Clique e assine com até 75% de desconto

Novo Sandero 2021 tem opção de câmbio CVT e apenas motores 3-cilindros 1.0

Nova geração do hatch da Dacia – e da versão aventureira Stepway – repetem melhorias já apresentadas no novo Logan e terão versão Renault no Brasil

Por Gabriel Aguiar Atualizado em 29 set 2020, 16h53 - Publicado em 29 set 2020, 13h45
Nova geração do Sandero acompanhou as mesmas evoluções do Logan Dacia/Divulgação

O novo Dacia Logan apareceu antes da hora e, agora, também acabou o mistério em relação aos irmãos Sandero e Stepway – que é tratado como modelo próprio há algum tempo. E, assim como o sedã, eles mudaram completamente.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

No caso do hatch, o para-brisa está mais inclinado (como na nova geração do Duster), enquanto o teto ficou 1 cm mais baixo e os para-lamas foram alargados. Já o vão livre continua igual antes, com 13,3 cm para o mercado europeu.

Para-brisa ficou mais inclinado e o teto está mais baixo que antes Dacia/Divulgação

Não dá para ignorar que os faróis também evoluíram, não somente em estilo, como em eficiência: o alcance do facho aumentou 37% em distância e 9% em largura. E ainda há luzes diurnas de led – com o desenho em “Y” das lanternas.

  • No aventureiro, como já era esperado, há para-choques exclusivos, grade ligeiramente redesenhada, trilhos no teto, molduras plásticas nas caixas de rodas e protetores na base das portas. Em relação ao vão livre, o Stepway tem 17,4 cm.

    Plataforma agora é a mesma utilizada pelo Renault Clio Dacia/Divulgação

    Os irmãos de dois volumes ainda dividem grandes semelhanças com o sedã do lado de dentro. Só que, nas imagens divulgadas, foi mostrado o sistema de entretenimento que será oferecido de série nas versões mais baratas dos Dacia.

    De acordo com a explicação do fabricante romeno, o equipamento será parecido com o Live On, da Fiat, que se baseia no celular do próprio usuário para reproduzir músicas e rádios. Ainda haverá a opção de central mostrada no Logan.

    Continua após a publicidade
    Painel segue as mesmas linhas já apresentadas para o novo sedã Dacia/Divulgação

    Em relação ao espaço interno, a dupla Sandero e Stepway perdeu 4 cm de entre-eixos quando comparados ao irmão sedã e tem 2,60 m. Na largura, por sua vez, são iguais. Já no porta-malas, os modelos menores comportam até 328 l.

    Para a Europa, o hatch terá opção de câmbio manual com seis marchas Dacia/Divulgação

    Todas as medidas são bem parecidas com a geração atual do hatch, que é feita em São José dos Campos (PR) e recebeu uma atualização exclusiva para nosso mercado no ano passado: são 2,59 m de entre-eixos e 320 l no porta-malas.

    Não há mesinhas para a segunda fileira, como no novo Logan Dacia/Divulgação

    Para o Velho Continente, haverá apenas três opções de motorização (e nenhuma diesel). Nas versões mais baratas, será o 1.0 aspirado de 66 cv, depois há o 1.0 turbo de 91 cv e, por fim, a opção 1.0 turbo de 101 cv movido a gás natural.

    Porta-malas de 328 l é um pouco maior que na geração atual Dacia/Divulgação

    Com isso, haverá apenas configurações de 3-cilindros para toda a linha, que também terá sistema start-stop de série. Enquanto as versões de entrada terão câmbio manual de cinco marchas, as demais podem ser manual seis marchas ou CVT.

    Nesta geração, toda a família também abandonará a plataforma B0, que estreou com o primeiro Logan, para receber a base modular CMF-B do Renault Clio europeu. E, como dissemos, a nacionalização dos modelos não foi aprovada ainda, mas a engenharia local já trabalha nela.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade