Clássicos: Porsche 911 Carrera RS, técnica e criatividade

Com poucos recursos, a Porsche desenvolveu o Carrera RS, um dos maiores esportivos da história

O RS era um 911 melhorado em peso, motor e aerodinâmica O RS era um 911 melhorado em peso, motor e aerodinâmica

O RS era um 911 melhorado em peso, motor e aerodinâmica (Christian Castanho/Quatro Rodas)

primeira metade dos anos 70 foi turbulenta para a Porsche. O 917 estava com os dias contados após a FIA declarar que ele estaria fora do regulamento do Grupo 5 a partir de 1973. A situação se agravou após a Volks anunciar que seus futuros modelos teriam tração dianteira e refrigeração líquida da Audi, fragilizando a relação entre os dois fabricantes.

Sem o apoio financeiro da VW, o diretor técnico Ernst Fuhrmann determinou o desenvolvimento do Carrera RS (Rennsport), um 911 capaz de liderar o Grupo 4 da FIA. O maior problema dos engenheiros seria atenuar seu comportamento arisco, pois o motor posicionado atrás do eixo traseiro o tornava mais lento que os adversários nas curvas.

Conta-giros no centro: vocação para carro de corrida Conta-giros no centro: vocação para carro de corrida

Conta-giros no centro: vocação para carro de corrida (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O desafio era enorme: o Carrera RS enfrentaria adversários muito mais potentes, como o Chevrolet Corvette (V8 de 7,4 litros) e o Ferrari 365 GTB/4 (V12 de 4,4 litros). Até então o 911 S era o modelo mais rápido e veloz da Porsche. Com um seis cilindros de 2,4 litros e 190 cv, ia de 0 a 100 km/h em 7,8 s e chegava aos 228 km/h.

A missão foi confiada a Norbert Singer, engenheiro que colaborou com o sucesso do 917. Com um túnel de vento, sua equipe descobriu que um simples aerofólio aumentaria a aderência do eixo traseiro. Os testes dinâmicos monstraram que o Carrera RS era um devorador de curvas.

Carroceria apurada em túnel de vento Carroceria apurada em túnel de vento

Carroceria apurada em túnel de vento (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Outro engenheiro, Hans Mezger, aumentou o motor para 2,7 litros: os cilindros adotaram uma tecnologia desenvolvida no 917, um revestimento interno em liga de níquel e carbeto de silício, mais tarde conhecido como Nikasil. Com injeção mecânica Bosch, o resultado final foi de 210 cv a 6.300 rpm e 26 mkgf a 5.100 rpm.

Motor aumentado para 2,7 litros Motor aumentado para 2,7 litros

Motor aumentado para 2,7 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A última etapa foi eliminar tudo o que fosse dispensável num carro de pista: carpete, bancos traseiros e até o emblema no capô, substituído por um adesivo. Ao final, o RS para homologação pesava 960 kg graças a chapas e vidros mais finos, além de itens de fibra de vidro e alumínio.

Sua primeira aparição foi no Salão de Paris de 1972. Os entusiastas ficaram em êxtase ao ver o aerofólio traseiro e a ficha técnica, pois era o primeiro Porsche de série a superar os 200 cv. A pintura branca simbolizava a cor nacional dos carros alemães de competição e os grafismos seguiam o mesmo tom das rodas Fuchs.

Rodas Fuchs pintadas na cor dos grafismos laterais Rodas Fuchs pintadas na cor dos grafismos laterais

Rodas Fuchs pintadas na cor dos grafismos laterais (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Das 500 unidades para a homologação, só 17 permaneceram originais: 200 foram convertidas para a versão M471, que ganhou 15 kg com acessórios como janelas basculantes, carpete, bancos Recaro e barra estabilizadora reforçada. Foi logo absorvida pelo mercado, graças ao preço de 33.000 marcos alemães (contra 31.500 do 911 S).

Apesar de mais cara (35.500 marcos), a versão M472 foi a de maior sucesso: 1.308 unidades. Pesava 1.060 kg graças ao acabamento similar ao do 911 S, com exceção do volante de 38 cm. Exclusiva para as pistas, a M491 teve só 55 carros: motor de 2,8 litros e 300 cv, rodas mais largas e gaiola de proteção interna, tudo por 59.000 marcos. As versões mais civilizadas chegavam a 243 km/h, com 0 a 100 km/h em 5,8 s. 

A máquina ia de 0 a 100km/h em 5,8 segundos A máquina ia de 0 a 100km/h em 5,8 segundos

A máquina ia de 0 a 100km/h em 5,8 segundos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

No total, 1.580 carros foram feitos até julho de 1973, como este M472, que faz parte do acervo da FBF Collezione. O Carrera RS é hoje um dos Porsche mais valorizados do mundo. Sua trajetória foi essencial para a manutenção da lenda 911, assim como o Carrera RSR 3.0 e o 930 (911 Turbo).

Ficha técnica – Porsche 911 Carrera RS 1973

  • Motor: 6 cilindros opostos de 2,7 litros; 210 cv a 6.300 rpm; 26 mkgf a 5.100 rpm
  • Câmbio: manual de 5 velocidades
  • Dimensões: comprimento, 410 cm; largura, 165 cm; altura, 132 cm; entre-eixos, 227 cm; peso, 1.060 kg
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 5,8 s; velocidade máxima de 243 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s