Clique e assine por apenas 5,90/mês

Ford encerra produção de fábrica no ABC após 65 anos e demite 600

Em meio a negociações emperradas com a Caoa, complexo de São Bernardo do Campo deixa de produzir veículos nesta quarta-feira

Por Leonardo Felix - 30 out 2019, 07h00
Fábrica de São Bernardo produziu clássicos da história da Ford no país Acervo/Quatro Rodas

Esta quarta-feira (30) representa o último dia de atividades produtivas na fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP). Desde o fim da linha do Fiesta, em junho, apenas caminhões vinham sendo fabricados no local.

Agora, os cerca de 600 funcionários remanescentes na linha de montagem serão demitidos. Outros 1.000 que atuam na parte operacional seguem empregados, inicialmente, até março do ano que vem.

Depois disso, uma boa parte deles deve também ser dispensada, enquanto outra será transferida para um novo escritório em São Paulo capital.

Quando o fechamento do complexo foi anunciado, em fevereiro, havia 3.000 trabalhadores contratados. Muitos já foram desligados através de um plano de demissão voluntária iniciado em abril.

E a Caoa?

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o Caoa, ao lado do governador de SP, João Doria, e do presidente da Ford na América do Sul, Lyle Watters, durante o anúncio da intenção de compra da fábrica no ABC paulista Governo de SP/Divulgação

O grupo Caoa, importador oficial da Hyundai e sócio da chinesa Chery no Brasil, formalizou interesse na aquisição da fábrica de São Bernardo do Campo no início de setembro.

Entretanto, até esta semana o negócio não havia sido concluído. Tanto a Ford quanto a empresa brasileira mantêm silêncio a respeito do tema.

Procurado por QUATRO RODAS, o Sindicato dos Metalúrgicos apontou que o que está emperrando a conclusão das negociações é a demora para aprovação de um empréstimo pedido pela Caoa ao BNDES.

Enquanto o dinheiro não for liberado, a transação deve seguir paralisada.

Continua após a publicidade

História

A fachada da fábrica Acervo/Quatro Rodas

Nossa reportagem já resumiu os 67 anos de existência (sendo 65 de operação efetiva) do complexo no ABC paulista.

Inaugurada em 1952 pela Willys-Overland, iniciou a produção de automóveis dois anos mais tarde, com o Jeep Willys. Nos 12 anos sequentes entraram em linha CJ-5, Rural 4×4, Renault Dauphine, Aero, F-75, Interlagos e Itamaraty.

Comprada pela Ford em 1967, a Willys lançou usou o projeto M, da Renault, como ponto de partida para lançar em 68 a primeira geração do Corcel.

A partir dali, São Bernardo passou a produzir grandes clássicos da marca americana no país, como Maverick, Corcel II, Del Rey (sedã e Belina) e Pampa. Todos ainda guardavam resquícios da plataforma Renault M.

O ano de 83 marcou a chegada do primeiro projeto global da unidade, o notchback de entrada Escort. Pouco tempo depois, da Autolatina (parceria entre Ford e Volkswagen) surgiram os modelos Verona, Versailles e Royale.

Escort foi um dos modelos mais importantes da Ford feitos no Brasil Acervo/Quatro Rodas

Em 96, já separada da Volkswagen, a Ford nacionalizou a fabricação do hatch compacto Fiesta, até então importado. Um ano mais tarde foi a vez de chegarem o subcompacto Ka e a picapinha Courier, derivada do Fiesta.

A partir de 2001, São Bernardo concentrou a produção de caminhões da Ford. Já o Fiesta passou a ser feito no recém-inaugurado complexo de Camaçari (BA).

Por fim, em 2013, com o fim de linha do Ka de segunda geração, o New Fiesta, importado do México desde 2010, voltou para o ABC paulista, enquanto a atual geração do Ka migrou para Camaçari em 2014.

Continua após a publicidade
Publicidade