Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Renault Kwid usado é barato de comprar e manter; veja principais problemas

O compacto tem qualidades e defeitos como todo carro. Mas seu histórico no mercado recomenda atenção do comprador do seminovo

Por Alexandre Ule Ramos Atualizado em 20 abr 2022, 22h51 - Publicado em 21 abr 2022, 10h00

Lançado na Índia em 2015, o Renault Kwid apareceu no Brasil em 2017 com motor três-cilindros 1.0 12V de 70 cv. Sua suspensão elevada e o visual lhe valeram o apelido de SUV dos compactos. Mas sua extrema simplicidade chamou atenção, com as rodas de três parafusos, limpador de para-brisa único e o uso extenso de plásticos rígidos.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Quando surgiu, o Kwid custava menos de R$ 30.000 na versão de entrada Life, que não trazia ar-condicionado e direção elétrica nem mesmo como opcionais. Era um carro para frotistas, a princípio. Quem quisesse mais conforto teria de partir para a Zen, que vinha com ar-condicionado, direção elétrica, travas elétricas e vidros elétricos dianteiros.

Automóvel Kwid Life, da Renauilt, testado pela revista Quatro Rodas.
Apesar de compacto, o Kwid carrega até quatro adultos Steve Xiao/Quatro Rodas

O degrau seguinte era a Intense mais Pack Connect, composto por retrovisores elétricos, faróis de neblina, tela de 7” para áudio e navegador, câmera traseira, abertura elétrica do porta-malas, rodas de liga leve e chave canivete. A versão mais off-road Outsider surgiu na linha 2020, e trazia rodas pretas e rack decorativo como extras, além dos itens encontrados na Intense.

Infelizmente, alguns defeitos crônicos marcaram a vida desse carrinho, com grande número de reclamações, como problemas no trambulador, na embreagem, entre outros, alvo de reportagem publicada pela Quatro Rodas. Isso fez com que o Kwid tivesse uma lista grande de reclamações entre seus proprietários.

Kwid
Steve Xiao/Quatro Rodas

Quem pensa em comprar um Kwid usado deve levar em conta esses defeitos e também outros aspectos que não agradaram ao consumidor. O tanque de combustível modesto, de apenas 38 litros, é um deles. Os bancos dianteiros pequenos são desconfortáveis para os mais altos. E o nível de ruído interno elevado incomoda os mais atentos.

Compartilhe essa matéria via:

E existem ainda reclamações em relação ao funcionamento do ar-condicionado, tido como ruidoso, vibração dos pedais, freios ineficientes, curso curto das suspensões, caixa de direção barulhenta.

Continua após a publicidade

Então tudo é ruim quando se fala em Kwid? Não, o consumo é baixo, a manutenção é barata, assim como o seguro. Tem quatro airbags e pontos de fixação Isofix. E porta-malas de 290 litros, bom para um carro desse tamanho (maior do que o do Fiat Mobi, com 235 litros).

Renault Kwid Mercado 740
Renault Kwid Zen 1.0 Acervo/Quatro Rodas

É mais comprido que o modelo da Fiat também, com 3,68 metros contra 3,56 m. E pesa bem menos, 780 kg contra 967 kg do Fiat. Mas, em virtude dos problemas, olho vivo na hora da compra para que essa opção não se transforme em frustração.

Defeitos do Renault Kwid

  • Embreagem: Fica dura por problemas no cabo e no platô. Não existe solução, a não ser a troca dos componentes.
  • Marcha a ré: Pode apresentar ruído desagradável. Existe um boletim interno da Renault para resolução desse problema denominado “Dica Techline 2019-07, de 09/10/2019”. Mas, pelos relatos, mesmo com tal procedimento, o ruído volta.
  • Pedais: Uma vibração do conjunto de pedais que chega a provocar formigamento nas pernas do motorista, após um longo percurso.
  • Freio: É bom verificar estado de pastilhas e discos, alvos de reclamações por problemas de desgaste precoce.
  • Coxins: Os apoios de motor e câmbio sofrem de desgaste precoce e causam excesso de trepidação no conjunto mecânico.
  • Sensor do acelerador: Uma falha nesse componente provoca o acendimento da luz da ignição no painel de instrumentos, que indica problemas no sistema.
  • Luz do painel: A tal luz do sistema de ignição é alvo de trocas por problemas constantes.

A voz do dono

Nome: Heraldo José Pereira de Oliveira
Idade: 35 anos
Profissão: comerciante
Cidade: São Paulo (SP)

O que eu adoro
“Ele é compacto e oferece um bom porta-malas. É econômico e para mim não fica caro pagar as manutenções preventivas, as revisões não são caras e o seguro também saiu bem em conta.”

O que eu odeio
“O pedal do acelerador foi trocado três vezes, a marcha a ré teve uma espécie de aplicação de graxa, a suspensão é duríssima, o painel foi trocado, o ar é muito barulhento, os bancos são desconfortáveis.”

Preço médio dos Renault Kwid usados (KBB Brasil)

Preço Médio Kwid
Reprodução/Quatro Rodas

Preço das peças do Renault Kwid

Preço das peças Renault Kwid
Reprodução/Quatro Rodas

Teste de pista

  • Aceleração de 0 a 100 km/h: 15,2 s
  • Aceleração de 0 a 1.000 m: 36,7 s – 138,3 km/h
  • Velocidade máxima: 156 Km/h
  • Retomada de 40 a 80 km/h: 8,9 s
  • Retomada de 60 a 100 km/h: 14,5 s
  • Retomada de 80 a 120 km/h: 25,8 s
  • Frenagens de 60/80/120 km/h a 0 m: 16,3/28,6/65,3 m
  • Consumo urbano: 14,6 km/l
  • Consumo rodoviário: 18,2 km/l

Ficha técnica – Renault Kwid Life

  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros em linha, 12V, 999 cm3; 66/70 cv a 5.500 rpm, 9,4/9.8 mkgf a 4.250 rpm
  • Câmbio: manual, 5 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteiro) /eixo rígido (traseiro)
  • Freios: discos sólidos (dianteiro), tambor (traseiro)
  • Direção: mecânica; diâmetro de giro, 10 m
  • Rodas e pneus: aço, 165/70 R14
  • Dimensões: comprimento, 368 cm; altura, 147,4 cm; largura, 157,9 cm; entre-eixos, 242,3 cm; peso, 758 kg; tanque, 38 l; porta–malas, 290 l

Nós dissemos

Reprodução Quatro Rodas 716
Reprodução/Quatro Rodas

MAIO DE 2019  “Assim que reportamos o rangido e a dureza da embreagem, o técnico assumiu o banco do motorista, pisou no pedal e decretou: ‘Já imagino o que seja… Como esse problema tem afetado outros Kwid, a Renault autorizou a execução do conserto em garantia”, disse o técnico. “O pedal do acelerador também foi trocado.”

Pense também em um…

Fiat Mobi
Fernando Pires/Quatro Rodas

Fiat Mobi – É mais curto, portanto oferece menos espaço para os ocupantes de trás. Mas é mais largo. O acabamento é simples, mas superior ao do Kwid pelo uso de plásticos com diferentes texturas. A partir de abril de 2020, deixou de usar o ótimo motor 1.0 Firefly, encontrado também no Argos e Cronos, para voltar ao 1.0 Fire Evo, de concepção mais antiga.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês