Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Renault vende operação russa ao governo de Putin por sete centavos de real

Maior fabricante do país, Renault desiste da Rússia devido ao agravamento de sanções. Carros feitos pelo governo perderão até ABS, dizem analistas

Por Eduardo Passos 28 abr 2022, 14h09

Desde o início da guerra na Ucrânia, a Renault vem tentando manter as operações na Rússia, onde lidera com largas margens. A montadora francesa, entretanto, acaba de jogar a toalha, vendendo suas operações locais ao governo russo.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

A Renault controlava, desde 2007, 68% da icônica fabricante russa Lada por meio da empresa AvtoVAZ, além de produzir modelos próprios e da Nissan. A união frutífera permitiu que, dos dez carros mais vendidos no país em 2021, três, incluindo os dois primeiros, Vesta e Granta, fossem da Lada, com o Renault Duster em nono lugar. 

Ao todo, 30% do mercado automotivo russo pertencia à Renault, com 45.000 pessoas empregadas nas atividades locais. Com as sanções e restrições causadas pela guerra de Vladimir Putin, entretanto, foi se tornando cada vez mais difícil operar no país. 

De bilhões a centavos

Segundo The Wall Street Journal, quando deflagrado o conflito, a marca logo procurou um jeito de cessar atividades no país, ao mesmo tempo que produzia o que dava com as peças em estoque nas fábricas locais.

Com o prosseguimento da guerra, porém, o prejuízo foi grande, uma vez que salários e fornecedores eram pagos, mas as vendas despencavam. No final de março, férias coletivas foram dadas para repor estoque e encontrar soluções, que não foram das melhores.

Governo russo já comanda fábrica de 65.000 m² em Moscou
Governo russo já comanda fábrica de 65.000 m² em Moscou Divulgação/Renault
Continua após a publicidade

Com valor estimado em R$ 12 bilhões, a fatia da Renault na AvtoVAZ foi transferida para o governo russo, anunciou a agência RIA Novosti. A avaliação de mercado deu lugar ao valor simbólico de um rublo, que, na cotação atual, corresponde a algo como R$ 0,07.

Segundo Denis Manturov, ministro de Comércio e Indústria da Rússia, a montadora francesa poderá comprar sua parte de volta em “cinco ou seis anos”. Manturov não especificou se a recompra seria feita pelo mesmo valor, mas adiantou: qualquer investimento feito por Moscou será cobrado.

Vacas magras

Daqui em diante, tudo que a Renault fazia na Rússia será realizado por órgãos e institutos estatais. A fábrica de Moscou, onde foram produzidos 75.835 carros em 2020 — incluindo o Nissan Terrano e os Renault Duster, Kaptur e Arkana — já está em posse do regime de Putin, disse o ministro.

Segundo a imprensa local, os funcionários da AvtoVAZ trabalharão quatro dias por semana, durante os próximos três meses. Em maio, a ideia é gastar o estoque feito durante as férias forçadas, com problemas graves começando em junho.

Carro mais vendido da Rússia em 2021, Lada Vesta terá versão
Carro mais vendido da Rússia em 2021, Lada Vesta terá versão “pé-de-boi” como única opção, acreditam analistas Divulgação/Lada

Em entrevista à rádio Sputnik, o jornalista automotivo Maksim Kadakov traçou um panorama sombrio para a Lada, que já vende 37% a menos que no ano passado. “Carros em versões sem nenhum componente eletrônico como, por exemplo, ABS, serão feitos a partir de junho”.

“Posso dizer que esses carros em versões simplificadas não parecerão ‘farrapos’, serão carros normais. A AvtoVAZ se esforçará bastante para que pareçam bons veículos”. Segundo Kadakov, tais modelos serão mais baratos e “quem comprar um desses carros entenderá que o carro terá coisas faltantes, mas seguirá sendo um carro”.

Ao todo, 225.128 unidades do Vesta e do Granta (foto) foram vendidas em 2021. Modelos perderão até ABS na fase estatal da Lada
Ao todo, 225.128 unidades do Vesta e do Granta (foto) foram vendidas em 2021. Modelos perderão até ABS na fase estatal da Lada Divulgação/Lada

Horizonte sombrio

Com a saída da maior fabricante de carros da Rússia, analista já veem um “guia” para outras montadoras, completou o WSJ. A Stellantis, por exemplo, já interrompeu atividades no país, citando dificuldades logísticas e sanções.

Parlamentares russos agora buscam aprovar uma nova lei, que permita o confisco de bens das empresas que saiam do país em resposta à guerra na Ucrânia. A medida tem o apoio de Putin e, em sua justificativa, busca defender os empregos e evitar falências.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês