Qualquer um pode deixar seu carro bicolor. Conheça as opções e preços

Veja que cuidados tomar na hora de pintar ou envelopar o teto do carro em outra cor, e quais modelos oferecem o padrão bicolor de fábrica

Lado a lado um Renault Captur com pintura bitom de fábrica e um Kwid semi-envelopado

Lado a lado um Renault Captur com pintura bitom de fábrica e um Kwid semi-envelopado (Reprodução/Facebook/Renault Kwid - Brasil/Internet)

Modinha ou não, fabricantes, concessionárias e empresas independentes viram na atual tendência de ter o teto do carro de outra cor um ótimo filão. Muitos carros já saem de fábrica no padrão bicolor.

Para quem não quer ficar preso às opções da montadora ou buscar soluções mais baratas, as autorizadas ou lojas especializadas oferecem o serviço, tanto de pintura como de envelopamento.

Só que é preciso ficar atento a vários aspectos para deixar o automóvel estiloso sem afetar a pintura original – e a garantia.

Pintura

Pintar o teto em outro padrão, além de caro, não é um serviço tão simples como parece.

“Material de baixa qualidade ou mão de obra não especializada podem danificar a pintura original e, em caso extremo, exigir que o cliente tenha que pintar o teto inteiro de um carro recém-adquirido.

Isso prejudica a negociação futura do veículo, levando possíveis compradores a desconfiar do motivo da pintura do teto”, adverte Julio Fiorin, diretor comercial da Suzuki Veículos.

Suzuki Vitara é um dos modelos que mais oferecem combinações diferentes de cores contrastantes de fábrica

Suzuki Vitara é um dos modelos que mais oferecem combinações diferentes de cores contrastantes de fábrica (Renato Pizzutto/Quatro Rodas)

Custo

A economia é significativa quando se recorre a oficinas independentes. Além disso, elas têm mais opções de cores.

Nas empresas especializadas em pintura de São Paulo e Rio, o serviço custa, em média, de R$ 800 a R$ 1.200. Para acabamento de outro tom também para colunas e spoiler, o custo pode aumentar em até 30%.

O padrão de fábrica é mais caro. O preto brilhante ou grafite fosco do Suzuki Vitara, por exemplo, sai por mais R$ 1.350.

O Nissan Kicks com pintura bicolor de fábrica custa R$ 1.550 adicionais. No Kia Soul, a bossa tem preço de R$ 2.200. O Citroën C4 Cactus até tem teto branco de série por R$ 1.000, mas há combinações mais bacanas por valores que vão de R$ 2.400 a R$ 2.800.

Entre elas, a famosa azul com branco nos retrovisores, molduras dos faróis de neblina e em um dos Airbumps (acabamentos nas portas).

C4 Cactus cobra até R$ 2.800 por uma pintura “diferentona”

C4 Cactus cobra até R$ 2.800 por uma pintura “diferentona” (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Isolamento

Carro não pode ser pintado à luz do dia e em espaço aberto. Portanto, observe se a loja tem cabine de pintura, devidamente fechada e isolada.

São ambientes pressurizados, que fazem a troca de ar por meio de exaustores para evitar que impurezas sejam impregnadas na tinta nova.

“É importantíssimo que a pintura seja realizada em cabine, pois garante que o local não terá nenhuma contaminação”, explica Estelane Alves Sérgio, 53 anos, sócia do Ateliê do Automóvel, empresa carioca especializada em pintura automotiva.

Mete a lixa!

Pintura de carro não é que nem pintar a parede de casa. É preciso remover a tinta que está lá com lixas próprias para uso em carrocerias de carros. Isso vai garantir a aderência da tinta que será aplicada. Depois da primeira lixa, qualquer imperfeição percebida no teto deve ser reparada.

É fundamental uma superfície sem mossas ou amassados para aplicação do primer, que é a base (também chamada de pintura de fundo). O veículo segue para uma sequência de lixas especiais, para que não surja nenhuma imperfeição após a pintura.

Depois, vem o tira-pó, espécie de gaze com material colante que elimina resíduos e gorduras da lataria. Só depois desse processo é que o veículo vai para a cabine de pintura.

Nissan Kicks Para aplicar dois tons de fábrica num carro, é preciso fazer carroceria passar duas vezes pela linha de pintura

Para aplicar dois tons de fábrica num carro, é preciso fazer carroceria passar duas vezes pela linha de pintura (Divulgação/Nissan)

Banho de tinta

A cabine trabalha com níveis de pressão distintos para cada tipo de tinta (metálica, lisa ou perolizada).

Após sua aplicação, vem o verniz – fosco, se for o caso –, que assegura proteção e brilho. Na vistoria final, caso haja alguma imperfeição, pode ser utilizada mais uma lixa.

“No teto, caso o trabalho não seja feito da maneira correta, há risco de oxidação da carroceria ou manchas na pintura”, alerta Dercyde Gomes, diretor de pós-vendas e serviços da Peugeot e Citroën.

Recomendação importante é verificar se a empresa possui laboratório próprio, ou seja, um equipamento capaz de reproduzir diferentes matizes de cores. Inclusive, seguir a cor original de fábrica.

A pintura do teto está longe de ser um trabalho expresso. Os processos de preparo e pintura são pontuados por diversos intervalos e consomem, em média, três dias.

Mas ainda há a secagem, que pode durar de 15 a 25 dias, conforme o modelo do carro, a área pintada e as condições climáticas. As garantias variam entre os estabelecimentos de um a dois anos.

JAC T40 vem de série com teto envelopado, e não pintado de preto

JAC T40 vem de série com teto envelopado, e não pintado de preto (Divulgação/JAC)

Envelopamento

Cobrir o teto com adesivo automotivo é a opção mais rápida para quem quer deixar o carro bicolor. Concessionárias oferecem o serviço como acessório, o que assegura a garantia de fábrica em boa parte das marcas.

Já as lojas especializadas se multiplicaram nos últimos anos, mas orçamentos muito baratos, locais sem infraestrutrura e mão de obra não qualificada podem ser ciladas.

Por isso as montadoras advertem que serviços feitos fora das concessionárias (pintura ou envelopamento) podem comprometer a garantia parcial do veículo, ligada à carroceria.

O envelopamento deve ser feito em estabelecimento, de preferência, que só faça esse serviço, com ambiente fechado e iluminado e materiais específicos.

“Não se deve fazer na garagem de casa, porque não é um local limpo, não tem iluminação adequada, está exposto a poeira e vento. Isso enche o adesivo de contaminação”, diz Maison Liander, 37 anos, sócio da Second Skin, empresa paulista especializada em envelopamento.

Estão envelopando o teto até do líder Chevrolet Onix

Estão envelopando o teto até do líder Chevrolet Onix (Reprodução/Facebook/Chevrolet Onix/Internet)

Adesivos

Dê preferência a materiais de fabricantes como 3M, Avery, Hexis e Oracal. Os importados são mais caros, contudo garantem melhor acabamento e maior durabilidade.

Isso porque o adesivo é mais maleável e tem baixa retração – principalmente os classificados como premium –, ou seja, não encolhe ou enruga facilmente durante a aplicação.

Além disso, usa cola à base de solvente, mais resistente à exposição ao sol e à chuva, e que deixa poucos resíduos na retirada.

Há lojas que nem sequer utilizam produtos nacionais por causa da baixa vida útil, já que sua cola é à base de água, com um alto nível de encolhimento.

Em média, as premium podem durar até sete anos, enquanto as chamadas intermediárias têm validade entre quatro e cinco anos. Já as empresas costumam oferecer de dois a três anos de garantia para descolamento e desbotamento.

Duração

A aplicação do adesivo no teto leva entre 1h30min e 2h. Mas se incluir colunas e spoiler/aerofólio, o tempo médio fica entre 5h e 7h. Mas é importante saber que não se pode adesivar teto de carro repintado.

A retirada do envelopamento em pinturas não originais pode danificar a superfície e até “puxar” pedaços da tinta e do verniz.

É preciso esperar pelo menos 72 horas para lavar o carro. Depois, a recomendação é limpar o veículo uma vez por semana, sempre com produtos neutros.

MODELO

PINTADO
DE FÁBRICA
ENVELOPADO
NA AUTORIZADA

ENVELOPADO  EM
LOJAS INDEPENDENTES

Caoa Chery Tiggo 2

R$ 1.500 De R$ 1.200 a R$ 1.300

De R$ 450 a R$ 600

Chevrolet Onix

De série na versão Effect

De R$ 400 a R$ 600 (versão Advantage)

Citroën C4 Cactus*

R$ 2.400 (versão Shine) De R$ 2.600 a R$ 2.800 De R$ 1.500 a R$ 1.800

Fiat Argo

R$ 899** R$ 1.066 De R$ 450  a R$ 600

JAC T40

R$ 990

De R$ 400 a R$ 550

Jeep Compass De série nas versões Limited  e Trailhawk

De R$ 500 a R$ 700

Nissan Kicks R$ 1.550

De R$ 450 a R$ 650

Renault Kwid*** De R$ 1.300 a R$ 1.500

De R$ 900 a R$ 1.100

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Luis Antonio

    na minha opinão isso é modinha.