Clássicos: Awe Wartburg 311/312, objeto de desejo na guerra fria

O Wartburg foi a única concessão da Alemanha Oriental à padronização automotiva imposta pelo regime durante a guerra

Awe Wartburg 311/312 O Wartburg 312 tinha sempre carroceria em dois tons

O Wartburg 312 tinha sempre carroceria em dois tons (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Todos são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros. A frase de George Orwell foi uma das críticas mais contundentes à ideologia socialista.

Sob a rédea repressora da Alemanha Oriental, todos deveriam rodar a bordo de um humilde Trabant, mas só alguns privilegiados desfrutavam do status de um Wartburg.

Ocupada pelos soviéticos após a Segunda Guerra, a fábrica da BMW em Eisenach foi rebatizada AWE (Automobilwerk Eisenach) e integrada à estatal IFA (Industrieverband Fahrzeugbau), que fabricava o F9 em Zwickau.

Derivado do DKW dos anos 30, o IFA F9 teve a produção transferida para Eisenach em 1953, sendo encerrada três anos depois.

Awe Wartburg 311/312 Cerca de 283.000 unidades foram produzidas até 1967

Cerca de 283.000 unidades foram produzidas até 1967 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Nesse período, a AWE desenvolveu o Wartburg 311, o sucessor do F9. Era maior, com quatro portas, melhor visibilidade e um porta-malas mais espaçoso. Há quem diga que o projeto foi uma iniciativa clandestina do diretor Martin Zimmermann, mas o certo é que a produção no novo modelo acabou sendo aprovada pelo Partido Socialista Unificado da Alemanha.

O primeiro 311 deixou a linha de produção em janeiro de 1956. Como nos DKW, era impulsionado por um motor de três cilindros, dois tempos e 0,9 litro, com 37 cv de potência.

O câmbio manual de três marchas não era sincronizado, mas possibilitava velocidade máxima de 115 km/h e um consumo médio de 10,2 km/l.

Awe Wartburg 311/312 Ele era uma evolução do DKW dos anos 30

Ele era uma evolução do DKW dos anos 30 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Destacou-se pela oferta de carrocerias, sempre pintadas em duas tonalidades. Além do sedã de quatro portas, havia um cupê e um conversível, ambos com duas portas. Duas peruas integravam a linha: a Combi de duas portas e a Camping, com quatro portas e teto retrátil de lona (também oferecido no sedã). Mais tarde viriam a picape e o esportivo denominado 313.

Awe Wartburg 311/312 O Wartburg 311 era maior: quatro portas e um porta-malas mais espaçoso

O Wartburg 311 era maior: quatro portas e um porta-malas mais espaçoso (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Desenhado por Hans Fleischer, o 313 era um roadster de personalidade própria, com capô alongado e espaço para apenas dois ocupantes. Com 50 cv, chegava a 140 km/h, competindo em paridade com ícones capitalistas como o VW Karmann Ghia e Auto Union 1000 SP. Foram produzidos apenas 469 exemplares até 1960.

O 311 custava cerca de três vezes o valor do Trabant, mas agradava pelo estilo e qualidade, em especial no acabamento interno. Foi exportado para vários países e bem aceito no Reino Unido.

Pelo preço de um Mini os britânicos levavam um sedã médio com assoalho acarpetado, acendedor de cigarros e iluminação no porta-malas.

Awe Wartburg 311/312 O Wartburg era conhecido pela qualidade no acabamento interno

O Wartburg era conhecido pela qualidade no acabamento interno (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Awe Wartburg 311/312 O requinte nos detalhes chamam atenção

O requinte nos detalhes chamam atenção (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Com exceção da primeira marcha, o câmbio passou a ser sincronizado em 1958. Apesar do desempenho modesto, o 311 foi visto em diversos ralis no final da década de 50, incluindo o Rali de Monte Carlo de 1959.

Sua mecânica simples e robusta não o colocava entre os primeiros, mas ele dificilmente abandonava uma prova por problemas mecânicos.

Awe Wartburg 311/312 Câmbio manual ficava na coluna de direção

Câmbio manual ficava na coluna de direção (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os freios ganharam acionamento hidráulico em 1961, indispensáveis para conter o melhor rendimento do motor de 922 cm3 que seria adotado no ano seguinte. O acréscimo de 10% na cilindrada resultou em 45 cv e o novo câmbio, de quatro marchas, aumentou a máxima para 125 km/h e reduziu o consumo para 10,5 km/l.

O Wartburg atingiu recorde de produção em 1964: 31.309 unidades, limitadas pela economia planificada. Sua maior evolução foi apresentada no ano seguinte.

Completamente revisto, o modelo 312 adotou molas helicoidais e novas suspensões, por braços duplos paralelos na frente e braço arrastado atrás. As rodas ficavam menores, com 13 polegadas.

Awe Wartburg 311/312 Vai de 0 a 100km em 27,5 segundos

Vai de 0 a 100km em 27,5 segundos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Foi um modelo de transição entre o 311 e o 353, modelo de linhas retas que foi apresentado em 1966. Este exemplar é um modelo 1966 de um colecionador paulista: “Mesmo após 50 anos, ele surpreende pelo rodar confortável e pelo comportamento dinâmico. É o mais valorizado dos Wartburg: é belo como o 311 e eficiente como o 353”.

Cerca de 283.000 unidades foram produzidas até 1967 e muitos foram parar no lado ocidental após a queda do Muro de Berlim, em 1989. Ao contrário do Trabant, os Wartburg não se tornaram um símbolo da reunificação da Alemanha.

Seus entusiastas o tratam como se ele fosse um agente da polícia secreta da República Democrática Alemã.

Ficha técnica – Awe Wartburg 312 1966

  • Motor: 3 cilindros em linha de 922 cm3, 2 tempos, 45 cv a 4.250 rpm, 9,5 mkgf a 2.750 rpm
  • Potência: 85 cv a 5.000 rpm / 125 cv a 5.800 rpm
  • Câmbio: manual de 4 marchas
  • Dimensões: comprimento, 430 cm; largura, 159 cm; altura, 152 cm; entre-eixos, 245 cm; peso, 935 kg
  • Carroceria: fechada, 4 portas, 5 lugares
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 27,5 s; vel. máx. de 122 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s