Clique e assine por apenas 8,90/mês

Novo Chevrolet Tracker: GM descobriu duas falhas antes de iniciar vendas

Empresa enviou dois boletins de reparo às concessionárias: um envolve o risco de o para-brisas trincar; outro, o acabamento do airbag do passageiro

Por Henrique Rodriguez e Waldez Amorim - 23 mar 2020, 19h34
Christian Castanho/Quatro Rodas

A Chevrolet comunicou sua rede de concessionárias sobre o que chama de “atualização de estoque” para o novo Chevrolet Tracker.

Conforme antecipado pelo FlatOut, a fabricante solicita a verificação e eventual substituição do para-brisas da versão Premier e a verificação do acabamento que protege o airbag do passageiro, neste caso em todas as versões.

Neste último caso, o alojamento do airbag não estaria travado corretamente no acabamento que esconde o airbag (que a Chevrolet chama de almofada). 3.662 unidades estariam envolvidas.

Boletim para verificação do airbag do passageiro é do dia 17 de março, véspera do lançamento do Tracker Reprodução/Quatro Rodas

A inspeção envolve desmontar o porta-luvas e a lateral do painel para que seja inserida uma câmera dentro do painel e, então, verificar as travas que seguram o airbag em sua posição.

Essa inspeção leva meia hora, mas caso seja necessário corrigir a posição do airbag o procedimento levará pouco mais de três horas para ser concluído.

Comunicado mostra como deve estar a instalação do airbag Reprodução/Quatro Rodas

O segundo problema afeta 1.713 unidades da versão Premier, que também precisarão passar pelo primeiro procedimento.

Continua após a publicidade

Equipamentos exclusivo da versão topo de linha, a frenagem autônoma de emergência em baixa velocidade, o alerta de colisão e o monitor de distância para o carro da frente dependem de uma câmera instalada no para-brisas, por trás do retrovisor externo, para funcionar.

Boletim para as versões Premier foi o primeiro disparado pela Chevrolet Reprodução/Quatro Rodas

Acontece que alguns pinos do suporte de fixação da câmera podem ter sido retrabalhados durante a montagem. Nestes casos, podem acabar provocando uma trinca espontânea no para-brisas.

A inspeção dos pinos exige a desmontagem de todo o acabamento do local, do retrovisor e da câmera.

Se algum dos pinos apresentar acabamento irregular na cola usada para fixá-los, o que indica um reposicionamento deles durante a instalação, será necessário trocar o para-brisas – o que leva duas horas, de acordo com a fabricante.

Desenhos exemplificam a correta instalação dos pinos da câmera Reprodução/Quatro Rodas

O procedimento também inclui uma reprogramação da câmera. Ela entra em modo de aprendizado, o que exige que o técnico dê uma volta com o carro para que o sistema seja executado.

A Chevrolet reforça que os dois boletins, emitidos em 13 e 17 de março (antes do lançamento do Tracker, portanto), sejam aplicados aos carros antes de sua entrega aos proprietários.

Christian Castanho/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade