudo o que o brasileiro quer e vai chegar em 2020

 (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Anunciado às vésperas do Salão de São Paulo de 2018, o Territory é uma das grandes promessas da Ford para o Brasil no momento. Por poder colocar a Ford no horizonte de SUVs compactos mais caros, como Honda HR-V e Volkswagen T-Cross, e com os SUVs médios mais baratos, Jeep Compass e Hyundai New Tucson, colocou concessionários em êxtase.

O novo Escape, SUV derivado do Focus, também é cotado, mas seria mais caro e sofisticado, apesar de ter o mesmo tamanho e entre-eixos, algo como o porte de Compass.

O logotipo é da Ford, mas seu projeto é derivado do Yusheng S330

O logotipo é da Ford, mas seu projeto é derivado do Yusheng S330 (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Algum tempo após o evento, porém, veio a informação de que o SUV não chegaria antes de mudar. Fontes avisavam que  não compensaria produzi-lo localmente (seja no Brasil, seja na Argentina) por não ter mais que dois anos.

Surpreendentemente o Territory voltou aos planos. Descobrimos que a Ford irá importá-lo a partir do ano que vem e, diante dessa informação, voamos para a China para ter o primeiro contato com o SUV.

Essa é uma excelente cartada que a Ford colocará na mesa, pois o novo SUV terá um baixo custo para ela. O modelo nada mais é do que uma cópia autorizada e melhorada do JMC Yusheng S330. Não conhece? Esse SUV compacto é produzido pela chinesa Jiangling Motors, uma das parceiras da Ford na China.

 (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Para lançar o Territory, a Ford pegou o Yusheng S330, colocou um novo painel com materiais emborrachados, pôs novos para-choques e pegou emprestado o nome de outro SUV que produziu até 2016 na Austrália – onde o Territory não será vendido por enquanto.

O novo Territory atinge em cheio a classe média chinesa que, diga-se, tem perfil de consumo muito parecido com o da brasileira. Valoriza a tecnologia e mimos úteis, como o carregador de telefone por indução, a central multimídia de 10 polegadas sensível ao toque, os comando de voz para diversas funções e as quatro câmeras que formam uma visão 360 graus do carro na tela.

Acha pouco? A lista ainda contempla piloto automático adaptativo, quadro de instrumentos digital, sistema de estacionamento automático, frenagem autônoma de emergência, assistente de permanência em faixa, bancos dianteiros com ventilação quente e fria.

Versões mais caras do Territory têm faróis full-led

Versões mais caras do Territory têm faróis full-led (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Assim como nós, os chineses também se preocupam com a aparência. Para agradá-los, a Ford não economizou leds nos faróis, luzes de direção, lanternas traseiras e detalhes no interior do veículo.

O cromado também está por toda parte: nas duas ponteiras de escape, na régua que une as duas lanternas e na grade do tipo colmeia, além do interior, onde ele se mistura ao couro com costura branca e ao plástico piano black. Completam o visual as rodas aro 18 diamantadas e o teto solar panorâmico, tão adorado pelos entusiastas da classe média chinesa e brasileira.

No Brasil, como na China, o motor será um 1.5 EcoBoost. Não confunda com o três-cilindros do Focus europeu (e, portanto, do Escape), da mesma família do 1.5 dos Ka e EcoSport brasileiros. O do Territory tem quatro cilindros e é baseado na família Orion, da Mitsubishi, lançada no final dos anos 70.

SUV médio é 17 cm mais longo que o Jeep Compass

SUV médio é 17 cm mais longo que o Jeep Compass (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Neste caso, um 1.5 4G15 com turbo e injeção direta configurado para ciclo Miller (mais eficiente porque mantém as válvulas de admissão abertas na fase de compressão). Ele gera 145 cv, menos que os 163 cv do irmão chinês S330 – que funciona em ciclo Otto. Mas o câmbio automático CVT é comum aos dois.

Dirigimos o Territory no conturbado trânsito de Guangzhou, a terceira maior área metropolitana da China. O motor sino-japonês se mostrou esperto para o trânsito urbano, sem aquela falta de fôlego inicial típica de motores turbo antigos.

 (Divulgação/Ford)

 

A direção elétrica é comunicativa e direta, o que ajudou a deixar uma primeira boa impressão. Mas achar a melhor posição de dirigir não é fácil: apesar do ajuste em altura e profundidade (raridade em um carro chinês), a alavanca fica em posição incômoda, sob o volante, e exige força para ser movida.

A suspensão é macia o suficiente para filtrar bem as irregularidades do asfalto chinês, mas se mostrou firme nas curvas.

 (Divulgação/Ford)

 

Um dos recursos mais surpreendentes do Territory está justamente fora dele. Um aplicativo desenvolvido pela Ford que permite configurar o veículo pelo smartphone. Pode-se dar a partida no motor, abrir ou fechar as janelas e o teto solar, regular o ar-condicionado e até acionar o roteador Wi-Fi que equipa o SUV.

Interior tem design moderno e há ajuste elétrico para os bancos dianteiros

Interior tem design moderno e há ajuste elétrico para os bancos dianteiros (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Para os passageiros, a boa notícia é o espaço. Com 2,72 m de entre-eixos (9 cm maior que o de um Jeep Compass), o espaço no banco traseiro ficou bem generoso para as pernas, mesmo se for alguém com 1,80 m atrás do motorista, também de 1,80m, como eu. Há saída de ar traseira, mas sem ajuste de temperatura.

 

Com 2,72 m, há espaço de sobra para as pernas no banco traseiro

Com 2,72 m, há espaço de sobra para as pernas no banco traseiro (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Na China, o Territory é um produto estratégico para tentar elevar as vendas da Ford, hoje em queda. O SUV é um dos 50 modelos que a marca pretente lançar no país até 2025 na tentativa de recuperar mercado. Por lá, os preços variam entre R$ 62.000 e R$ 81.000 numa conversão simples. Pode soar barato, mas o irmão chinês custa o equivalente a R$ 29.000.

 

Porta-malas oferece 420 litros de volume

Porta-malas oferece 420 litros de volume (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Fontes ligadas à Ford afirmam que hoje a marca quer trazer da China a atual geração por dois anos, a partir do fim de 2020. Depois, em 2022, passaria a ser fabricado na Argentina já em nova geração. O preço ficará na mesma faixa do Jeep Compass Flex, hoje entre R$ 114.000 e R$ 147.000.

Os passageiros podem estar conectados o tempo todo sem medo de ficar sem bateria. Há uma entrada USB de carregamento rápido para quem vai atrás, duas na frente e um carregador por indução no console

Os passageiros podem estar conectados o tempo todo sem medo de ficar sem bateria. Há uma entrada USB de carregamento rápido para quem vai atrás, duas na frente e um carregador por indução no console (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

Veredicto

O Territory é o exemplo de que a China pode fazer  bons carros, mas cobra por isso. E é justamente do preço que dependerá seu sucesso no Brasil.

Ficha Técnica

Preço:

  • R$ 130.000 (estimado)

Motor:

  • gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, turbo, injeção direta DOHC, 16V, 1.490 cm³, 11,4:1 145 cv a 5.200 rpm, 22,9 mkgf a entre 1.500 rpm e 4.000 rpm

Câmbio:

  • CVT, tração dianteira

Suspensão:

  • McPherson (dianteira) e multilink (traseira)

Freios:

  • disco ventilado (dianteira) e sólido (traseira)

Direção:

  • elétrica

Rodas e pneus:

  • liga leve, 235/50 R18

Dimensões:

  • comprimento, 458 cm; largura, 193,6 cm; altura, 167,4 cm; entre-eixos, 271,6 cm; peso, 1.610 kg; tanque, 52 l; porta-malas, 420 l
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Juarez Linhares de Souza

    Você ainda vai ter um chinês.