Clique e assine por apenas 8,90/mês

Grandes Brasileiros: Ford Galaxie Standard

Filho de uma influente família, ele fez voto de pobreza para conquistar o mercado e enfrentar os conterrâneos de Detroit

Por Felipe Bitu - 27 jan 2017, 19h20
Nome "Standard" não era oficial: apenas Galaxie
Nome “Standard” não era oficial: apenas Galaxie Xico Buny

Há 50 anos, o Galaxie foi a principal atração do 5º Salão do Automóvel, realizado em 1966. Era o primeiro carro de passeio produzido pela Ford no Brasil. Atualíssimo, redefiniu o padrão de luxo dos automóveis nacionais ao combinar direção hidráulica e ar-condicionado (e transmissão automática em 1969, no Ford LTD).

Entretanto, uma de suas versões mais curiosas dispensou esses equipamentos em 1970: o Galaxie Standard.

“A Ford saúda o Dart e pede licença para apresentar seu novo Galaxie.” Foi dessa forma que o fabricante anunciou a versão acessível destinada a disputar mercado com o Dodge Dart.

Anunciado pela Chrysler como o carro de luxo mais seguro, rápido, econômico e potente da categoria (198 cv), o Dart custava NCr$ 23.950. Já o Galaxie 500 saía por NCr$ 32.590,00 sem opcionais, o equivalente a dois Corcel Luxo ou quase três Fuscas.

Continua após a publicidade

O preço alto demais colocou as vendas do enorme sedã em declínio. Os executivos da filial paulistana precisaram agir rapidamente para salvar suas carreiras e preservar o investimento de Henry Ford II, que queria produzir apenas utilitários.

A solução encontrada foi o Galaxie Standard, por NCr$ 25.950. O maior carro nacional era imbatível na relação custo-metro: 5,33 metros de comprimento, 2 de largura e 3 metros entre os eixos. Os passageiros continuavam desfrutando o mesmo espaço e conforto, mas era inegável a supressão de inúmeros itens considerados supérfluos pela empresa de Dearborn.

As rodas eram de aço com calotas e os pneus perderam a faixa branca
As rodas eram de aço com calotas e os pneus perderam a faixa branca Xico Buny

Apelidado de “teimosão” e “pé de camelo” (referência aos despojados Willys Teimoso e VW Pé de Boi), o Galaxie exibia acabamento espartano por dentro e por fora. A grade dianteira era a mesma do modelo produzido até 1968, com os frisos mais finos pintados em preto fosco e sem o emblema central. A identificação externa se resumia à inscrição “Ford” no lado esquerdo do capô e “Galaxie” na tampa do porta-malas.

O aspecto simplório se estendia às laterais, sabiamente escondidas pela campanha publicitária: as rodas de aço eram pintadas com a mesma cor da carroceria e equipadas com as pequenas calotas centrais dos modelos 1967. Os pneus eram os mesmos diagonais na medida 7,75 x 15, mas sem as charmosas faixas brancas.

Continua após a publicidade

Os emblemas sumiram: a única concessão era o refletor em acrílico vermelho no para-lama traseiro, item de segurança obrigatório em todos os Ford. Na prática, os cromados se resumiam aos para-choques, maçanetas das portas e molduras dos faróis: os frisos das caixas de roda, portas e janelas foram abolidos, bem como o acabamento frisado em alumínio.

O interior também era sacrificado em nome da economia: bancos e laterais de porta estofados em vinil preto com costuras simples (com opção de tom vermelho).

O velocímetro horizontal foi um dos poucos sinais de luxo que permaneceu no painel
O velocímetro horizontal foi um dos poucos sinais de luxo que permaneceu no painel Xico Bunny

O painel perdia o rádio, relógio, acendedor de cigarros, ventilação forçada e a luminária inferior. O carpete de buclê foi substituído por outro bem inferior. Até a luz de cortesia do porta-malas foi eliminada.

Já não era possível dirigir com apenas um dedo, pois a direção perdia a assistência. Porém, o Standard era o mais rápido dos Galaxie – o motor 4.8 de 190 cv não sofria o arrasto da bomba da direção hidráulica. O câmbio era manual, de três marchas.

Continua após a publicidade

A versão empobrecida não ajudou: a Ford perdeu clientes para a Chrysler e GM. Mesmo espartano, o Galaxie Standard custava mais que o Chevrolet mais caro da época, o Opala 3800 Luxo, por NCr$ 21.704. As vendas (ainda) baixas levaram a Ford a caprichar em 1971: voltaram os frisos e molduras cromadas.

É desse ano o Galaxie das fotos, do colecionador André Chinelato: “O visual é tão requintado que só depois percebi se tratar da rara versão Standard”. Rejeitado, o “Teimosão” teve menos de 100 unidades produzidas em 1972, ano em que foi descontinuado.

A lanterna "catedral" do modelo 1971 era exclusiva do mercado brasileiro
A lanterna “catedral” do modelo 1971 era exclusiva do mercado brasileiro Xico Buny

Ficha técnica – Ford Galaxie 1971

  • Motor: longitudinal, 8 cilindros em V, 4.785 cm3, 2 válvulas por cilindro, carburador de corpo duplo; 190 cv a 4.600 rpm; 37 mkgf a 2.600 rpm
  • Câmbio: manual de 3 marchas, tração traseira
  • Dimensões: comprimento, 533 cm; largura, 200 cm; altura, 146 cm; entre-eixos, 302 cm; peso, 1.730 kg
  • Pneus: 7.75 x 15 diagonais
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 13 segundos; velocidade máxima de 157,2 km/h
  • Consumo: 3,7 km/l (cidade) / 5,5 km/l (estrada)
  • Preço (novembro de 1969): NCr$ 25.950
  • Preço (atualizado IGP-DI/FGV): R$ 160.414,46
Publicidade