Clique e assine por apenas 8,90/mês

Teste: Chevrolet Onix turbo é bem mais divertido com câmbio manual

Hatch fica muito mais divertido de dirigir quando alia o motor três-cilindros turbinado de 116 cv ao câmbio manual de seis marchas

Por Leonardo Felix - 27 abr 2020, 07h00
Versão LTZ tem faróis com canhão halógeno monoparábola. Luzes de neblina vêm como acessório Fernando Pires/Quatro Rodas

A agilidade é um dos principais trunfos do novo Chevrolet Onix hatch.

Mas, na versão LTZ com câmbio manual, a união do motor 1.0 turbo com injeção indireta e a caixa de seis marchas mais sua carroceria leve – menos de 1.100 kg – torna a receita um pouco mais divertida.

Uma opção instigante para quem gosta de esportividade e de ter mais “intimidade” com seu carro através das trocas de marcha.

Nesta versão, lanternas traseiras não têm guias de led. Rodas de liga são de série, mas acabamento escurecido é acessório Fernando Pires/Quatro Rodas

Na prova de 0 a 100 km/h, o Onix LTZ fez o tempo de 10,1 segundos – foi 0,5 s mais rápido que o Premier automático.

Continua após a publicidade

Infelizmente, não há parâmetro de consumo da versão automática, mas a configuração manual alcançou bons resultados nas simulações urbana e rodoviária.

A sensação esportiva é acentuada pela direção elétrica precisa e pelo volante com aro pequeno e boa empunhadura, e também pelas suspensões firmes, que seguram a inclinação do veículo nos contornos de curvas.

Acabamento não é bicolor como no Onix Premier Fernando Pires/Quatro Rodas

É claro que nem tudo são flores. Os freios não proporcionam respostas tão diretas – a sensação é de um pedal “anestesiado” nos primeiros milímetros de pisada.

Os pneus possuem banda de rodagem com menos de 20 cm de largura, o que deixa o modelo menos assentado numa estrada, seja em linha reta em velocidades mais altas, seja ao esterçar.

Continua após a publicidade
Nesta versão, bancos vêm revestidos com tecido Fernando Pires/Quatro Rodas

Os bancos dianteiros, inteiriços, têm abas laterais e encosto para pernas curtos, apoiando pouco o corpo do motorista nas curvas.

O acabamento é simples, predominado por plástico rígido e tecido, e o isolamento acústico se mostra limitado na absorção de barulhos, especialmente das suspensões.

Câmbio tem seis marchas para o motorista selecionar Fernando Pires/Quatro Rodas

Nada disso incomoda tanto quanto o baú com apoio de braço no console central: além de pouco ergonômico, atrapalha as trocas de marcha. Por outro lado, o propulsor vibra suave para um três-cilindros e transfere pouco ruído à cabine.

Por R$ 63.450, o Onix LTZ turbo manual traz de série: seis airbags, controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de rampa, chave presencial e rodas de liga leve.

Continua após a publicidade
Partida por botão é um dos mimos mais sofisticados da versão Fernando Pires/Quatro Rodas

Por dentro, há banco do motorista com ajuste de altura, volante com altura e profundidade reguláveis, central de 7 polegadas com projeção de celulares, carregador de celular sem fio e Wi-Fi a bordo, além de ar-condicionado, vidros, travas e retrovisores elétricos.

A pintura metálica Laranja Tiger, presente na unidade fotografada, vem sem custo adicional, assim como também metálica Preto Ouro Negro. A branca sólida sai por R$, enquanto as metálicas prata e vermelha custam R$ 1.590.

Veredicto

O Onix manual agrada quem gosta de respostas rápidas e faz questão de trocar as marchas, sem gastar muito.

Teste – Onix 1.0 Turbo LTZ Manual

Aceleração
0 a 100 km/h: 10,1 s
0 a 1.000 m: 31,1 s – 170,1 km/h
Velocidade máxima: 187 km/h (dado de fábrica)

Retomada
40 a 80 km/h (3ª): 6,4 s
4ª 60 a 100 km/h (4ª): 8,8 s
5ª 80 a 120 km/h (5ª): 12,7 s

Frenagens
60/80/120 km/h – 0 m: 13,3/23,9/52,8 m

Consumo
Urbano: 13,9 km/l
Rodoviário: 16,8 km/l

Ficha técnica – Onix 1.0 Turbo LTZ Manual

  • Preço: R$ 63.450
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros, turbo, 999 cm³, 74 x 77,5, 12V, DOHC, 10,5:1, 116 cv a 5.500 rpm, 16,8/16,3 kgfm a 2.000 rpm
  • Câmbio: manual, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteiro) / tambor (traseiro)
  • Direção: elétrica; diâmetro de giro, 10,6 m
  • Rodas e pneus: liga leve, 185/65 R15
  • Dimensões: comprimento, 416,3 cm; largura, 174,6 cm; altura, 147,1 cm; entre-eixos, 255,1 cm; altura livre do solo, 12,8 cm; peso, 1.075 kg; tanque, 44 litros; porta-malas, 275 litros

Publicidade