Clique e assine por apenas 8,90/mês

Compactos têm peças até três vezes mais caras na versão topo de linha

Modelos menores têm equipamentos dignos de modelos mais caros, mas o que isso significa para o seu bolso na hora da reposição?

Por Gabriel Aguiar - 24 set 2019, 07h00
Faróis com iluminação por leds do Fit está disponível só na topo de linha EXL Divulgação/Honda

Enquanto modelos médios têm perdido espaço – ou até sumido das lojas, como é o caso de Ford Focus e VW Golf TSI, por exemplo –, os irmãos menores estão cada vez mais equipados (e caros).

Mas quanto essa evolução realmente impacta no bolso do consumidor? Afinal, alguns desses itens dignos de categorias superiores podem custar até três vezes mais que a peça equivalente nas versões de entrada. E isso sem citar algumas exclusividades…

Conjunto com iluminação por led é mais caro que os faróis convencionais Divulgação/Honda

O Honda Fit foi reestilizado em 2017, mas quase não dá para reparar mudanças em relação ao modelo apresentado 2014. Talvez a mais visível sejam os novos faróis com iluminação por led.

Exclusivos da configuração topo de linha EXL, cada peça custa R$ 1.691, contra os R$ 1.175 pedidos pelos faróis mais simples utilizados pelas versões mais baratas do monovolume.

Os dados informados pela consultoria SUIV (Sistema Unificado de Informações Veiculares) levam em consideração apenas gastos referentes à aquisição da peça – o que exclui periféricos e mão de obra. Mas vale lembrar que nem todos os modelos receberam itens para subir um degrau no mercado.

Renault Kwid
Compacto tem airbags laterais de série em todas as versões Divulgação/Renault

O Renault Kwid, por exemplo, não oferece ar-condicionado ou assistência de direção na versão de entrada Life, sequer como opcionais, mas traz de série bolsas de segurança laterais.

Considerando apenas o próprio item, ou seja, sem serviços de tapeçaria ou troca do banco, cada airbag custa até R$ 1.400.

Direção elétrica é de série no Ka Christian Castanho/Quatro Rodas

Também é impossível comprar um Ford Ka sem assistência de direção elétrica, por exemplo, o que significa que qualquer defeito na peça custará R$ 1.250 ao proprietário.

Pior ainda é o rombo deixado pelo quadro de instrumentos digital, oferecido de série em todas as versões do Toyota Etios desde a reestilização lançada no Brasil na primeira metade de 2016: são R$ 2.485.

Continua após a publicidade
Etios X hatch
Painel digital do Etios foi inspirado no do Prius Divulgação/Toyota

Pior ainda se considerarmos que o mostrador analógico utilizado antes (e muito criticado pela difícil visualização) é comercializado atualmente por R$ 809 nas revendas da própria marca.

Donos do Volkswagen Up! TSI também deverão torcer para não ocorrer nenhum problema no motor de três cilindros 1.0 sobrealimentado.

Para você ter ideia, nas concessionárias da marca, a dupla de turbocompressor e intercooler custa R$ 2.580 – e, de novo, sem considerar outros itens necessários ou lubrificante.

240715_uptsi_03.jpg
O motor 1.0 TSI tem injeção direta de combustível, turbo e intercooler Marco de Bari/Quatro Rodas

Os bicos injetores também são consideravelmente mais caros quando comparado às configurações mais baratas do hatch: por conta do sistema de injeção direta de combustível, cada peça custa R$ 441, contra pedidos R$ 169 para MPI aspirado.

Ainda se tratando de conjunto mecânico, o Fiat Argo pode receber Start&Stop na versão Drive 1.3. Oferecido como opcional, o sistema desliga e religa automaticamente o motor em paradas breves para economizar combustível (e soma R$ 1.570 à fatura final por conta do pacote com controles de estabilidade e assistente de partida em rampas).

Start-stop: com o passar do tempo, ele ficou mais lento para religar o motor após o acionamento da embreagem
Sistema start-stop é oferecido em pacote de opcionais no Argo Christian Castanho/Quatro Rodas

Só que essa função também exige uma bateria mais parruda para suportar os períodos de “apagão”: se o item mais simples custa R$ 360, as unidades com Start&Stop exigem uma bateria de R$ 906.

Claro que nem sempre essa é uma escolha puramente racional. O Citroën C3, que chegou às lojas brasileiras em 2013, foi o único modelo compacto com para-brisa panorâmico à venda no país.

Citroën C3 Exclusive
Para-brisa Zenith custa o dobro do convencional para ser substituído Marco de Bari/Quatro Rodas

Segundo apuramos junto às concessionárias da marca, a simples aquisição da peça custa R$ 2.870, enquanto um para-brisa convencional – que era utilizado nas configurações mais baratas do modelo – pode ser encontrado por cerca de R$ 1.400 na mesma revenda.

Só que aí, meu caro leitor, cabe a você decidir quais mimos valem a pena (e quanto está disposto a pagar por eles).

Continua após a publicidade
Publicidade