Clássicos: AM3/AM4 foi destaque na segunda fase da Puma no país

Salvo da extinção por um empresário paranaense, o esportivo resistiu o quanto pôde à concorrência dos importados

Último Puma com motor traseiro, o AM4 durou menos de um ano

Último Puma com motor traseiro, o AM4 durou menos de um ano (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Puma foi um dos fabricantes nacionais de maior sucesso nas décadas de 60 e 70. Afetada pela recessão, a empresa fechou as portas e teve os direitos de produção transferidos à Alfa Metais em 1987.

Dois anos depois, o empresário Níveo de Lima, de Curitiba, apresentou o AM3, cuja principal novidade era o motor VW AP de 1,6 litro, refrigerado a água.

Evolução dos Puma P-018 e AM1/AM2 refrigerados a ar, o AM3 manteve a plataforma Volkswagen, modificada com um subchassi para suportar o novo motor.

A refrigeração era favorecida por tomadas de ar nas laterais, que direcionavam o fluxo para o enorme radiador do VW Santana.

Lanternas do Monza Classic e painel traseiro com falsas saídas de ar

Lanternas do Monza Classic e painel traseiro com falsas saídas de ar (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Além dos 10 cm a mais no balanço traseiro, a alteração de estilo mais significante foi a adoção das lanternas fumês do Chevrolet Monza Classic. A refrigeração era reforçada por uma saída de ar quente na tampa do motor.

As maçanetas das portas vinham de outro modelo da GM: o Opala.

O interior continuava o mesmo: razoável para dois adultos. O espaço atrás dos bancos era o único local possível para acomodar a bagagem, em função do novo tanque de combustível dianteiro de 45 litros.

Agradava pela opção do ar-condicionado e por itens como volante Panther e bancos Recaro.

O AM4 recebeu novo instrumento: termômetro de água

O AM4 recebeu novo instrumento: termômetro de água (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O déjà-vu dianteiro ratificava a hegemonia da escola italiana de desenho, com capô baixo, faróis inseridos nos para-lamas e para-choque quase reto.

Era uma atualização muito feliz de um estilo com mais de 20 anos, com curvas suavizadas. Ao contrário do P-018, as rodas tinham sempre o mesmo diâmetro: 14 polegadas.

Referência na época, o motor AP-600 acrescentava 24 cv na versão a gasolina e 34 cv na configuração a álcool. O problema era o limitado velho câmbio Volkswagen de apenas quatro marchas, com escalonamento inadequado para um esportivo.

Pesando 235 kg a mais que o antecessor GTE, o AM3 acelerou no nosso teste de 0 a 100 km/h em 14,1 segundos, com máxima de 158,9 km/h.

No volante, a marca da fera

No volante, a marca da fera (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ironia do destino ou não, o fato é que era um esportivo econômico: fez 10,61 km/l na cidade e 15,22 km/l na estrada, vazio.

Maior, mais pesado e com o centro de gravidade mais elevado, o novo motor também comprometeu o equilíbrio do veículo em dias de chuva: nada menos que 71% estava concentrado sobre o eixo traseiro.

Mesmo com suas limitações dinâmicas, o AM3 era um esportivo divertido: sua direção era leve e precisa e os eficientes freios paravam o carro em espaços curtos.

O Puma paranaense não era tão equilibrado quanto o mineiro Farus Beta (com motor central-traseiro), mas superava o gaúcho Miura Top Sport de tração dianteira. O conversível mantinha o nome AM3.

Conta-giros vai sem esforço a 6.000 rpm

Conta-giros vai sem esforço a 6.000 rpm (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O último suspiro do felino foi em 1992: denominado AM4, recebeu o motor VW AP de 1,8 litro do Santana.

Os destaques eram aerofólio traseiro, tomadas de ar redimensionadas com aletas na cor da carroceria, radiador com duas ventoinhas, novas rodas de liga leve e acionamento elétrico dos vidros e espelhos retrovisores.

Já prejudicada pela briga com os importados, a Alfa Metais sofreu um golpe em 1993, com a morte de Níveo de Lima num acidente de carro – o exemplar das fotos integra o acervo de um colecionador paulistano e é uma das últimas unidades feitas naquele fatídico ano.

A memória dos Puma AM é preservada por clubes e fãs como o tricampeão Nelson Piquet, que tem um exemplar modificado.

O popular motor VW AP de 1,6 litro

O popular motor VW AP de 1,6 litro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Como na lenda folclórica da onça maneta, o legado da Puma ainda resiste: a Sociedade de Automóveis Mesgaferre Ltda. tem planos adiantados para fabricar o GT 2.4 Lumimari.

TESTE
Maio de 1989

Aceleração: 0 a 100 km/h: 14,10 s

Velocidade máxima: 158,9 km/h

Consumo: 10,61 km/l (urbano) e 15,22 km/l (rodoviário)

Preço: Cz$ 26.000 (abr/89
Atualizado:  R$ 180.100 (INP-C/IBGE)

FICHA TÉCNICA
Puma AM4 1993

Motor: longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.596 cm3, comando de válvulas no cabeçote, alimentação por carburador de corpo duplo; 90 cv a 5.600 rpm; 13,5 mkgf a 2.600 rpm
Câmbio: manual de 4 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 410 cm; largura, 165 cm; altura, 120 cm; entre-eixos, 215 cm; peso, 905 kg

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s