Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dirigir por muitas horas diminui a inteligência, aponta pesquisa

Estudo analisou o efeito de atividades longas sem muito estímulos para o cérebro em mais de 500.000 cidadãos britânicos

Por Bruno dos Santos 23 jun 2022, 21h31

Uma pesquisa da Universidade de Leicester, na Inglaterra, investigou se atividades que pessoas fazem durante longas horas afeta a inteligência. Esse estudo analisou a vida e hábitos de 500.000 cidadãos britânicos com idades entre 37 e 73 anos e fez diversos testes de inteligência e memória após passarem horas vendo televisão, dirigindo ou usando computador . 

Os resultados não foram muito felizes para quem faz longas viagens de carro: o QI de motoristas regulares caiu mais e mais rapidamente que do que de outros durante o estudo de cinco anos. Os mais afetados foram homens e idosos.

Isso não é tudo. Dirigir por muito tempo já se mostrou prejudicial à saúde cardiometabólica, ou seja, relacionados ao coração, hipertensão e obesidade. Disfunção vascular e doenças crônicas são associadas ao envelhecimento, então se a pessoa envelhece mais rápido, seu cérebro também. Ou seja: aquele trânsito na marginal tira alguns anos da sua vida.

Além disso, foi observado pelos cientistas que o ato de dirigir está ligado ao estresse e também à fadiga. Estudos passados já revelaram que isso pode levar ao declínio cognitivo. Dirigir também separa as pessoas de interações sociais com pessoas reais, por ser uma atividade monótona que não estimula muito o cérebro.

Continua após a publicidade

Rodovia Anhanguera

Outras atividades que prejudicam de maneira parecida é assistir televisão por muito tempo, também por não estimular muito o cérebro. Quanto menos ele for estimulado, pior será seu desempenho a longo prazo.

Lembrando que esse estudo foi confiado principalmente no comportamento relatado pelos participantes, que pode não ser muito confiável. O foco esteve apenas em três tipos de comportamentos sedentários e os participantes também podem ter características diferentes. Porém, os cientistas estão confiantes de que tudo se sustenta e que as descobertas indicam que bastante tempo ao volante e longas viagens não fazem bem ao cérebro.

Compartilhe essa matéria via:

Mesmo que possa ser uma notícia preocupante para os motoristas, jornalistas automotivos e pessoas que usam muito computador, os pesquisadores da Universidade de Leicester e do Hospital Leicester adiantam: a inteligência não diminui em quem passa longos períodos de tempo no computador regularmente. Pelo contrário, a atividade foi positivamente associada à função cognitiva na pesquisa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)