Dodge Polara: a estrela guia

Enorme e versátil, o modelo americano foi um dos carros mais populares dos anos 60 nos EUA, agradando famílias, frotistas e policiais de pé pesado

Em seus 13 anos de vida, o modelo foi de um V8 7.2 a um seis-cilindros de 3,7 litros Em seus 13 anos de vida, o modelo foi de um V8 7.2 a um seis-cilindros de 3,7 litros

Em seus 13 anos de vida, o modelo foi de um V8 7.2 a um seis-cilindros de 3,7 litros (Marco de Bari/)

A estrela Polar é uma das mais brilhantes e a única fixa no Hemisfério Norte: guia dos navegantes por séculos, ela serviu de inspiração para batizar o Dodge Polara, um dos modelos mais versáteis da Chrysler Corporation, firmando sua posição entre as três grandes montadoras de Detroit.

Apresentado em 1960, ele era o topo de linha da Dodge, divisão entre a popular Plymouth e a requintada Chrysler. Oferecido como sedã, cupê, perua e conversível, tinha como rivais Chevrolet Impala e Ford Galaxie. A traseira ainda exibia discretos rabos de peixe.

Sob o capô estava o renomado V8 de bloco grande Chrysler B, com 6,3 litros e 325 cv: pesando cerca de 1 500 kg, não demorou para que se tornasse um dos sedãs mais rápidos e velozes do mercado, fazendo com que logo caísse nas graças das forças policiais, ao lado do primo Plymouth Fury.

Veja também

O estilo polêmico do modelo 1961 provocou uma queda drástica nas vendas: crente de que a General Motors planejava um Impala menor, a Chrysler aderiu a essa tendência. Para surpresa de todos, o Impala manteve suas dimensões, mas ganhou a companhia do compacto Chevy II. O Polara ostentava um porte intermediário entre os dois.

O Polara americano tinha 5,4 metros em sua versão cupê O Polara americano tinha 5,4 metros em sua versão cupê

O Polara americano tinha 5,4 metros em sua versão cupê (Marco de Bari/)

Além de tamanho, o modelo também perdeu prestígio em 1962: o Custom 880 era o novo topo de linha da marca Dodge. No entanto houve um ganho expressivo de cilindrada e potência: o V8 Max Wedge com dois carburadores de corpo quádruplo chegava a 6,8 litros e 410 cv. Não havia nenhum outro mais rápido na sua faixa de preço.

No extremo oposto estava o modelo 1963, que ganhou motores menores: um seis-cilindros em linha de 3,7 litros (145 cv) e um V8 de bloco pequeno e 5,2 litros (230 cv) faziam a alegria dos frotistas que só queriam espaço, como os taxistas. O V8 6.3 estava de volta, dessa vez recalibrado para 305 cv.

O Polara retornou às grandes dimensões em 1965, mesmo ano deste cupê, que pertence ao colecionador paulista Pedro Ramiro Horn, de Santos (SP). O cupê na versão Monaco voltou ao topo da linha Dodge, mas tornou-se modelo independente em 1966. Quase idênticos, Polara e Monaco eram diferenciados por detalhes discretos, como a largura das lanternas traseiras.

Interior rico em cromados refletia tendência dos anos 60 Interior rico em cromados refletia tendência dos anos 60

Interior rico em cromados refletia tendência dos anos 60 (Marco de Bari/)

O modelo 1969 trouxe vidros de perfil baixo e laterais curvas, definidos pelo estilo Fuselagem. Com o motor V8 de 7,2 litros e 375 cv, o Polara era a viatura mais rápida da polícia rodoviária da Califórnia: 0 a 100 km/h em 6,3 segundos e as perseguições poderiam atingir 235 km/h, recorde que levou décadas para ser quebrado.

O grande número de versões e carrocerias reduzia as margens de lucro da Dodge, selando o destino do Polara. Descontinuado em 1973 em favor do Monaco, o modelo é cultuado até hoje pelos entusiastas da marca americana.

IGUAL NO NOME

Se nos EUA o Polara era um sedã grande e potente, na América do Sul ele não ostentava o mesmo status: o argentino era uma variação do Dodge Dart, ao passo que o Polara brasileiro era uma evolução do Dodge 1800, baseado no Hillman Avenger inglês.

Ficha Técnica – Dodge Polara 1965

Motor 8 cilindros em V de 6,3 litros
Potência 325 cv a 4 800 rpm
Torque 59 mkgf a 2 800 rpm
Câmbio automático de 3 marchas
Carroceria fechada, 2 portas, 5 lugares
Dimensões comprimento, 539 cm; largura, 203 cm; altura, 157 cm; entre-eixos, 307 cm;
Peso 1 746 kg
0 a 100 km/h 7,2 segundos
Velocidade máxima 205 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s