Clique e assine com até 75% de desconto

QUATRO RODAS de fevereiro: VW Polo GTS à prova contra Renault Sandero RS

Compacto esportivo enfim chegou e foi testada em primeira mão, mas não teve moleza contra rival da marca francesa. Quem vence essa parada?

Por Da Redação 24 jan 2020, 16h58
Arte/Quatro Rodas

A edição de fevereiro da QUATRO RODAS já está pronta para chegar às bancas e também à sua casa. O VW Polo GTS finalmente foi lançado, e já foi testado em primeira mão por nossa reportagem.

Mas não teve moleza: quem o esperava na pista era o Renault Sandero RS, hot hatch já consolidado no mercado nacional.

Os últimos compactos esportivos do Brasil se enfrentaram em um comparativo de encher os olhos e o Volkswagen de quase R$ 100.000 caiu no asfalto junto como Renault de R$ 70.000.

Será que o 1.4 turbo de 150 cv e 25,5 mkgf do Polo é capaz de bater o 2.0 de 150 cv e 20,9 mkgf do RS? Não perca! Mais do que isso: será que a diferença de R$ 30.000 entre eles se justifica? Não perca!

Falando em esportividade, uma lenda voltou às nossas páginas. O Ford Mustang Shelby GT350R mostrou que ainda é raiz: tração traseira, câmbio manual de seis marchas e um motor V8 de 533 cv e 59,3 mkgf.

Um novo veículo especial foi testado por QUATRO RODAS. O motorhome Santo Inácio 7.5 SI, derivado da Mercedes Sprinter, foi a casa da nossa equipe por três dias.

As oito páginas destinadas ao veículo mostram cada detalhe da casa móvel e também a sensação de pegar um carro e sair viajando pelo Brasil.

Ah, mas não para por aí. Com o mercado de seminovos cheio de boas opções, separamos 12 modelos a partir de R$ 35.000 que valem seu dinheiro e, mais que isso, colocam em dúvida se um zero-quilômetro é mesmo a melhor opção.

Arte/Quatro Rodas

Outros destaques da edição de fevereiro:

Jeep Gladiator: Hilux e L200 que se cuidem, pois o Gladiator desembarca neste ano no Brasil para ser a referência do segmento off-road.

Volkswagen T-Cross: o corpo de SUV não mostra a alma esportiva do T-Cross. A versão de entrada vem bem equipada e ainda supera o Up! TSI na pista.

Kia Rio: demorou 20 anos – sim, 20 anos! –, mas o Kia Rio chegou. O novo compacto sul-coreano começa a ser vendido no Brasil para brigar com os novos Onix e HB20.

Longa Duração: após 60.000 km, enfim, o Volkswagen Virtus foi desmontado. Muita água rolou – literalmente – e o sedã revelou novas surpresas.

Lexus x Mercedes: por R$ 255.000 qual você leva pra casa? O comparativo feito por QUATRO RODAS mostrou que Mercedes e Lexus têm visões diferentes do que é luxo e também tecnologia híbrida.

Continua após a publicidade

Carta ao leitor

Fernando Pires/Quatro Rodas

Querido leitor, como se sentiria se eu ligasse para sua casa e o acusasse de fraudar a empresa em que trabalha, especialmente sabendo que nada disso é verdade?

Se você ficou incomodado com isso, então já tem uma leve ideia de como eu e toda a equipe da QUATRO RODAS nos sentimos quando recebemos de alguns leitores do site ou da revista acusações infundadas de trabalharmos a favor das montadoras e até vendermos resultados de comparativo.

Vou contar um segredo: não bastasse a afirmação não ser verdadeira, ela não faz sentido algum. Se o acusador parasse um minuto para pensar no que está dizendo, perceberia a falta de lógica por três motivos.

Primeiro: cada comparativo gera só um vencedor e vários perdedores. Quantos inimigos não conquistaríamos, por exemplo, em testes como o dos 12 SUVs compactos (edição de maio) se tudo fosse manipulado?

Segundo: nenhum anunciante do setor associaria seu nome por anos a uma publicação que não é ética, já que ele saberia que existem matérias compradas – por ele mesmo, aliás.

Terceiro: se a QUATRO RODAS sempre ficou ao lado dos fabricantes e contra os consumidores, como explicar que a publicação ao longo de quase 60 anos de história é líder no segmento, acabou frutificando e explodiu em outras plataformas, como site, YouTube e Instagram?

Um caso típico de ataques gratuitos à imparcialidade da QUATRO RODAS ocorreu em janeiro passado, com a reportagem “Vender carro no Brasil dá prejuízo a fabricantes e lucro a locadoras” – recomendo muito essa leitura.

A crítica geral era que a informação não podia ser verdadeira porque “todos sabem que as montadoras ganham fortunas”.

Óbvio que o comentário vinha de quem não havia lido o texto, que comparava quanto dinheiro era enviado às matrizes e quanto elas investiam nas filiais brasileiras atualmente.

E deixava claro que, no passado, a situação era diferente, com gordos lucros para a indústria. 

Como o melhor modo de difundir seus princípios éticos é com atos e não só palavras, dou outro exemplo, com uma reportagem que está longe de ser do interesse dos fabricantes: convidamos os leitores a adquirir um automóvel usado, em detrimento do sonho do zero-quilômetro.

  • O editor Paulo Campo Grande selecionou 12 seminovos, divididos em quatro faixas de preço.

    Seu levantamento revela como é possível trocar o cheirinho de carro novo por um modelo que ainda está na garantia e custa até 30% menos. Duvida? Então vá conferir na pág. 66.

    Assim, espero que todos esses argumentos sejam suficientes para comprovar que a missão da QUATRO RODAS em quase seis décadas de vida continua a mesma: proteger os interesses do leitor.

    Mas, se você ainda está com a pulga atrás da orelha, não há problema. Basta escrever e terei o prazer de esclarecer a cada um. Afinal, trabalhamos para você, leitor.

    Continua após a publicidade
    Publicidade