Carros fraudados pela VW viram febre no mercado de usados dos EUA

Motores TDI foram retrabalhados e voltaram a ser desejados pelos norte-americanos

Um dos pátios em que são armazenados os veículos recomprados pela Volkswagen após o dieselgate

Um dos pátios em que são armazenados os veículos recomprados pela Volkswagen após o dieselgate (Lucy Nicholson/Reuters/Reprodução)

Pouco antes do escândalo do Dieselgate nos Estados Unidos, a Volkswagen buscava entrar no mercado norte-americano de veículos a diesel.

As propagandas prometiam motores “diesel realmente limpos”. Depois descobriu-se que elas ludibriavam quem buscava durabilidade e eficiência nos Volkswagen, uma das poucas marcas com sedãs e peruas a diesel com preço acessível.

Quando o escândalo veio à tona, pegou de surpresa todos os proprietários de modelos a diesel no país. É o caso de Allison Dugdale, proprietária de um Jetta.

“Eu adorei [o Jetta] até o momento que percebi que não seria capaz de mantê-lo porque eles [Volkswagen] quebraram a lei de uma forma imoral e escandalosa”, disse Dugdale em entrevista ao The New York Times.

A fabricante alemã violou as leis de controle de poluentes ao instalar nos automóveis um software que mascarava os índices reais de emissão. Então, os Estados Unidos aplicou uma série de multas e alguns executivos da empresa chegaram a ser presos.

Foi aí que Volkswagen decidiu recomprar todos os 380 mil carros que infringiam a lei com o objetivo de consertá-los ou destruí-los.

Eram modelos como Jetta, Jetta Variant, Golf, Audi A3 e Beetle, que foram recomprados pela empresa e distribuídos entre os mais de 20 pátios dedicados a armazená-los nos Estados Unidos.

Agora, três anos depois do início do programa de recompra, a montadora informou que cerca de 100 mil dessas unidades voltarão ao mercado.

Mas porque um motor que gerou tamanho escândalo e está parado há tanto tempo geraria interesse? Pelo mesmo motivo que gerou a busca antes mesmo do dieselgate acontecer: a economia.

“Eu procurava por um carro usado com quilometragem decente”, afirma Sid Heilbraun, que trocou um SUV da Lexus por um Golf 2015 com 61 mil quilômetros rodados, de US$ 11.500 (R$ 47.745).

Heilbraun foi orientada por seus amigos a procurar um Volkswagen e após a compra disse entender o conselho. “Parece que todos os proprietários de TDI têm a mesma opinião: “não quero desistir do meu TDI”.

Motores TDI foram de descartáveis a sucesso de vendas nos Estados Unidos

Motores TDI foram de descartáveis a sucesso de vendas nos Estados Unidos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os motores a diesel possuem valor no mercado principalmente pela garantia de alta rodagem e pela economia de combustível. No caso da Volkswagen, o 2.0 TDI ofertado nos Estados Unidos só teve o software irregular retirado. Além disso, existe um programa de garantia de pelo menos quatro anos ou então 48 mil milhas (77.250 quilômetros).

A garantia de motor também ajuda no aumento da procura desses veículos, mas o principal motivo do sucesso da busca são os compradores terem os mesmos filtros de buscas de antes do escândalo: sedãs ou peruas diesel com preço médio.

“Nesses casos, a Volkswagen é o único diesel no jogo”, afirma David Paris, analista executivo da J.D. Power Valuation Services, empresa que analisa o mercado automotivo dos EUA. Isso porque os motores diesel equipam principalmente carros de luxo e caminhões no país.

O sucesso dos TDI fez a Volkswagen voltar ao mercado de diesel, mesmo que indiretamente. O ganho de mercado de veículos usados a diesel da marca vem aumentando e em junho deste ano, corresponderam a 15% das buscas de compradores.

“Eles [Volkswagen] tiveram mais participação do que qualquer outra marca na venda de veículos usados”, disse George Augustaitis, diretor de análise do CarGurus, site de busca para compra e venda de usados dos Estados Unidos.

Segundo Augustaitis, em 2014 um Jetta a diesel era comprado por US$ 23.195 (quase R$ 100 mil) enquanto o modelo a gasolina era negociado por US$ 16.720 (cerca de R$ 70 mil). Agora, tudo mudou e entre os usados “você pode comprar um diesel a preço semelhante ao de um modelo a gasolina”.

O sucesso das vendas mostra como a memória dos compradores parece curta e os concessionários alertam para a grande procura dos modelos, embora seja irônico os veículos envolvidos no escândalo ganharem tanto espaço no mercado norte-americano.

No entanto, o preço baixo dos TDI parece ter dias contados já que a Volkswagen informou que seu último carro a diesel será vendido em 2020, o que tornará mais raro encontrar esses veículos e elevará o valor dos carros.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s