Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Teste: JAC e-JS4 é apenas um SUV compacto elétrico – e isso é bom

SUV com porte de Nissan Kicks e preço de Ford Bronco Sport é trunfo da chinesa JAC na guerra da eletrificação

Por Eduardo Passos Atualizado em 24 set 2021, 11h37 - Publicado em 24 set 2021, 10h58
JAC EJS4
Dianteira troca a velha grade por placas reflexivas Fernando Pires/Quatro Rodas

Quando a União Europeia  apresentou, em julho deste ano, seu plano de abolir carros a combustão a partir de 2035, muito se falou a respeito dos nobres planos de fazer do Velho Continente o primeiro neutro em carbono até 2050.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

Quem se aventura pelo calhamaço de 264 páginas da proposta, porém, se depara com um outro motivo, talvez tão importante quanto: os europeus assumem, preocupados, que estão perdendo a corrida dos elétricos para a China, e o JAC e-JS4 é uma boa dica do motivo disso.

Ele não é o mais tecnológico ou o mais excitante carro elétrico à venda no Brasil, mas talvez seu trunfo seja focar em uma normalidade que concorrentes carregados de simbologia e conceitos não conseguem. Enquanto as marcas tradicionais transformam seus VEs quase num manifesto sociopolítico, o SUV da JAC foca na experiência do usuário e quase nada mais do que isso.

JAC EJS4
Design é um dos mais “normais” entre elétricos à venda no Brasil Fernando Pires/Quatro Rodas

É uma comodidade exclusiva dos chineses, sem fãs puristas capazes de bater à porta das fábricas em protesto mediante a “heresia” da vez. Ao mesmo tempo que a JAC exibe o pequenino e-JS1, VE mais barato do Brasil, ela goza de liberdade ao seguir um caminho diferente no e-JS4.

  • Não que ele seja barato, mas, como se trata de um SUV médio, o encarecimento inevitável se dilui em meio aos preços médios do segmento, bons equipamentos e espaço interno.

    Isso fica evidente à primeira vista, quando o sucessor do iEV60 já toma distância dos hatches que comandam a guinada das montadoras tradicionais, graças às suas dimensões generosas, quase iguais às de um Volvo XC40, por exemplo.

    JAC-EJS4
    DRLs separadas dos fárois lembram a Fiat Toro. Régua traseira é iluminada e futurista em boa medida junto às lanternas Fernando Pires/Quatro Rodas

    A semelhança, entretanto, é bem maior com o Nissan Kicks – seja em porte, seja na aparência –, ainda que a JAC prefira compará-lo ao Jeep Compass, enquanto cobra o equivalente a um Ford Bronco Sport pelo carro de versão única, R$ 249.990.

    Ainda custa muito caro, mas sinaliza que a fabricante talvez se aproxime do ponto com o qual todo CEO automotivo sonha e coloca em suas orações atualmente: o dia em que seus elétricos custarão tanto quanto um equivalente a combustão.

    As marcas da Stellantis focam em 2026, mas nesse ritmo a JAC chegará antes. Com tanta pretensão, a marca faz elevar o rigor da crítica, com o repórter vistoriando o carro sempre à procura de um “mas” que não vem.

    JAC-EJS4
    Interior agrada pelos equipamentos a bordo e também pelo nível de acabamento Fernando Pires/Quatro Rodas

    Sóbrio, o carro tem bom gosto na decoração e pintura em dois tons, com belas lanternas traseiras de led e faróis bipartidos, como é tendência. Já seu interior é amplo e confortável, com bom nível de acabamento.

    De fato não há estilo excitante e digno de likes, mas o cuidado nos detalhes aparece nos poucos plásticos à mostra, partes em preto reflexivo e entalhes dourados ao redor da cabine, que, iluminada através do teto solar panorâmico e de vidro claro, se enche de luz, nos dois sentidos.

  • Mesma coisa ocorre com a excelente central multimídia de 10,25 polegadas, com brilho, resolução e dimensões raras aos SUVs médios. Seu pecado é um software falho e mal traduzido, que torna mais fácil usá-lo em inglês; um problema que some quando ligo o Android Auto para seguir viagem.

    JACEJS4
    Bancos não apoiam bem os ocupantes e suspensão garante rodagem confortável, ainda que um pouco barulhenta. Porta-malas é bom até para SUVs médios, com mais volume que Jeep Compass (410 l) e Volkswagen Taos (498 l) Fernando Pires/Quatro Rodas

    A tela também é muito útil para exibir as quatro câmeras espalhadas pelo carro. Elas servem desde a marcha a ré à mudança de faixa, quando as unidades dos retrovisores oferecem, em ótima resolução, uma visão estendida do ambiente externo.

    Em movimento, o e-JS4 também faz bonito, com a entrega quase instantânea dos 150 cv e 34,7 kgfm, facilitando muito o deslocamento urbano. Desde o para e segue do semáforo a uma retomada exigente, o conforto de ter o carro na mão é viciante, sempre deixando saudades na volta à gasolina.

    A suspensão lida bem com um modelo mais alto frente aos pares e o SUV balança pouco, seja em pisos bons ou ruins. Com bastante peso perto do solo e bitola larga, era o que faltava para que a posição de dirigir fosse alta mas gostosa.

    Continua após a publicidade
    JAC-EJS4
    Quadro digital tem ótima resolução, mas interface é confusa e mal traduzida Fernando Pires/Quatro Rodas
    JACEJS4
    Câmeras salientes nos retrovisores externos contribuem para mudanças de faixa e balizas Fernando Pires/Quatro Rodas

    O maior problema em termos de conforto diz respeito aos passageiros do banco de trás, que têm ótimo espaço para as pernas e os ombros, mas sofrem com barulho acima do esperado a mais de 100 km/h. Uma questão simples, porém capaz de quebrar um pouco da mística dos “carros silenciosos”.

    Mas se o e-JS4 é tudo isso, por que motivo ainda não supera seus concorrentes? O engenheiro de produtos da marca, Vitor Bueno, destaca o preconceito com carros chineses como a grande vulnerabilidade do modelo. E tem razão.

    Seu maior defeito, entretanto, também vem da Ásia, já que o sistema de carregamento brasileiro não se entende com o utilitário nem usando adaptadores inclusos.

    JACEJS4
    Controles não têm resposta tátil, distraindo o motorista mais do que o ideal Fernando Pires/Quatro Rodas

    O carregamento doméstico salva, mas as 11 horas na tomada residencial não servem para o dia a dia e, com bateria de 55 kWh, os 420 km de autonomia só se obtém na estrada com pé muito leve e convívio inusitado com os amigos da boleia, sempre à direita.

    Sim, ter um elétrico ainda exige comprometimento com a causa, mas a JAC parece mais avançada que gigantes do Ocidente. E a União Europeia sabe muito bem.

    JAC-EJS4
    Console no teto traz porta-óculos, teclas das luzes e de acionamento do teto solar Fernando Pires/Quatro Rodas

    Veredicto

    Seu destaque é o custo/benefício, mas o carregamento é ponto sensível e que precisa ser melhorado, assim como dados de performance e carregamento.

    JACEJS4
    Rodas têm design aerodinâmico. Sob o capô: visual nada parecido com um V8 Fernando Pires/Quatro Rodas

    Ficha Técnica – JAC e-JS4

    Motor: dianteiro, elétrico síncrono permanente, 150 cv, 34,7 kgfm
    Baterias: íons de lítio, 55 kWh, recarga de 9 horas (CA) e 31 minutos (CC)
    Câmbio: automático, uma marcha

    Direção: elétrica
    Suspensão: McPherson (diant.), eixo de torção (tras.)
    Freios: disco ventilado (diant.), disco sólido (tras.)
    Pneus: 225/45 R17 nas quatro rodas
    Dimensões: compr., 439,8 cm; larg., 178,2 cm; alt., 165,6 cm; entre-eixos, 262 cm; porta-malas, 520 l

    JAC-EJS4
    Dificuldades no carregamento foram pontuais e serão corrigidas, garante JAC Fernando Pires/Quatro Rodas

    Teste – JAC E-JS4

    Aceleração
    0 a 100 km/h: 9,1 s
    0 a 1.000 m: 30,7 – 157,1 km/h

    Velocidade máxima: 160 km/h (dado de fábrica)

    Retomadas
    D 40 a 80 km/h: 3,6 s
    D 60 a 100 km/h: 4,7 s
    D 80 a 120 km/h: 6,4 s

    Frenagens
    60/80/120 km/h a 0: 15,9/28,4/62,9 m

    Consumo
    Urbano: 7,5 lm/kWh
    Rodoviário: 6,3 km/kWh

    Ruído interno
    Neutro/rpm máx.: -/- dBA
    80/120 km/h: 65,4/70,2 dBA

    Aferição

    Velocidade real a 100 km/h: 99 km/h
    Rotação do motor a 100 km/h em 7a marcha: –
    Volante: 2,5 voltas

    Seu Bolso
    Preço básico: R$ 249.990
    Garantia: 5 anos

    Condições de teste: alt. 660 m; temp., 31 °C; umid. relat., 55%; press., 1.013 kPa

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

    CAPA quatro rodas setembro edição 749
    arte/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade