Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Puma GTE tinha chassi de Brasilia, mas caiu nas graças de pilotos da F1

A mecânica simples e o desenho atraente tornaram o Puma GTE sonho de consumo e laboratório de preparação

Por Fabiano Pereira
30 dez 2023, 16h20
Puma GTE, modelo 1974, do arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes.
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Publicado originalmente em abril de 2008

O anúncio do fim da DKW-Vemag, em 1967, após a marca ter sido absorvida pela VW, transformou a alma do primeiro Puma num fantasma. A mecânica do esportivo estava com os dias contados. Entre GT Malzoni e Puma DKW, cerca de 170 exemplares foram fabricados.

A necessidade de criar uma nova base para o esportivo deu origem a um carro completamente novo. A solução encontrada estava no chassi do Karmann Ghia, encurtado em 25 centímetros. O motor boxer 1500 refrigerado a ar ganhava um carburador extra e escapamento esportivo. A fórmula rendia 60 cv e 150 km/h de máxima.

Puma GTE, modelo 1974, do arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes.
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

“A Puma estreou a carburação dupla de fábrica no Brasil, antes até da Volks”, diz Felipe Nicoliello, presidente do Puma Clube. O novo desenho mantinha-se fiel à escola italiana, mas, enquanto o Puma DKW se assemelhavam às Ferrari, o novo tinha clara influência do Lamborghini Miura.

Continua após a publicidade

Diferentemente do que muita gente pensa, assim como o GT Malzoni, o “Puma VW” foi criado pelo fazendeiro Genaro “Rino” Malzoni em sua fazenda em Matão (SP), e não por Anísio Campos. “Dei só alguns palpites”, diz Anísio.

Interior do Puma GTE, modelo 1974, do arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes.
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Em 1970, a primeira grande mudança. A Puma passa a utilizar o chassi da Brasília e troca os tambores dianteiros por discos de freios. Visualmente, as lanternas traseiras da C10 dão lugar às do Zé do Caixão.

Continua após a publicidade

Surgiram também kits Puma com diferentes comandos de válvulas e relações de marchas, conjuntos de pistão e cilindro que iam de 1.600 a 2.100 cm3, entre outros itens. Segundo Nicoliello, estima-se que se conseguia extrair de 80 a 90 cv dos motores.

Na edição de outubro de 1970 de QUATRO RODAS, um teste com seis modelos nacionais realizado pelo piloto inglês Stirling Moss incluiu o Puma GT. Moss elogiou a posição ao volante e elegeu a estabilidade como ponto alto. Outro teste coletivo viria em março de 1971. Colin Chapman e Emerson Fittipaldi criticaram os pedais de curso longo, o nível de ruído e a falta de potência, mas gostaram da estabilidade.

Continua após a publicidade
Motor do Puma GTE, modelo 1974, do arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes.
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

O primeiro teste feito pela revista veio em outubro de 1970. Era um GTE de exportação que trazia melhorias no acabamento e carburação dupla Solex 40. Com 70 cv, ele chegava a 165 km/h. O texto notava a saída de traseira e elogiava a embreagem, as respostas da direção e o consumo.

Em 1971, a linha foi enriquecida com o Puma GTE Spider, versão conversível, com teto de lona e, opcionalmente, rígido. Em 1973, os piscas dianteiros já eram embutidos, acima do pára-choque, e o painel de madeira deu lugar a um de fibra. O conversível passava a se chamar GTS.

Continua após a publicidade
Estepe do Puma GTE, modelo 1974, do arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes.
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

É também um GTE o exemplar das fotos, do arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes. Ele conta que seu GTE 1974 tem a pintura Amarelo Camber, estofamento e pneus originais. “Ele ficou parado em uma garagem por 15 anos”, diz o arquiteto. “Localizei o proprietário, irmão de um amigo, e em 2002 adquiri o Puma, que está com 13.000 quilômetros originais.”

Outros nomes marcaram a vida do Puma VW. Em 1981, o GTI e o GTC substituíram, respectivamente, o GTE e o GTS. Os pára-choques passaram a ser envolventes, mas o desempenho deixava os esportivos atrás de carros de série mais baratos.

Continua após a publicidade
puma
Puma GTE 1970. (Acervo/Quatro Rodas)

Outra revisão de estilo viria um ano mais tarde, com o P018. Com linhas mais retas e próximas do Puma GTB (seu irmão maior com mecânica de Opala), o modelo ainda usava motor VW a ar, mas com suspensão McPherson de Variant II. “Ficou mais estável, parecia um kart”, diz Nicoliello. Ar-condicionado e vidros elétricos conferiam o alento da sofisticação.

Após o fim da produção, em 1985, os Puma voltaram a ser fabricados pela Alfa Metais em 1988 ” depois de uma tentativa da Araucária S.A. “, em Curitiba, com o nome AM-1 e AM-2 (conversível). O motor AP-1600 refrigerado a água foi a maior diferença do AM-3 de 1989. Também havia um chassi tubular e bancos Recaro. Cupê e conversível, batizado de AM-4, usaram ainda o motor AP-1800. Pouco depois, em 1994, com a grande oferta importados, o Puma saía definitivamente de linha para entrar na história.

Ficha técnica – Puma GTE

  • Motor: traseiro, 4 cilindros opostos horizontalmente, refrigerado a ar, 1 584 cm3
  • Diâmetro e curso: 85,5 x 69 mm
  • Taxa de compressão: 7,8:1
  • Potência: 90 cv a 5 200 rpm
  • Torque: 13,2 mkgf a 3 000 rpm
  • Câmbio: manual de 4 marchas
  • Dimensões: comprimento, 395 cm; largura, 159 cm; altura, 114 cm; entreeixos, 215 cm; peso, 700 kg
  • Pneus: 165 SR 14 na frente e 185 SR 14 atrás

Teste QUATRO RODAS – Outubro de 1970

  • Aceleração 0 a 100 km/h – 14 s
  • Velocidade máxima – 165,89 km/h
  • Frenagem 80 km/h a 0 – 26,40 metros
  • Consumo – 8,8 a 12 km/l

Preço

Setembro de 1970 – Cr$ 28.325
Atualizado – R$ 195.210 (IGP-DI, agosto de 2020)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.