Autodefesa: freios do Renault Kwid empenam, falham e geram até acidente

Reclamações com os freios do Renault Kwid se tornaram tão comuns que dois anos após seu lançamento ele ganhou um novo sistema de frenagem

Eduardo Bonifácio: troca de discos após 5.000 km

Eduardo Bonifácio: troca de discos após 5.000 km (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Desde que foi lançado no Brasil, em agosto de 2017, o Renault Kwid causou polêmica por causa dos freios.

Começou com um recall (trincas que provocavam mau funcionamento) e prosseguiu com reclamações de proprietários que criticam a substituição precoce de peças e a eficiência reduzida.

Tais problemas também afetaram o Kwid do nosso teste de Longa Duração (as pastilhas duraram só 20.000 km, contra 60.000 km do Fiat Mobi, por exemplo). 

“Com menos de seis meses de uso, o carro apresentou uma trepidação sempre que eu freava. Depois evoluiu para um grande barulho e terminou numa batida por falha nos freios”, diz o auxiliar técnico Willian Leme, de São Paulo, dono de um Kwid Intense 2018.

“Tudo ocorreu após a autorizada trocar as peças do freio em garantia”, seguiu.

Freios do Kwid também deram dor de cabeça no Longa Duração

Freios do Kwid também deram dor de cabeça no Longa Duração (Silvio Gioia/Quatro Rodas)

Substituição dos discos em garantia é uma prática comum nas autorizadas, como relata o auxiliar financeiro Diogo Rodrigues, de Várzea Grande (MT), que tem um Kwid Zen 2018.

“Estou indo para o sexto jogo de discos e pastilhas com menos de 40.000 km. Até os 10.000 km, os freios demoravam a responder. A partir de 14.000 km, veio o barulho de ferro com ferro, mesmo com as pastilhas novas. A autorizada diz que isso se deve ao fato de a pastilha esquentar muito e vitrificar, tudo porque os discos não são ventilados”, disse.

Fontes entre os concessionários dizem que essas ocorrências fizeram a Renault adotar o novo sistema de freios na linha 2020: os discos sólidos na dianteira foram substituídos por ventilados.

Também é comum os discos empenarem, como ocorreu com o Kwid Intense 2018 de Eduardo Bonifácio, de Salto (SP).

“Desde novo, o freio faz um ruído como se estivesse enferrujado. Após tanto reclamar, trocaram. Agora os discos empenam a cada 5.000 km. E troquei mais duas vezes.”

Por isso, alguns donos de Kwid dizem que passaram a trocar as pastilhas por marcas do paralelo, que vão de R$ 75 a R$ 200 e duram até 30.000 km, enquanto as originais custariam R$ 400 nas autorizadas, fariam o tal barulho e durariam até 20.000 km.

Consultada, a Renault do Brasil afirma que não há nenhum problema de eficiência nos freios do Kwid.

O povo reclama

“Os problemas com o freio começaram com 200 km e durou até os 9.000 km, quando resolvi vender o carro. Foram mais de 20 trocas com duas marcas diferentes de freios. Fiquei mais de duas semanas com o carro na oficina só por causa de defeitos no freio.” Sidinei Jacques Borba, chaveiro, Santa Maria (RS), dono de um Kwid Intense 2018

“Os problemas com as pastilhas de freio do meu Kwid começaram quando o carro tinha apenas 500 km rodados. Agora ele está com 7.000 km e os freios fazem um ruído agudo e extremamente alto quando piso no pedal, principalmente abaixo de 20 km/h.” Felipe Siqueira de Freitas, vendedor, Pouso Alegre (MG), proprietário de um Kwid Zen 2018

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s