Clique e assine por apenas 8,90/mês

Volvo XC60: motor diesel para tentar desbancar o Discovery Sport

Testamos a novidade com 235 cv de potência que desembarca no Brasil com preços de R$ 275.950 a R$ 289.950

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 6 set 2018, 16h56 - Publicado em 29 ago 2018, 13h17
Versão de entrada do XC60 não tem frisos e grade cromada Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

O atual Volvo XC60 chegou ao Brasil há um ano, só que as versões com motor turbodiesel (D5) desembarcaram agora: Momentum, de R$ 275.950, e Inscription, de R$ 289.950.

A mais cara inclui alertas de ponto cego e de colisão traseira, rodas aro 20, porta-malas com acionamento elétrico, grade e frisos cromados, além de banco com mais ajustes.

Como já adiantamos, essa é parte dos planos da marca para superar as vendas do rival Land Rover Discovery Sport no Brasil – e uma opção híbrida está prevista para este ano.

E boa sorte ao tentar reconhecer o SUV com o novo conjunto mecânico: apenas o emblema na tampa traseira entrega o propulsor com 235 cv de potência e 48,9 mkgf de torque.

Continua após a publicidade
No visual, só o emblema D5 na traseira revela a motorização turbodiesel Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Mas quem disse que isso é ruim? Aliás, quase tudo continua igual também na parte de dentro, com exceção do conta-giros com limite menor que nas configurações a gasolina.

Na cabine, há revestimento suave ao toque por todos os lados e bancos que, apesar do foco no conforto, têm ótimos apoios laterais que parecem emprestados de algum esportivo.

Revestimento de couro no painel só está disponível na versão Inscription mais cara Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Dada a partida no botão, o motor a diesel desperta discreto como se fosse movido a gasolina (e, nesse quesito, o XC60 leva vantagem até do Discovery Sport, bem mais ruidoso).

A suspensão não é do tipo maniqueísta (dura como pedra ou macia como pudim). Na cidade, é capaz de absorver boa parte dos buracos e, no máximo, transmite uma batida seca.

Continua após a publicidade
Apesar das rodas aro 19, a suspensão absorve bem os buracos das ruas Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Já a velocidades elevadas contém os 1.990 kg do SUV nas curvas e garante uma boa sensação de estabilidade, no que ajuda a direção elétrica leve em manobras e firme na estrada.

Além disso, o sistema de tração integral sob demanda – normalmente, 90% do torque vai às rodas dianteiras, mas até 50% pode ser enviado às traseiras – auxilia a boa dinâmica.

Assentos infantis embutidos vêm de série na linha 2019 do SUV Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Há também um seletor com cinco modos de condução (Comfort, Efficiency, Dynamic, Off-road e Individual). Na prática, há pouca diferença entre as diferentes personalidades.

Durante nossos testes em pista, o XC60 precisou de 8,8 segundos para chegar aos 100 km/h, enquanto o consumo foi de 10,8 km/l na cidade e de 13,9 km/l na estrada.

Continua após a publicidade
Tela sensível ao toque de 9 polegadas substitui botões físicos do painel Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Na opção Efficiency o quadro de instrumentos muda e o conta-giros dá lugar a um indicador de (pasmem) eficiência. Mas, independentemente do modo, o limite de giros é de 4.500 rpm.

No fim das contas, esse é apenas um detalhe e não deverá chamar a atenção o consumidor comum, diferentemente da ausência das borboletas atrás do volante para trocas de marchas.

Porta-malas comporta 505 litros, mas não tem abertura elétrica da tampa Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

E quem quiser controlar o câmbio de oito marchas deverá apelar à alavanca (e ver as trocas acontecerem sempre que o ponteiro do conta-giros toca a linha vermelha).

Nesse caso, há duas opções: se incomodar por não ter comprado um modelo esportivo ou aproveitar a lista de equipamentos bem recheada, com direito a teto panorâmico.

Continua após a publicidade
Faróis de led direcionais vêm em todas as versões do SUV Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Ainda há câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, faróis adaptativos com iluminação por leds e freio de estacionamento elétrico com função Brake Hold.

Some isso aos diversos recursos de segurança e você provavelmente nem se frustrará com a chave mais simples dessa versão – que precisa ser tirada do bolso para destravar as portas.

Chave na versão Momentum é mais simples e presencial para partida Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Se preferir tranquilidade, o XC60 oferece controle de velocidade adaptativo e condução semiautônoma capaz de controlar a direção a até 130 km/h de série em todas as versões.

Também há ar-condicionado digital com duas zonas e saídas de ventilação para quem viaja atrás. Na segunda fileira, só quem viajar no meio poderá reclamar falta de conforto.

Continua após a publicidade
Na segunda fileira, as saídas de ventilação ficam nas colunas Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Com bons 2.86 m de entre-eixos, passageiros de 1,80 m terão quase dois palmos de espaço para joelhos em relação aos bancos dianteiros (caso o motorista tenha a mesma altura).

O porta-malas tem capacidade para 505 litros – o compartimento é mais largo e não tão alto. Há ganchos para fixação na base, nicho com rede para objetos pequenos e saída 12V.

Teste

Aceleração de 0 a 100 km/h: 8,8 s
Aceleração de 0 a 1.000 m: 29,7 s – 178,8 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h: 3,8 s (em D)
Retomada de 60 a 100 km/h: 4,7 s (em D)
Retomada de 80 a 120 km/h: 5,9 s (em D)
Frenagens de 60/80/120 km/h a 0: 14,1/23,9/54,8 m
Consumo urbano: 10,8 km/l
Consumo rodoviário: 13,9 km/l

Ficha técnica – Volvo XC60 D5 Momentum

Preço: R$ 275.950
Motor: diesel, diant., transv., 4 cil., 1.969 cm3; 82 x 93,2 cm3; DOHC, 16V, turbocompressor, injeção direta, 235 cv a 4.000 rpm, 48,9 mkgf de 1.750 rpm
Câmbio: automático, 8 marchas, tração integral
Suspensão: duplo A (diant.) / multilink (tras.)
Freios: discos ventilados (diant.), sólidos (tras.)
Direção: elétrica; 3,1 voltas
Rodas e pneus: 235/55 R19
Dimensões: comprimento, 468,8 cm; altura, 165,8 cm; largura, 190,2 cm; entre-eixos, 286,5 cm; peso, 1.990 kg; tanque, 71 l; porta-malas, 505 l

Publicidade