Clique e assine por apenas 8,90/mês

A picapinha 4-portas que deu receita à Strada e salvou a Dacia da falência

Modelo 1307, derivado diretamente do sedã Renault 12, já combinava porte compacto com chassi monobloco, cabine dupla e quatro portas quase 30 anos atrás

Por Leonardo Felix - 11 abr 2020, 07h00
Domínio Público/Wikipedia

A Fiat Strada, enfim, ganhou uma nova geração após 21 anos de mercado, trocando a antiga plataforma do Palio por uma estrutura própria (batizada de MPP).

Entre as novidades mais alardeadas pela Fiat está a inédita configuração cabine dupla de quatro portas com cinco lugares, exclusividade entre as picapes pequenas brasileiras.

No entanto, essa concepção não é novidade entre os utilitários com caçamba de estrutura monobloco. A letã Raf 2909 está aí para não deixar mentir desde 1979, mas também há exemplos de modelos do segmento compacto.

Muito antes de a Fiat lançar a Toro e a Renault criar a Oroch a partir da plataforma do Duster, a Dacia já oferecia no leste europeu um modelo capaz de levar uma família pequena mais a caçamba cheia de carga.

Dacia 1302 Domínio Público/Wikipedia

Se hoje a Renault aproveita os projetos da subsidiária romena em mercados emergentes, caso dos nossos Sandero, Logan, Duster e Captur, da segunda metade da década de 1960 até os anos 2000 o caminho era inverso: a Dacia é quem criava veículos a partir de modelos da marca francesa.

Na época, o Renault 12 foi rebatizado como Dacia 1300, longevo sedã compacto que teve quase 2 milhões de unidades produzidas na Romênia entre 1969 e 2004.

Outra curiosidade é que o projeto do Renault 12 deu origem a um modelo que fez bastante sucesso em nosso mercado após a Ford assumir as operações da Willys-Overland do Brasil.

Sedã Renault 12 serviu de base ao projeto Domínio Público/Wikipedia

Desenvolvido em parceria com a Renault, o Projeto M deu origem ao Ford Corcel, lançado em 1968 com a mesma mecânica do carro francês, porém com desenho próprio. O resto da história todos já sabem.

Voltando às picapes, em 1975 a Dacia decidiu lançar um comercial leve derivado do 1300 para o uso profissional e de pequenos agricultores.

Nascia, então, a 1302, mais tarde rebatizada como Dacia Pick Up. Em outros mercados da Europa, como o Reino Unido, ela chegou a ser chamada de Shifter (década de 1980) e Gamma (anos 2000).

Continua após a publicidade
Dacia 1302 Domínio Público/Wikipedia

Devido à sua aparência peculiar, em seu país de origem a 1302 é carinhosamente conhecida como “Papuc”, que significa chinelo em romeno.

Por usar a plataforma modificada do Renault 12, pode-se dizer que a Dacia 1302 é uma ancestral da Ford Pampa (baseada no Corcel II). Na época do lançamento, até o motor era o mesmo usado no Corcel I: 1.3 a gasolina, que rendia modestos 55 cv de potência para empurrar um veículo mais pesado e com tração traseira.

Com o passar do tempo, a picape foi atualizada para introduzir novos motores de 1,4 (63 cv) e 1,6 litro (73 cv). Um 1.9 a diesel de 64 cv também chegou a ser oferecido, com opção de tração 4×4.

A Dacia 1302 foi reestilizada em 1982, passando a ser chamada de 1304. Além das mudanças estéticas e mecânicas, a picape também ganhou as variantes chassi e cabine dupla, ambas de duas portas.

Dacia 1304 mostrando seus atributos em configuração cabine dupla (ainda com duas portas) Domínio Público/Wikipedia

Em 1994, chegou a ter opção de tração dianteira. Já a versão de cabine dupla com quatro portas viria somente em 1992, quando a picape sofreu novas alterações e passou a ser chamada de 1307.

Dacia 1307 cabine dupla com quatro portas Domínio Público/Wikipedia

Medindo 4,79 metros de comprimento ante os 4,48 m da nova Strada cabine dupla, a Dacia Pick Up tinha porte mais próximo dos 4,70 m da Renault Duster Oroch.

A capacidade de carga da picape romena também era superior. A versão cabine dupla com motor a diesel levava até 990 kg, enquanto a Strada carrega no máximo 650 kg (720 kg na cabine simples).

Alô, Toro Ultra: A Dacia 1309 cabine dupla quatro-portas já tinha capota rígida muito antes de você Reprodução/Internet

Em sua última mudança, foi rebatizada como 1309. Foi com esta alcunha que, no fim dos anos 90, salvou a Dacia da falência por conta de um lote de 4.000 unidades encomendado de uma vez para ser exportado ao mercado chinês.

Após 31 anos de produção, quase 320 mil unidades vendidas e bastante defasada em relação ao que a concorrência oferecia, a polivalente Papuc saía de linha em 2006 para dar lugar à picapinha derivada da primeira geração do Logan.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de abril da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade