Guia de Usados: Peugeot 308

Projeto maduro, o hatch médio produzido na Argentina ainda cativa uma legião de fãs, apesar da ineficiência da rede autorizada

Peugeot 308

Produzido desde 2008, o Peugeot 308 chegou ao Brasil só em 2012: vindo da Argentina, o hatch foi lançado mantendo a plataforma do antecessor 307.

Mesmo defasado, ele preserva muitas virtudes: o interior tem um ótimo acabamento (com materiais e encaixes de qualidade) e muito espaço para cinco ocupantes e sua bagagem (o porta-malas é de 430 litros).

A direção direta e a suspensão firme garantem dirigibilidade esportiva e o nível de equipamentos está entre os melhores do segmento.

Na versão de entrada Active, não falta nada: airbags dianteiros, ABS, rodas de liga aro 16, computador de bordo, trio elétrico e ar-condicionado.

O destaque fica para o para-brisa com isolamento acústico, volante em couro e motor 1.6 16V de 122/115 cv, sem o tanquinho de partida a frio.

Peugeot 308

A Allure adiciona ar digital bizona (com saídas atrás), retrovisor fotocrômico, faróis de neblina e sensor de faróis e de chuva. Ela também pode ter o motor 2.0 16V de 151/143 cv, com rodas aro 17, câmbio automático AL4 de quatro marchas e teto de vidro.

A top Feline só vem com o 2.0 e o câmbio AL4, mais airbags laterais e de cortina, controle de estabilidade e tração, banco de couro, teto de vidro, sensor de ré, luzes diurnas por leds e rebatimento elétrico dos espelhos.

A versão mais interessante veio no final de 2012: a Griffe trouxe o 1.6 THP a gasolina (o mesmo dos BMW), com turbo e injeção direta com 165 cv e 24,5 mkgf já a 1.400 rpm, perfeitamente casados ao câmbio automático AT6 (6 marchas), garantindo melhor desempenho e consumo.

Atendendo às críticas, a linha 2014 trouxe alteração em suspensão e pneus para melhorar o conforto e o nível de ruído. O câmbio AT6 também migrou para a Allure 2.0 e as luzes de led e o teto de vidro passaram a ser sempre de série.

O maior defeito do 308 não é o carro, mas a qualidade do serviço da rede autorizada: quem tiver uma boa oficina independente fará um bom negócio, pois ele é vendido por valores bem abaixo da tabela e tem peças de reposição a pronta entrega por preços acessíveis.


A VOZ DO DONO

Nome: Carina Fernandez Barbosa

Idade: 34 anos

Profissão: médica

Cidade: São Caetano do Sul (SP)

O QUE EU ADORO: “Lindo por dentro e por fora: a qualidade do acabamento é imbatível e o estilo ainda encanta. O conforto também é dos melhores: muito espaço, equipamentos de sobra e ótimo desempenho.”

O QUE EU ODEIO: “Ele consome demais e é muito sensível a panes elétricas: em três anos foi guinchado para a concessionária quatro vezes. A rede autorizada se esforça, mas não tem capacidade técnica.”

Peugeot 308

ONDE O BICHO PEGA

Câmbio automático: a transmissão de quatro velocidades (AL4) é conhecida pela fragilidade: verifique se funciona sem trancos, luzes de anomalia ou retenção indevida de marchas.

Polias: chiado contínuo com o motor frio em marcha lenta indica provável desgaste dos rolamentos das polias do tensionador da correia dentada, do compressor do ar-condicionado, da bomba d’água ou do alternador. Fique atento, pois o rolamento pode travar, imobilizando o motor.

Veja também

Suspensão: rígida e com pouco curso, a suspensão do 308 sacrifica os batentes dos amortecedores, que têm sua vida útil abreviada. A perda de pressão dos amortecedores também compromete o comportamento dinâmico: a substituição dos quatro fica em torno de R$ 2.500.

Turbo: atenção com o 1.6 THP: excesso de fumaça em marcha lenta ou no intervalo entre as trocas de marcha pode indicar uma turbina danificada ou no fim de vida útil. O reparo vai de R$ 2.000 a R$ 5.500.

Recall: foi convocado para atualizar o módulo do motor, pois há o risco de o freio não funcionar por insuficiência de vácuo. Abrange os 308 Allure fabricados de abril a setembro de 2013.

NÓS DISSEMOS

Outubro de 2012: “Ágil, o Peugeot 308 se mostra um carro bom de guiar, principalmente para quem tem perfil esportivo. A suspensão tem curso curto e suas molas têm calibragem mais firme, assim como o sistema de direção – em manobras, porém, é bastante leve. (…) Os itens de série empolgam.”

Preço médio dos usados (FIPE)

2013 2014 2015
Active / Allure 1.6 R$ 32.439 R$ 38.247 R$ 46.649
Allure 2.0 manual R$ 36.684 R$ 41.520 R$ 49.769
Allure 2.0 automático R$ 38.283 R$ 42.821 R$ 49.873
Feline / Griffe 1.6 THP automático R$ 43.771 R$ 47.060 R$ 57.536

Preço médio das peças

Original Paralelo
Para-choque (dianteiro) R$ 1.820 R$ 500
Farol (cada um) R$ 1.690 R$ 750
Retrovisor (cada um) R$ 610 R$ 490
Discos de freio (par) R$ 880 R$ 480
Pastilhas de freio (jogo) R$ 610 R$ 270
Kit de embreagem R$ 640 R$ 450
Amortecedores (os quatro) R$ 1.800 R$ 1.400
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s