Clique e assine por apenas 8,90/mês

Nissan e-Power: degustamos o motor que fará consumo do Kicks ir a 30 km/l

Andamos no Nissan Note e-Power, que antecipa a peculiar motorização que estará presente no futuro Kicks híbrido nacional

Por Leonardo Felix - Atualizado em 19 mar 2019, 11h51 - Publicado em 19 mar 2019, 07h00
O japonês Note e-Power: direção à direita Ivan Carneiro/Quatro Rodas

O Nissan Note foi o carro mais vendido no Japão em 2018, mas essa informação pouco interessa para nós. O que interessa é seu peculiar sistema de motorização chamado e-Power. E aí a história passa a nos ser importante.

A Nissan já não esconde que o conjunto motriz do Note e-Power estará disponível numa futura versão híbrida do Kicks, que deve chegar ao mercado brasileiro em 2021.

Inclusive, trouxe ao país um protótipo japonês que vem sendo usado há quatro meses para testar o comportamento do trem de força em território nacional. Foi esse protótipo que QUATRO RODAS experimentou.

Agora esqueçamos o Note, pois nosso foco é entender como funciona a motorização: um motor tricilindro a gasolina de 1,2 litro usa o combustível do tanque para alimentar uma bateria de 1,5 kW.

Continua após a publicidade

Esta, por sua vez, envia energia a um motor elétrico montado sobre o eixo dianteiro. Sua única fonte de energia é o motor a combustão, o que significa que não existe recarga externa.

O Nissan Note foi o carro mais vendido no Japão em 2018 Ivan Carneiro/Quatro Rodas

Pequena – são 5% da capacidade de armazenamento de um Leaf –, a bateria alimenta sozinha o motor por não mais que alguns minutos e a velocidades baixas. Tão logo o motorista “dá o pé” com vigor no acelerador, o gerador entra em ação.

Pelo pequeno computador de bordo do protótipo, cujo volante fica do lado direito, é possível conferir o fluxo de entrega de energia do gerador para a bateria e desta para o propulsor elétrico.

O desempenho é interessante: os 112 cv do motor elétrico ficam abaixo dos já escassos 114 cv do Kicks 1.6, mas os 25,9 mkgf de torque, muito acima dos 15,5 mkgf gerados por nosso SUV, deixam o Note e-Power bastante esperto.

Continua após a publicidade
Apenas o motor elétrico move o carro Ivan Carneiro/Quatro Rodas

O Kicks só tende a ganhar em desempenho e eficiência com este sistema, já que no monovolume o consumo supera 35 km/l e expande a autonomia a incríveis 1.200 km. No Brasil, ainda há a possibilidade de o motor a combustão ser flex e beber etanol.

Por enquanto, só vantagens, não é mesmo? Mas há um detalhe crucial: o motor a combustão opera sempre numa faixa fixa de rotação e gera um ruído para lá de estranho. À Nissan  fica o recado: para o Kicks e-Power fazer sucesso, aprimorar o isolamento acústico será fundamental.

Publicidade