O que são as duas marcações gravadas no disco de freio?

Estes furos no disco de freio foram introduzidos na linha nacional da Volkswagen a partir da terceira geração do Gol

Orifícios no disco de freio que indicam a necessidade ou não da troca do disco

Orifícios no disco de freio que indicam a necessidade ou não da troca do disco (Divulgação/Volkswagen)

Por que o disco de freio da SpaceCross tem duas marcações gravadas na superfície de contato com as pastilhas? – Maurício Rotundo, Santa Fé do Sul (SP)

Esses dois furos servem como indicadores de desgaste do disco e foram introduzidos na linha nacional da Volkswagen com a terceira geração do Gol, em 2008.

Quando o primeiro furo sumir, é sinal de que chegou a hora de trocar as pastilhas, enquanto o segundo alerta é o momento da troca do disco.

Desmonte C4 Lounge As pastilhas geralmente emitem um ruído característico nas frenagens quando estão gastas

As pastilhas geralmente emitem um ruído característico nas frenagens quando estão gastas (Arquivo/Quatro Rodas)

Vale ressaltar que danos como empenamento (quando o disco sofre um choque térmico, como ao passar por poças d’água após uso intenso) ou danos provocados por pastilhas desgastadas podem antecipar a troca do disco.

 

Enquanto os furos não são tão comuns, a maioria dos modelos possuem um indicador de desgaste das pastilhas, que aciona uma luz-espia no painel.

Um ruído metálico ao frear também pode ser um indicativo de que as pastilhas chegaram ao final de sua vida útil.

Em alguns casos é possível trocar as pastilhas e manter o disco, desde que ainda tenha material de desgaste, esteja dentro da tolerância mínima, e que haja o aval da fabricante (que normalmente exige a retífica do disco) nos manuais de revisão e reparo.

Fazer o contrário, porém, é garantia de prejuízo: pastilhas gastas podem danificar os discos de forma irreversível e aumentar os custos com a manutenção.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Carlos Scire

    Alo redação da 4 Rodas,
    Gostaria de informar que suas informações a respeito do componente Disco de Freio mencionados nesta matéria merecem um pouco mais de detalhes a respeito , principalmente o fator conceitual.
    Fui o idealizador das indicações de desgaste do disco de freio, patenteado com o nome “Visual Cheque”.
    Seria interessante rever seu texto pois não existem furos no Disco de Freio, mas sim rebaixos dimensionalmente projetados através de cálculos e analises experimentais cuja finalidade é facilitar a visualização do momento necessário para se efetuar a substituição dos Discos de Freio. Ou seja a inspeção pode até ser feita sem remoção dos aros de roda, facilitando muito a identificação do momento necessário para se efetuar a troca dos Discos de Freio. Quando estes rebaixos sumirem por completo se faz então a necessidade de trocar o Disco, dispensando a necessidade de controles dimensionais com Micrômetros. Este conceito foi desenvolvido para redução de tempo de serviços nas oficinas, ou mesmo por simples usuários que se preocupam em ter uma manutenção preventiva devidamente sob controle.
    Fico a disposição para demais esclarecimentos que se fizerem necessários.
    Carlos Scire – Engenheiro de Aplicação especializado em Sistemas de Freio.