Clique e assine com até 75% de desconto

Em testes no Brasil, T-Cross e Jetta chegam no segundo semestre

Os dois modelos já foram flagrados rodando em testes em vias brasileiras

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 19 mar 2018, 14h54 - Publicado em 19 mar 2018, 14h19
flagra volkswagen t-cross
T-Cross é baseado na plataforma MQB e tem dimensões de Renegade Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

O segundo semestre será bastante agitado para a VW. A fábrica fará pelo menos dois grandes lançamentos: o SUV T-Cross e o novo Jetta, que foram flagrados por nós rodando em teste em estradas paulistas.

O SUV está com os testes bastante acelerados e deve chegar às lojas entre julho e agosto. Depois vem o sedã, que pode ser lançado durante o Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro.

flagra volkswagen t-cross
SUV compacto também terá vinco forte na lateral Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

Informações de nossas fontes dão uma ideia mais clara do que vem por aí. Ao contrário do que se pensava, o T-Cross terá apenas duas opções de motor 1.6 16V Flex (120/110 cv) e 1.4 TSI (150 cv), sempre com câmbio automático de seis marchas.

O tão falado motor 1.0 TSI e o câmbio manual de cinco marchas devem ficar de fora.

flagra volkswagen t-cross
Traseira é saliente, como no Audi Q3 Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

Derivado da plataforma MQB-A0, a mesma do Polo, o T-Cross tem o porte de um SUV como o Jeep Renegade e seu visual foi apresentado pelo conceito T-Cross Breeze, mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo, em 2016.

Continua após a publicidade
Carro de teste foi flagrado em São Bernardo do Campo (SP) Eduardo Campilongo/Quatro Rodas

O Novo Jetta, por sua vez, foi apresentado no Salão de Detroit, em janeiro. O novo sedã chega com o visual adotado pelos novos VW, com grade maior que os faróis – como no recém-lançado Virtus. A plataforma é a mesma MQB que, nesse caso, aposenta a PQ35, que serviu de base para o Golf 5.

Por enquanto, a Volkswagen só anunciou o Jetta com motor 1.4 TSI atualizado para chegar aos 150 cv – em outros mercados fora do Brasil, o Jetta anterior não havia passado dos 140 cv. Agora ele é combinado a um câmbio automático de oito marchas. 

A enorme grade do radiador se destaca e ajuda a diferenciar o Jetta dos “irmãos” de marca Divulgação/Volkswagen
A ideia era dar nova identidade ao Jetta, mas as lanternas acabaram ficando ainda mais parecidas com as do Virtus Divulgação/Volkswagen

A Volkswagen não comentou sobre outras opções de motorizações, mas especula-se que a opção topo de linha do Jetta perderá o 2.0 turbo de 211 cv usado também no Golf GTI.

  • Em seu lugar, a VW usaria outro 2.0, de 190 cv, que já equipa os novos Tiguan e Audi A4. A troca visa abrir mão de parte da performance em troca de maior economia de combustível.

    Continua após a publicidade
    Publicidade