Clique e assine por apenas 8,90/mês

Os carros da Rússia são bem piores do que os nossos “nacionais”

Herança soviética deu origem a veículos curiosos e bastante desatualizados no país sede dos jogos

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 14 jun 2018, 12h38 - Publicado em 14 jun 2018, 12h29

Quem for à Rússia para acompanhar os jogos da Copa, em junho, perceberá que, apesar da distância, o mercado automotivo local tem suas semelhanças com o nosso.

Além das estradas em péssimas condições, o que obriga os fabricantes a reforçar a suspensão, os dois países têm histórico de manter carros bem antigos em produção por décadas.

As limitações da ex-URSS e a necessidade de ter carros robustos e baratos deram origem a modelos bem curiosos, que ainda podem ser vistos nas ruas – e até mesmo nas concessionárias.

UAZ-452 BUKHANKA

UAZ/Divulgação

Em comum com a Kombi há o apelido (Bukhanka significa  “pão” em russo) e a longevidade: está em produção desde 1965.

Tem motor 2.7 a gasolina (é difícil dar partida em motor diesel pela manhã no frio da Sibéria) de 112 cv dianteiro e tração 4×4 com caixa de transferência de duas velocidades.

Moskvich 233521 

Moskvich/Divulgação

A variante de quatro lugares da picape 2335 surgiu em 2000 e sua produção quase artesanal aproveitava carrocerias desalinhadas do sedã Moskvich-2142V3 “Príncipe Vladimir”, um sedã luxuoso para os padrões locais.

entre eixos chegava a longos 2,90 m, o que permitiu a instalação de um banco traseiro e de portas dianteiras mais longas. 

O maior motor disponível era um 2.0 de parcos 89 cv.

UAZ hunter

Uaz/Divulgação

Derivado do UAZ-469, criado em 1971 para ser o jipe soviético, o Hunter se mantém simples e robusto.

É produzido até hoje com motores 2.7 a gasolina de 128 cv ou 2.2 diesel de 114 cv. Há opção de teto rígido ou de lona.

UAZ Patriot

Uaz/Divulgação

Sucessor do Hunter, o Patriot foi lançado em 2005, após a UAZ ter sido comprada por um grupo financeiro.

Faz sucesso por poder levar cinco adultos e 200 kg de carga. Usa os mesmos motores do Hunter, mas seu sistema 4×4 tem bloqueio do diferencial traseiro.

Além disso, tem “modernidades” como airbags dianteiros, central multimídia, vidros elétricos e sensor de estacionamento.

GAZ Volga

Gaz/Divulgação

Lançado em 1956, o GAZ Volga é um ícone da cultura local e dos países que fizeram parte do bloco soviético.

Foi um dos modelos mais usados como táxi na região nos anos 70.

Continua após a publicidade

Esta segunda geração, de 1977, seguiu em produção até seu fim, em 2010.

As unidades da KGB usavam poderosos motores rotativos Wankel de 210 cv.

ZIL- 4104.7

 

ZIL/Divulgação

As limusines ZIL são ícones da antiga URSS. Luxuosas e imponentes, serviam ao alto escalão do governo.

A 4104.7 foi a última delas: saiu de linha em 2002 com motor V8 7.7 carburado de 311 cv e câmbio automático de apenas três marchas, apesar dos seus 6,34 metros de comprimento.

GAZ Siber

 

Gaz/Divulgação

Já aposentado nos EUA, o Dodge Stratus foi produzido na Rússia entre 2008 e 2010.

Usava motores 2.0 e 2.4 gasolina da mesma família Tigershark dos usados hoje por Jeep Compass e Fiat Toro fabricados no Brasil.

Lada Granta

 

Lada/Divulgação

A Lada ainda produz o jipe Niva, mas é o Granta seu carro-chefe. Só não vendeu mais que o Kia Rio em 2017, mas garantiu o posto de carro russo mais vendido.

Com motor 1.6, parte dos 324.000 rublos (R$ 18.500).

Lada Xray

Lada XRAY
Lada XRAY Divulgação/Lada

Baseado no Sandero (a Lada é controlada pela Renault), o Xray é o Lada mais moderno.

A versão topo de linha tem central multimídia, ar-condicionado automático e motor 1.8 de 122 cv.

Lada Vesta Cross

Lada Vesta Cross
Lada Vesta Cross Lada/Divulgação

O mercado russo gosta de carros peculiares.

O mais recente deles é o Vesta Cross Sedan, um sedã com molduras nas caixas de roda e e saias laterais maiores.

Não para por aí, porem: a suspensão é muito mais alta e rende vão livre do solo de 20,3 cm – 0,3 cm mais alto que um Jeep Renegade flex.

Continua após a publicidade
Publicidade