Clique e assine por apenas 8,90/mês

Guia de Usados: Fiat Punto 2013 tinha motor turbo e bigodinho do 500

Aposentado pelo Argo, o Punto reestilizado em 2012 corrigiu os erros e manteve as qualidades do modelo anterior

Por Guilherme Fontana - Atualizado em 12 jul 2019, 16h17 - Publicado em 23 jun 2017, 18h35
Design feito por Giugiaro manteve a beleza ao longo dos anos
Design feito por Giugiaro manteve a beleza ao longo dos anos arquivo/Quatro Rodas

O Fiat Punto chegou ao Brasil em 2007 alinhado com o modelo vendido na Europa – que mudaria levemente dois anos depois. Por aqui, o hatch permaneceu o mesmo até 2012, ano em que o modelo europeu receberia sua segunda alteração.

Por fim, em 2016, ele teve sua produção brasileira encerrada com a chegada do Argo, tornando-se uma  opção no mercado de usados por ocupar uma extensa faixa entre R$ 30.000 e R$ 60.000.

Apesar dos longos 10 anos de mercado, falaremos sobre os últimos quatro anos de vida do Punto no Brasil – ou seja, após a reestilização de 2012, apresentada em agosto daquele ano como linha 2013.

As mudanças visuais foram importantes para a sobrevida do modelo, e mantiveram o design (obra de Giugiaro) atraente até hoje .

Na dianteira, os faróis ficaram menos pontiagudos e o para-choque adotou o “bigodinho” cromado herdado do 500, além da grade com a porção central em plástico sem pintura que passou a abrigar as luzes de seta e os faróis de neblina.

Fiat Punto Essence e T-Jet
Oferta de motores inclui 1.4, 1.6, 1.8 e 1.4 Turbo arquivo/Quatro Rodas

Atrás, o para-choque repete as partes plásticas e mantém as luzes de ré e neblina na porção inferior. O destaque fica para as lanternas com leds, de série em todas as versões.

Continua após a publicidade

A grande evolução do Punto reestilizado, porém, veio no interior. O painel pouco inspirado, de linhas desatualizadas e acabamento com materiais de baixa qualidade que gerava incômodos ruídos, deu lugar a um conjunto mais sofisticado, com elementos arredondados, apliques cromados e iluminação indireta por leds.

A cor da porção central, que pode ser acolchoada, varia de acordo com as versões.

Posição de dirigir sempre foi destaque, com bancos envolventes e volante de boa pegada
Posição de dirigir sempre foi destaque, com bancos envolventes e volante de boa pegada arquivo/Quatro Rodas

Da linha 2013 até a 2016, o Punto permaneceu com seis configurações diferentes: Attractive 1.4, Essence 1.6, Essence 1.6 Dualogic, Sporting 1.8, Sporting 1.8 Dualogic e T-Jet 1.4 turbo.

Todas elas eram equipadas de série com ajustes de profundidade e altura do volante, direção hidráulica, sinalizador de frenagem de emergência, além de freios ABS e airbags frontais antes mesmo da obrigatoriedade dos itens.

Dependendo da versão, eram disponíveis como opcionais sensor de estacionamento, ar-condicionado digital, airbags laterais, retrovisores elétricos e diversas opções de cores.

A Attractive era equipada com o motor 1.4 8V de 88/85 cv e 12,5/12/4 mkgf com etanol/gasolina e câmbio manual de cinco marchas, enquanto a Essence tinha o 1.6 16V 117/115 cv e 16,8/16,2 mkgf com câmbio manual ou automatizado Dualogic, ambos de cinco marchas.

Continua após a publicidade

As versões Sporting (que deixou de ser oferecida na linha 2017) e Blackmotion usam o mesmo 1.8 16V de 132/130 cv e 18,9/18,4 mkgf com etanol/gasolina, também com as opções de câmbio manual e automatizado.

No conjunto mecânico, o Punto foi o segundo Fiat a trazer a segunda geração do câmbio automatizado Dualogic, que prometia uma redução nos conhecidos trancos durante as trocas de marchas.

A transmissão também passou a oferecer o creeping, acoplamento da embreagem ao soltar o liberar o freio com o câmbio engatado em D ou R, que faz o carro se mover lentamente.

Câmbio Dualogic Plus trouxe algumas evoluções sobre o anterior
Câmbio Dualogic Plus trouxe algumas evoluções sobre o anterior arquivo/Quatro Rodas

Mesmo não tendo foco no espaço, o Punto permite levar uma família de quatro pessoas – cinco, se apertar um pouco – com conforto, inclusive na altura. O problema fica para o porta-malas de 275 litros, menor até do que o do Palio, que tem 280.

O Argo, seu sucessor, oferece 300 litros de capacidade. O conforto a bordo, porém, é uma virtude do modelo, com suspensão de acerto longo e macio.

De 2012 a 2017, o hatch ganhou duas importantes séries especiais. A primeira foi a Blackmotion, que chegou em 2013 (como linha 2014), e veio a tornar-se versão padrão.

Continua após a publicidade

Com a mesma mecânica da Sporting, ela tem como diferencial o visual ainda mais agressivo, com para-choques esportivos e rodas com desenho exclusivo.

Série Blackmotion virou versão, e agrada pelo pacote de equipamentos
Série Blackmotion virou versão, e agrada pelo pacote de equipamentos divulgação/Quatro Rodas

Já a segunda, Itália, chegou em 2014 baseada na Attractive, com uma lista de equipamentos mais recheada (retrovisores elétricos, volante multifunciona, rádio com USB, faróis de neblina e rodas de liga leve aro 15).

No mercado de usados, as séries especiais revelam ser ótimas oportunidades por ofereceram visual diferenciado e mais equipamentos em relação às configurações de base.

No caso da Itália, apenas R$ 158 a separa da versão Attractive, considerando um modelo 2015 na tabela Fipe. No caso do 2016, são R$ 166. As diferenças também são pequenas entre Sporting e Blackmotion (veja a tabela completa mais abaixo).

Depois de aproximadas 285 mil unidades vendidas desde 2007, o Punto se despede do mercado brasileiro com a chegada do Argo.

A configuração turbinada T-Jet deixou o mercado mais cedo, com a chegada da linha 2017 – sobre ela, temos um Guia de Usados específico que você pode ler clicando aqui.

Continua após a publicidade

A VOZ DO DONO

“Um carro muito gostoso de dirigir, com respostas imediatas do motor. Silencioso e estável, transmite segurança e oferece consumo de combustível compatível com o desempenho. Nunca apresentou nenhum problema em três anos de uso. A única ressalva fica para o espaço do banco traseiro, um pouco limitado.” – Luis Roberto Silva, 52 anos, representante comercial, São Paulo (SP).

“É um carro confortável, tem bom sistema de suspensão e um espaço interno bacana para os passageiros. Gosto também do design interno (painel e bancos) dele; além disso, não é gastão em termos de consumo de combustível. O que não gosto muito é a péssima relação peso, potência e torque (sofro muito em subidas e retomadas) e a rede de assistência da Fiat deixa bastante a desejar – só usei a concessionária durante a garantia, pois achei o serviço bem ruim.” – Tatiana Lopes, 30 anos, engenheira química, Jundiaí (SP)

O que eu adoro: “O que mais me agrada é o acabamento interno (o melhor entre todos os Fiat) e a relação entre conforto e estabilidade: o rodar é suave sem ser molenga, firme nas curvas.” – Felipe de Lima Lara, 32 anos, policial civil, Piracicaba (SP).

O que eu odeio: “O banco e a tampa do porta-luvas fazem barulho em lombadas. E a tampa do bocal do tanque às vezes emperra, defeito que meu Punto anterior também tinha.” – Juliana Sinkiti Gastaldello, 25 anos, analista de sistemas, São Paulo (SP).

 

ONDE O BICHO PEGA

Lanternas – O principal defeito crônico do Punto reestilizado está nas lanternas, suscetíveis a infiltração e acúmulo de água no interior das peças. Com isso, os leds dedicados à luz de posição ficam mais fracos – ou, em alguns casos, se apagam por completo. Em 2013, o Procon notificou a Fiat a respeito dos inúmeros casos envolvendo o conjunto de iluminação traseiro. No entanto, o esperado recall nunca aconteceu.

Continua após a publicidade

Recall de câmbio – Em 2014, os Punto Essence, Essence Dualogic e T-Jet passaram por um recall por um possível desgaste prematuro da transmissão. A solução era a troca do óleo do câmbio. Vale atentar-se para a realização do reparo em unidades fabricadas entre 2012 e 2014 das versões citadas.

Câmbio Dualogic – Mesmo as versões mais atualizadas da transmissão, como é o caso do Punto a partir de 2012, podem sofrer com falhas no engate das marchas. Em alguns casos, proprietários relatam que a transmissão passa para a posição N (Neutro) de forma involuntária. Mais do que isso, o câmbio automatizado demanda prática para ser usado sem trancos – para quem está acostumado com automáticos convencionais, a experiência pode não ser muito agradável.

NÓS DISSEMOS

Agosto de 2012 – “O Punto é mais divertido de dirigir do que os irmãos. Isso porque ele é mais bem assentado que o Palio (por causa das maiores bitolas dianteira e traseira e dos pneus aro 15) e tem centro de gravidade mais baixo. No trânsito, sua suspensão é macia como a de um Siena.”

PREÇO MÉDIO DE USADOS (FIPE)

Modelo  2013 2014 2015 2016 2017
Attractive 1.4 R$ 31.975 R$ 34.709 R$ 37.587 R$ 39.849 R$ 44.297
Itália 1.4 R$ 32.037 R$ 37.745 R$ 40.015 R$ 44.808
Essence 1.6 R$ 32.461 R$ 35.599 R$ 39.046 R$ 43.854 R$ 48.123
Essence 1.6 Dualogic R$ 33.090 R$ 34.380 R$ 40.248 R$ 44.075 R$ 50.238
Sporting 1.8 R$ 35.768 R$ 38.965 R$ 43.528 R$ 46.312
Sporting 1.8 Dualogic R$ 35.967 R$ 40.654 R$ 44.462 R$ 48.638
Blackmotion 1.8 R$ 39.782 R$ 44.381 R$ 47.966 R$ 54.395
Blackmotion 1.8 Dualogic R$ 39.854 R$ 44.475 R$ 51.258 R$ 60.673
T-Jet 1.4 Turbo R$ 43.463 R$ 45.738 R$ 49.237 R$ 53.393

 

Publicidade