Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Europa vai obrigar carros elétricos e híbridos a indicar saúde da bateria

Medida faz parte do Euro 7, que entrará em vigor em novembro e também estabelece um limite para o nível de degradação das baterias

Por João Vitor Ferreira
Atualizado em 27 out 2022, 14h28 - Publicado em 27 out 2022, 11h20

A Comissão Europeia criou uma série de novas normas para favorecer, principalmente, os clientes que querem um carro eletrificado usado. A partir do próximo dia nove, será apresentada a norma Euro 7, que além de estabelecer novas regras de emissões para a combustão, também obrigará que os novos carros elétricos e híbridos tenham um monitor de degradação da bateria.

O sistema é semelhante ao que já temos em nossos celulares, com o monitor de saúde da bateria, indicando sua vida útil e quanto de sua capacidade ainda está preservada. Isso ainda não é muito difundido no Brasil, mas utilizar a carga rápida é mais danoso às baterias (ou à maioria delas) do que a carga lenta – aquela que normalmente é usada quando o carro é recarregado em casa.

Para efeito de comparação, uma bateria pode perder até 7,5% de sua capacidade total se tiver 22.000 km carregados exclusivamente com recarga rápida. Por outro lado, utilizando a recarga lenta, é possível carregar aproximadamente 30.000 km e perder apenas 1% da autonomia total.

O sistema de monitoramento de degradação é importante para o proprietário saber a hora de fazer a manutenção ou troca da bateria, mas o mais importante será favorecer as pessoas que querem comprar um modelo usado.

Continua após a publicidade

Híbridos e elétricos também são caros na Europa, o que reforça a importância do mercado de usados para que mais pessoas tenham acesso a esses modelos. Porém, comprar um veículo com a bateria em um estágio avançado de degradação pode ser uma bela furada, afinal, uma nova bateria pode facilmente custar mais do que o próprio carro usado.

Computador de bordo mostra quando a bateria está alimentando o motor elétrico e vice-versa

Atualmente, a única forma de saber o quão degradada está a bateria é indo até uma oficina.

Continua após a publicidade

Além do monitoramento, as novas normas também obrigarão que as fabricantes pré-estabeleçam um limite máximo de degradação para as baterias. Ou seja, os modelos deverão informar a porcentagem máxima de carga que a bateria pode perder independente do tipo de carga utilizada. Os valores máximos e mínimos de degradação só serão revelados no em novembro.

Já para os modelos a combustão, o que sabe-se é que a Euro 7 deve ficar menos rigorosa do que era esperado, já que houve fortes reclamações por parte das montadoras.

O que foi revelado pela mídia europeia é que os modelos a combustão deverão ter um monitoramento em tempo real de emissões. Ainda não se sabe ao certo como esse sistema irá funcionar, mas é certeza que os dados serão transmitidos remotamente pelo ar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.