Clique e assine por apenas 8,90/mês

Fiat Uno, 35 anos: inovações e polêmicas do Fiat mais duradouro do Brasil

Desde 1984 no mercado, compacto inovou com motor "mil" e turbo, foi alvo de escândalo e até hoje marca presença na vida dos brasileiros

Por Renan Bandeira - Atualizado em 29 ago 2019, 10h32 - Publicado em 27 ago 2019, 18h10
Uno Mile, modelo 1980 da Fiat Acervo/Quatro Rodas

Impossível olhar para o carro da imagem acima e não reconhecê-lo. E se você não foi proprietário de um, provavelmente conhece alguém que já teve.

O Fiat Uno completa 35 anos de Brasil, com cerca de 4 milhões de unidades vendidas no período. O modelo apareceu para o mundo em 1983, na Itália, com design criado por ninguém menos que Giorgetto Giugiaro. Um ano depois, chegou ao Brasil.

Com a missão de substituir o obsoleto 147, o Uno nacional manteve a mesma base do europeu. No entanto, recebeu uma série de adaptações para se adequar ao solo brasileiro.

Isso incluiu o estepe colocado no cofre do motor para aumentar o porta-malas e facilitar o manuseio do proprietário em caso de uma possível troca.

Nosso Uninho podia ser encontrado inicialmente com duas opções de motores: 1,05 litro a gasolina de 52 cv, herdado do 147, e 1.3 de 71,4 cv. As suspensões chamavam a atenção por usar geometria semielíptica no eixo traseiro.

Além disso, três versões eram disponibilizadas: S (Super) CS (Comfort Super) e a esportiva SX (Sport Experimental), que tinha carburador de corpo duplo.

Rivalidade

A Fiat tinha como principal concorrente a Volkswagen e sua famosa linha dos quadrados.

Continua após a publicidade

O Uno era concorrente do Gol, mas os demais modelos da fabricante alemã sobravam no mercado, porque o compacto italiano ainda não havia ganhado um derivado sedã como o Voyage, uma picape como a Saveiro ou uma perua como a Parati.

Foi aí que a família Uno passou a crescer. Em 1985, foi lançado o três-volumes Prêmio; um ano depois veio a perua Elba. Ambos eram equipados com motor Sevel 1.5. Três anos mais tarde chegaram o furgão e a picape Fiorino, com motor 1.3.

Prêmio CS 1500, da Fiat. Acervo/Quatro Rodas

Mas foi justamente na projeção de novos modelos, em 85, que a Fiat recebeu um novo balde de água fria. Com a Volkswagen se livrando dos motores refrigerados a ar, lançou o Gol GT, esportivo do modelo com motor 1.8 L e 99 cv.

Até aquele momento, a principal característica do Uno era a economia de combustível, mas o mercado pedia algo ainda mais esportivo do que o 1.3 SX. E foi assim que o Uno 1.5R foi criado.

Mantendo os vincos, características do modelo, e com motor 1.5 do Prêmio retrabalhado para alcançar 86 cv, o esportivo da marca ainda trazia rodas de liga leve, bancos esportivos, amortecedores preparados e tampa traseira em preto.

A versão R era bem diferente da convencional e conquistou a marca de maior velocidade de um Fiat brasileiro na época, quando chegou a 162 km/h de máxima. O carro ainda acelerava de 0 a 100 km/h em 12,4 segundos.

Os números ainda não batiam a concorrência, já que o Gol GT chegava a 170 km/h e acelerava de 0 a 100 km/h em 11 segundos, mas já era um importante passo o compacto.

Continua após a publicidade
O Uno 1.5R decepcionou. Um das reclamações foi o câmbio curto
O lendário Uno 1.5R arquivo/Quatro Rodas

Uno inova em 1990

Vivendo na sombra da Volkswagen, a Fiat virou o jogo em 1990. Em agosto daquele ano, o então presidente Fernando Collor e a ministra Zélia Cardoso de Mello anunciaram uma redução de tributos para modelos com motor entre 0,8 e 1 litro.

Dois meses depois, a fabricante italiana lança o Uno Mille, com motor 1.0: o primeiro motor mil do Brasil. Entusiasmada com a novidade que ganhava o mercado nacional, a Fiat promoveu, enfim, a primeira atualização visual do Uno em 1991.

Os faróis quadrados foram deixados para trás, junto com a grade frontal preta. O carro passou a contar com faróis trapezoidais mais finos e munidos de luzes de seta integradas ao lado (não mais no paralamas), além de grade na cor da carroceria.

Em 1992, três anos depois da rival VW, passou a oferecer uma versão com injeção eletrônica, quatro portas e ar-condicionado, algo que ainda estava em disseminação entre modelos populares.

Remodelagem do Uno pode ser vista com substituição dos faróis quadrados por retangulares Acervo/Quatro Rodas

Com seus esportivos perdendo espaço no mercado e a ascensão do Chevrolet Kadett GSI, Ford Escort XR3 e Gol GTI – carros com os quais o Uno 1.6R sofria para competir – a Fiat resolveu um lançar uma nova versão esportiva do veículo: o Uno Turbo.

Sendo o primeiro carro nacional a sair com turbocompressor de série, o compacto voava com seu motor 1.4 a gasolina de 116 cv e 17 mkgf de torque.

Ia de 0 a 100 km/h em 8,9 segundos e chegava a 192,5 km/h de máxima, deixando todos os concorrentes para trás e até mesmo o Chevrolet Vectra GSI, topo de linha entre os sedãs nacionais da época, que fazia de 0 a 100 km/h em 9,2 segundos.

Continua após a publicidade
Uno Turbo IE MPI, modelo 1994 Acervo/Quatro Rodas

O Uno vinha crescendo no mercado e se tornava um dos principais veículos nacionais, mas em 1995 a Fiat se envolveu em uma grande polêmica, similar à do dieselgate em que se envolveu a Volkswagen em 2015.

A fabricante italiana manipulou os módulos de ignição eletrônica do Mille Eletronic para driblar os testes de emissões de poluentes.

Com isso, foi multada em R$ 3,9 milhões pelo Ibama (R$ 20 milhões na correção para valores atuais) por não atender às normas do Proconve.

Porém, tal assunto não chegou aos ouvidos de boa parte dos consumidores e, então, a produção do Uno Mille foi mantida sem maiores problemas.

Entretanto, no fim da década a Fiat trocou rapidamente o Uno pelo Palio como seu modelo de partida para seguir nos segmentos de sedã (Siena), picape (Strada) e perua (Palio Weekend) compactos.

Uno Mille Fire, modelo quatro portas 2004, da Fiat, com nova frente Acervo/Quatro Rodas

Chegaram os anos 2000 e, com mais de 1,2 milhão de unidades vendidas, a Fiat era líder de vendas no segmento dos motores “mil”.

Para seguir na ponta, decidiu dar uma leve repaginada no Uno, que virara queridinho do público por seu ótimo custo/benefício e se tornara um símbolo de carro polivalente no mercado, mas já demonstrava sinais de idade avançada.

Continua após a publicidade

Assim, em 2001, o Mille ganhou o motor Fire, mais eficiente. Três anos depois, recebeu outro tapa no visual: grade frontal, faróis e lanternas novas acompanhavam o novo modelo que ainda mantinha os vincos característicos do veículo.

Em 2005, dois anos depois do Gol, o Uno adotou motor flex.

Em 2008, com cerca de 2 milhões de unidades vendidas, inovou com a versão Mille Economy, que vinha com um “econômetro” no painel de instrumentos. Com isso, auxiliava o condutor para dirigir da forma mais econômica possível.

“Econômetro” fica entre o velocímetro e o medidor de combustível Acervo/Quatro Rodas

Novas curvas

Em 2010, 25 anos depois da chegada da primeira geração, a Fiat finalmente lançou no Brasil a segunda geração do Uno, desta vez desenvolvida especificamente para nosso mercado.

As modificações na carroceria fizeram o carro perder a principal característica de seu design: os vincos. O veículo não era mais (tão) quadrado e viu sua carroceria inteira ganhar arestas arredondadas.

Segunda geração Uno passou a ser vendida em 2010 Acervo/Quatro Rodas

No entanto, o antigo Uno ainda era um carro de apelo no mercado e, para não perder espaço, a Fiat resolveu transformá-lo em”Mille” – assim como a GM fizeram o Corsa Sedan virar Classic.

Embora todos ainda o associassem ao Uno, o Mille seguiu “voo solo” de 2010 a 2013, quando deixou de ser produzido por conta da nova regulamentação do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), que obrigava os automóveis a saírem de fábrica com ABS e airbags frontais.

Continua após a publicidade

Para promover a merecida despedida de gala do velho Uno/Mille, a Fiat lançou a série especial Grazie Mille, limitada a 2 mil unidades. Dessa forma, o quadradinho deixou o mercado e o novo Uno ficou sozinho na estrada.

No fim de 2013, o furgão Fiorino trocou a dianteira do velho pela do novo Uno. Em 2014, o Uno em si recebeu uma leve reestilização. Em 2016 veio outra, incluindo a estreia dos motores 1.0 e 1.3 FireFly, hoje presentes em quase toda a gama compacta da Fiat.

Uno 2019 mantém mesma plataforma desde 2010, mas agora trabalha com motores FireFly Divulgação/Fiat

Em 2019, 35 anos depois da sua estreia em território nacional, o novo Uno parece longe de ter o sucesso dos seus antepassados.

A prova disso é que, entre janeiro e julho deste ano, o veículo ocupou apenas a 30ª posição no ranking de emplacamentos da Fenabrave (associação nacional dos concessionários), com pouco mais de 11,7 mil unidades vendidas.

O Chevrolet Onix, que é o líder de vendas do segmento, emplacou quase 137 mil exemplares no mesmo período.

Enquanto isso, o Uno segue fazendo sucesso no mercado de usados: cerca de 50 mil unidades foram comercializadas apenas em julho deste ano.

Atualmente, o Uno é vendido em quatro versões: Attractive 1.0 Fire (sim, este motor ainda existe), Drive e Way 1.0 Firefly e Way 1.3 Firefly.

Continua após a publicidade

Uma das grandes incógnitas é se ele ganhará uma terceira geração ou não. Em caso negativo, será o fim do ciclo de um dos modelos mais presentes na vida dos brasileiros durante as últimas três décadas e meia.

Publicidade