Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

JAC T60 Plus mudou tanto que se tornou opção ao Jeep Compass

Profundamente atualizado, o SUV médio ficou mais atraente, recebeu novos equipamentos e manteve boa relação custo-benefício

Por Gabriel Aguiar 10 mar 2021, 10h30
Dianteira do SUV JAC T60 Plus azul
Dianteira ganhou faróis divididos em dois blocos Fernando Pires/Quatro Rodas

Este roteiro de filme é bem conhecido: o protagonista é desajeitado e sofre bullying pelo jeito esquisito, mas acaba se tornando o centro das atenções após um belo banho de loja.

Foi exatamente isso o que aconteceu com o JAC T60: de cópia do Nissan Kicks e raridade nas ruas (foram 142 carros em 2020, menos que o Troller T4 emplacou em dezembro), o SUV chinês passou a atrair olhares pelas ruas como poucos modelos seriam capazes.

E o pacote de equipamentos também ficou mais recheado para brigar com – nada mais, nada menos que – o líder Jeep Compass e todo o time de utilitários médios.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 7,90

Por conta do quase anonimato desse SUV, dá até para pensar que essa é uma geração completamente nova. Só que, na verdade, é apenas uma reestilização já alinhada à futura identidade visual da marca, com direito a faróis divididos em duas partes e lanternas que se unem sobre a tampa do porta-malas.

Lateral do SUV JAC T60 Plus azul
Lateral segue quase sem alterações Fernando Pires/Quatro Rodas

E não é que deu certo? Durante minha experiência com esse modelo em São Paulo (SP), tive que aprender a conviver com as perguntas e os olhares nada discretos de quem tentava descobrir a identidade desse novato. E, durante as abordagens, foi comparado até ao elogiado Range Rover Evoque.

E não foi só no estilo que o utilitário chinês resolveu problemas do passado: o preço continua quase o mesmo desde o lançamento – enquanto todos os rivais ficaram mais caros.

Traseira do SUV JAC T60 Plus azul
Modelo mudou de visual um ano após o lançamento por aqui Fernando Pires/Quatro Rodas

Se o custo/benefício não era lá essas coisas há um ano, agora parece tentador: pelos R$ 118.990 da versão de entrada (com quadro de instrumentos e ar-condicionado digitais, teto solar, seis airbags e chave presencial com partida por botão), só dá para levar opções intermediárias e menos equipadas de SUVs menores.

É como se vendessem Compass a preço de Renegade. Mas falta câmera de ré de série,oferecida junto com revestimento que imita couro a R$ 3.000.

Traseira do SUV JAC T60 Plus azul
Na traseira, lanternas são finas e interligadas Fernando Pires/Quatro Rodas

Não dá para esquecer que praticamente todos os carros seguem a regra do cobertor curto. Ou seja: para cobrir a cabeça, os pés ficam de fora. Isso significa que, para colocar novos recursos, é preciso cortar da lista alguns itens menos importantes. Talvez por isso o ajuste elétrico do banco do motorista e o sistema de câmeras com 360o tenham sido aposentados na reestilização.

Por outro lado, o novo JAC T60 oferece ajuste preciso da temperatura da cabine, saídas de ventilação para a segunda fileira e conectividade para Apple CarPlay e Android Auto. E, anteriormente, não existiam as bolsas de ar laterais e de cortina.

Painel do SUV JAC T60 Plus
Painel tem superfície macia e boa montagem de peças Fernando Pires/Quatro Rodas

Ainda há detalhes para melhorar? Com certeza! Para a próxima reestilização – ou geração –, podem incluir abertura presencial nas portas dos passageiros, rebatimento elétrico dos retrovisores externos, vidros com a função um-toque (há apenas para abertura no lado do motorista) e ajuste de profundidade para a coluna de direção.

Mas também existem qualidades que acompanham o SUV desde que chegou ao nosso mercado. Por isso, não precisa ter medo de encher o carro para viajar: há espaço para cinco adultos sem apertos e 650 litros de bagagem, contra 410 litros do Compass.

Quadro de instrumentos digital do SUV JAC T60 Plus
Quadro de instrumentos digital tem operação confusa Fernando Pires/Quatro Rodas

Já o acabamento tem boa montagem das peças e superfícies macias por todo o interior.

E, como no primeiro teste que fizemos há cerca de um ano, está muito clara a vocação do utilitário em relação ao conforto.

Central multimídia e painel do SUV JAC T60 Plus
Central ganhou nova conectividade para celulares Fernando Pires/Quatro Rodas

Por isso, não espere que a suspensão tenha acerto esportivo ou então borboletas atrás do volante para as trocas de marcha (são seis virtuais, pois o câmbio é variável CVT), já que o T60 realmente se esforça para manter a cabine isolada de todos os problemas que acontecem no mundo.

Buracos? Somente crateras abalariam a tranquilidade a bordo, que também é silenciosa graças ao bom trabalho acústico. Mas a rigidez da estrutura precisa ser aprimorada, pois há alguns ruídos de torção da carroceria em valetas, por exemplo.

Continua após a publicidade
Bancos dianteiros do SUV JAC T60 Plus
Bancos com revestimento que imita couro vem em pacote opcional Fernando Pires/Quatro Rodas

Como esse JAC não tem pretensão de vencer disputas de arrancadas, não conte com nenhuma resposta arisca de seu conjunto mecânico. Pelo contrário: as acelerações são progressivas e, na nossa pista de testes, o SUV precisou de razoáveis 11,2 segundos para chegar aos 100 km/h.

E, mesmo sem mudanças no motor ou na transmissão, o número foi um pouco melhor que no modelo anterior, 0,3 segundo mais lento.

Segunda fileira do SUV JAC T60 Plus
Há bom espaço na cabine e saída de ar na segunda fileira Fernando Pires/Quatro Rodas

Mas a principal diferença está no consumo, que piorou em relação a antes, com médias de 9,4 km/l na cidade e 12,1 km/l na estrada – eram 12,1 km/l e 14,8 km/l, respectivamente, no antecessor.

É impressionante observar a evolução do T60. E não só pelo desenho, que ganhou mais personalidade, mas por resolver problemas que enfraqueciam os argumentos de compra.

Apoio de braço com porta-copos do SUV JAC T60 Plus
Há apoio de braço com porta-copos para quem viaja atrás Fernando Pires/Quatro Rodas

Infelizmente, o futuro da JAC entre nós continua incerto, mas seu representante no país tem um plano para se estruturar no segmento de elétricos destinados a empresas e frotistas, o que pode ajudar.

Talvez esse modelo não seja a opção ideal para quem faz escolhas racionais. Prefere fugir do convencional e adora ser o centro das atenções? Então dá para colocar o T60 na lista de possibilidades sem que ninguém questione sua escolha.

Saídas de ventilação do SUV JAC T60 Plus
Segunda fileira tem duas portas USB disponíveis Fernando Pires/Quatro Rodas
  • Veredicto

    Com as qualidades que já existiam e mais itens de série, o SUV agora tem personalidade de fazer inveja à concorrência.

    Motor do SUV JAC T60 Plus
    Motor é sempre 1.5 turbo movido apenas a gasolina Fernando Pires/Quatro Rodas

    Teste

    Aceleração

    0 a 100 km/h: 11,2 s
    0 a 1.000 m: 33,1 s – 158,6 km/h
    Velocidade máxima: 195 km/h*

    Retomada

    D 40 a 80 km/h: 5 s
    D 60 a 100 km/h: 5,7 s
    D 80 a 120 km/h: 7,8 s

    Frenagens

    60/80/120 km/h – 0 m: 15,3/27,6/60,4 m

    Consumo

    Urbano: 9,4 km/l
    Rodoviário: 12,1 km/l

    Porta-malas do SUV JAC T60 Plus
    Porta-malas tem capacidade para bons 650 litros Fernando Pires/Quatro Rodas

    Ficha técnica

    Preço: R$ 121.990
    Motor: gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 16V, 1.499 cm3; 168 cv a 5.500 rpm, 21,4 kgfm a 2.000 rpm
    Câmbio: CVT com 6 marchas virtuais, tração dianteira
    Suspensão: McPherson (dianteira) e eixo de torção (traseira)
    Freios: disco ventilado (dianteiro) e disco sólido (traseiro)
    Direção: elétrica
    Rodas e pneus: liga leve, 215/50 R17
    Dimensões: comprimento, 441 cm; largura, 180 cm; altura, 166 cm; entre-eixos, 162 cm; peso, 1.365 kg; tanque, 50 l; porta–malas, 650 l

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade