Clássicos: Alfa Romeo Giulia / GTV, tal mãe, tal filha

Com a linha Giulia e suas derivações, a Alfa honrou a preciosa herança do Giulietta

Alfa Romeo Giulia / GTV O Alfa Romeo GTV exibe os faróis duplos típicos da geração pós-1968

O Alfa Romeo GTV exibe os faróis duplos típicos da geração pós-1968 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Depois dos anos 50, a Alfa Romeo jamais foi a mesma. Graças à ampla aceitação da linha Giulietta, sua receita de sucesso passou a ser feita de modelos menores e mais acessíveis, mas sem dispensar a herança dos anos de vitórias nas pistas.

Desde então, quase todos seus carros seguem os preceitos do Giulietta, e o primeiro a fazer isso foi o Giulia em 1962. Até no nome ele evidenciava sua ascendência. Novamente o projeto previa carrocerias sedã e cupê, ambas com estilo bem distinto.

Num imbróglio familiar digno de comédia italiana, a princípio a Alfa manteve o Giulietta cupê e o conversível com o nome Giulia, renovando só o sedã.

Enquanto o Giulia sedã tinha desenho mais reto que o Giulietta, o novo cupê Sprint GT, desenhado por Giugiaro, na Bertone, e lançado no ano seguinte, dispunha de proporções próximas às da versão equivalente que substituía, com frente bem maior que a traseira. Se os faróis do sedã podiam ser duplos, os dele eram simples e mais centralizados.

Alfa Romeo Giulia / GTV A versão cupê podia ter motores de até 220 cv

A versão cupê podia ter motores de até 220 cv (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O Giulia tinha motor 1.6 de 92 cv no sedã ou 106 cv no cupê. A lista de motores só aumentaria. Já em 1963, o sedã TI Super oferecia 112 cv e freio a disco nas quatro rodas, que logo viria de série em toda a linha. A versão 1300 contava com 78 cv e a 1300 TI, 82 cv. O Giulia Super de 1965 entregava 98 cv.

O melhor da esportividade, no entanto, sempre era reservado ao cupê. Com partes da carroceria de liga leve e motor com carburação dupla e 115 cv, o cupê Giulia GTA visava as corridas, e versões com compressor chegavam a 220 cv.

Em 1965 foi lançada a GTC Cabriolet, que, sem o apelo do Giulietta Spider, vendeu só cerca de 1 000 unidades. O Giulia GTV veio com 109 cv e outras alterações no ano seguinte, quando também surgiu o GT 1300 Junior, com motor 1.3 de 89 cv.

O cupê abandonou o nome Giulia em 1968 ao herdar o motor do novo e maior sedã 1750 Berlina, mas até hoje é chamado pelo nome original. Oficialmente, virou Alfa Romeo 1750 GTV, devido ao motor 1.8 de 118 cv.

A alteração mais notável eram os faróis duplos. Com motor 2.0 com injeção de combustível, o GTA fazia bonito nas corridas da categoria touring. Em 1971 veio o 2000 GTV de rua, com o 2.0 de 132 cv.

Alfa Romeo Giulia / GTV Próximo ao volante, o câmbio permite trocas rápidas

Próximo ao volante, o câmbio permite trocas rápidas (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Diretor do Alfa Romeo Clube do Brasil, Emanuel Zveibil cedeu o exemplar das fotos, um 2000 GTV 1974. O carro veste o motorista. “Os pedais são ágeis, faz-se o punta-tacco com facilidade”, diz o dono, que tira partido do recurso nos ralis dos quais participa. São 200 km/h de máxima, segundo o manual, e 0 a 100 km/h estimado em 10 segundos. Com carburação dupla, o motor produz 150 cv.

“O torque aparece melhor em torno das 4 000 rpm”, afirma Zveibil. O carro senta na pista em curvas por ter diferencial autoblocante. “A Alfa foi a primeira a oferecer o sistema num modelo relativamente barato”, diz o dono sobre o que destaca como vantagem da marca, ao lado do motor de alumínio, do duplo comando no cabeçote e da dupla carburação.

Na genealogia da Alfa Romeo, a linha Giulia e suas derivações, descendentes diretas do Giulietta, seriam produzidas até 1978. Elas comprovam a tese de que a evolução pode ser feita sem rupturas. A continuidade é o melhor indício dos bons legados.

Veja também

A linhagem Zagato

 (reprodução/Divulgação)

Se os Alfa Romeo pré-guerra não raro tinham carrocerias diferenciadas produzidas por algumas firmas especializadas, essa tradição se perdeu a partir dos anos 50. Um exceção foi a parceria com a Zagato.

Só com base no Giulia foram feitos o TZ, bólido para as pistas de até 170 cv (foto acima), entre 1963 e 1965, e o Junior Z, ameno e estranho cupê de rua com motores 1300 e 1600, que durou de 1969 a 1975.

Ficha técnica – Alfa Romeo Giulia 1963 / Giulia GTA 1965

  • Motor: 4 cilindros em linha de 1,6 litro; 92/115 cv a 6 000 rpm
  • Câmbio: manual de 4 ou 5 velocidades (linha Giulia completa)
  • Dimensões: comprimento, 420/408 cm; largura, 155/158 cm; altura, 143/131 cm; entre-eixos, 251/2 35 cm; peso, 998/745 kg
  • Carroceria: sedã, cupê e conversível (linha Giulia completa)
  • Desempenho: máxima de 165/185 km/h

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s