Teste: novo Chevrolet Tracker Premier 1.2 dribla limitações do Onix

SUV compacto tem bancos mais confortáveis, acabamento melhor e equipamentos exclusivos, além do motor 1.2 turbo exclusivo

SUV compacto tem faróis estreitos que com elementos internos que prolongam a grade

SUV compacto tem faróis estreitos que com elementos internos que prolongam a grade (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Semelhanças entre o Onix e a nova geração do Chevrolet Tracker são inevitáveis, até porque ambos são baseados na plataforma GEM, desenvolvida na China em parceria com a SAIC.

Mas o SUV compacto estreia agora com sistemas, equipamentos e até motor exclusivo – e inédito.

Nosso primeiro contato com o novo Tracker ocorreu justamente com a versão topo de linha, Premier 1.2, de exatos R$ 112.000, que concentra tudo que há de exclusivo no SUV compacto.

Agora as lanternas traseiras são horizontais e ficam na base do vidro traseiro

Agora as lanternas traseiras são horizontais e ficam na base do vidro traseiro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O principal é o novo motor três-cilindros 1.2 turbo da família CSS Prime. Por fora ele é praticamente igual ao 1.0 de 116 cv e 16,8 kgfm que estreou no Onix, e que também está nas versões mais em conta do Tracker.

Vinco que começa na lanterna deixa o Tracker com aspecto musculoso

Vinco que começa na lanterna deixa o Tracker com aspecto musculoso (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Mas o virabrequim modificado para aumentar o curso dos pistões (que também são maiores), o cabeçote próprio e o turbocompressor exclusivo ajudaram a alcançar os 133 cv e 21,4 kgfm com etanol e 132 cv e 19,4 kgfm com gasolina.

Isso mesmo mantendo o sistema de injeção multiponto convencional – a injeção direta ficou no passado, com o motor 1.4 turbo de 153 cv agora restrito ao Cruze.

Por fora o novo motor 1.2 é praticamente igual ao 1.0

Por fora o novo motor 1.2 é praticamente igual ao 1.0 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Coxins e suportes do motor também parecem iguais, mas seu material (ou a pressão do fluido, no caso dos coxins hidráulicos) muda para lidar com as vibrações específicas do motor com deslocamento maior.

Essa preocupação mostra seu valor principalmente nas saídas, quando o Tracker 1.2 se revela sensivelmente mais suave que um Onix. E olha que o câmbio automático de seis marchas é comum aos dois.

Painel tem console central voltado para o motorista

Painel tem console central voltado para o motorista (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Significa também que não foi desta vez que o SUV compacto ganhou borboletas para trocas sequenciais e que os botões na alavanca de câmbio perderam esta função.

Agora, servem apenas para limitar o número de marchas que podem ser usadas em modo L – útil para usar o freio-motor em longas descidas, por exemplo, mas que não serve para o motorista impôr suas vontade nas trocas de marcha.

Volante é o mesmo do Onix, mas painel de porta do Tracker tem alça

Volante é o mesmo do Onix, mas painel de porta do Tracker tem alça (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A sensação de sobra de potência que se sentia no antigo Tracker passou. Mas o motor 1.2 turbo tem o mérito de fazer o SUV embalar sem grande esforço.

O câmbio responde rápido nas retomadas e consegue explorar o motor até além das 6.000 rpm, se necessário, sem sofrimento.

No Tracker, central MyLink tem tela de 8 polegadas

No Tracker, central MyLink tem tela de 8 polegadas (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O pique do 1.2 diminui um pouco conforme a velocidade avança além dos três dígitos. Frente aos rivais com motores aspirados na faixa de potência, porém, a disposição extra proporcionada pelo turbo faz uma boa diferença.

Bancos dianteiros são grandes e confortáveis; carona não tem ajuste de altura do cinto de segurança

Bancos dianteiros são grandes e confortáveis; carona não tem ajuste de altura do cinto de segurança (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Em nossos testes de pista, sempre abastecido com gasolina, o Tracker Premier chegou aos 100 km/h em 10,1 s, contra os 9,4 s do Tracker antigo com motor 1.4 turbo. O consumo ficou em 11,5 km/l em ciclo urbano e 13,8 km/l no rodoviário, o que representa melhora apenas na cidade, onde o antigo Tracker fazia 10,3 km/l.

Na estrada, praticamente empatava, com 14 km/l. A nova geração tem o peso a seu favor: com 1.271 kg é 142 kg mais leve na comparação entre as versões Premier.

Também houve um esforço para manter a aerodinâmica no mesmo patamar. O novo Tracker não está 5 cm mais baixo apenas para ficar mais invocado, mas para romper o ar com mais facilidade.

Isso também explica a existência de pequenos defletores nas molduras das caixas de roda traseiras e grandes direcionadores de ar à frente das rodas dianteiras – que reduzem o vão livre a 15,7 cm.

Banco traseiro é confortável e o espaço para as pernas cresceu bastante

Banco traseiro é confortável e o espaço para as pernas cresceu bastante (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O acerto dinâmico representa uma evolução e tanto. O Tracker que vinha do México não era ruim de curvas, mas a suspensão tinha pouco curso, não filtrava tão bem as imperfeições do piso e batia seco ao passar por buracos.

Agora nacional, o Tracker filtra boa parte das imperfeições e o conjunto tem curso suficiente para não bater seco ao passar por lombadas, por exemplo.

Se sai até melhor que o Onix, que sofre um pouco com a pressão de 35 psi (mesma do Tracker) em seus pneus aro 16.

O lado bom é que esse compromisso com conforto não comprometeu o comportamento em curvas: a carroceria continua inclinando pouco e segue bem controlada mesmo no limite.

Teto solar panorâmico com abertura elétrica é de série no Tracker Premier

Teto solar panorâmico com abertura elétrica é de série no Tracker Premier (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Dois itens exclusivos do Tracker merecem crédito por isso. Um é mecânico, o subchassi dianteiro com mais pontos de fixação e uma barra de amarração à frente do conjunto para aumentar sua rigidez – e a precisão ao volante.

O outro é eletrônico, o bloqueio eletrônico do diferencial dianteiro, que a GM chama de Torque Vectoring by Brake, que atua nos freios para ajustar a distribuição de torque nas rodas dianteiras com o objetivo corrigir a trajetória no limite da aderência. Também funciona para adiar a entrada do controle de estabilidade.

Há uma porta USB dianteira e duas traseiras, como nos Onix.

Há uma porta USB dianteira e duas traseiras, como nos Onix. (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A habitabilidade melhorou e o conforto também. Os balanços dianteiro e traseiro parecem grandes, mas o comprimento do carro aumentou meros 2 cm, chegando a 4,27 m.

Quase todo esse ganho foi repassado ao entre-eixos, que cresceu 1,5 cm na comparação com o antigo Tracker e é 1,9 cm maior que o do Onix, mas na prática o aumento de espaço para as pernas no banco traseiro foi de bons 7,4 cm.

 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O porta-malas de 306 litros era acanhado, mas passou a 393 l contando com o compartimento de 36 l que existe para deixar o porta-malas plano quando a segunda fileira for rebatida – o que aumenta a capacidade a 1.278 litros.

Faróis full-led também são exclusivos da versão topo de linha

Faróis full-led também são exclusivos da versão topo de linha (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A habitabilidade melhorou e o conforto também. Os bancos dianteiros do Tracker parecem poltronas perto dos do Onix. Além de ter encosto de cabeça com ajuste de altura, tem assento mais comprido, com suporte melhor para as pernas e encosto mais largo.

Na versão Premier, o vinil que reveste os bancos tem tom de azul, que também aparece em grande área das portas e na faixa central do painel, que acaba sendo a única superfície com toque macio em meio aos plásticos rígidos.

Leds no para-choque têm função de seta na versão mais cara do Tracker

Leds no para-choque têm função de seta na versão mais cara do Tracker (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O console central do Tracker não é simétrico como no Onix, mas levemente voltado para o motorista. Em destaque no topo, a central MyLink tem tela maior, de oito polegadas e não sete, como no resto da família de compactos.

As saídas de ar centrais também são maiores. Para completar, o trilho do câmbio é emoldurado por acabamento em preto brilhante.

A placa desceu da tampa do porta-malas para o para-choque

A placa desceu da tampa do porta-malas para o para-choque (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Volante e mostradores analógicos do quadro de instrumentos vieram do Onix, mas o Tracker Premier tem tela colorida para o computador de bordo. Isso pode soar moderno, mas a peça parece arcaica perto de rivais que possuem quadros mais atuais e com resolução melhor, sejam parcial ou totalmente digitais.

Há outros equipamentos exclusivos da versão topo de linha, caso do indicador de distância para o carro da frente, da frenagem autônoma de emergência em baixa velocidade e do sistema de monitoramento de pressão dos pneus.

Só a versão Premier tem lanternas com assinatura de leds

Só a versão Premier tem lanternas com assinatura de leds (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Tracker Premier também é o único com teto solar panorâmico com abertura elétrica, rodas aro 17 diamantadas (de cinco furos, diga-se), lanternas de leds e os faróis full-led, que integram as luzes diurnas e as luzes de conversão em manobras.

Estas não ficam em peças à parte no conjunto óptico dianteiro, como em outros carros, mas sim localizado na área interna dos faróis, e têm foco direcionado para as laterais do carro.

Já as linhas de led verticais para-choque, que são as luzes diurnas nas outras versões, assumem a função de seta no Premier. A cor Azul Power das fotos também é exclusiva da versão, mas custa tanto quanto as outras metálicas: R$ 1.600.

Porta-malas tem capacidade de 393 litros

Porta-malas tem capacidade de 393 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Se com o Onix a estratégia da Chevrolet foi apostar em pacote de equipamentos farto e preço abaixo da maioria dos concorrentes, o Tracker tem proposta mais ousada.

A lista de equipamentos até é interessante, como você verá a seguir. Contudo, o degrau de preços entre as versões é maior e cada uma delas está perfeitamente alinhada com as versões mais badaladas de Jeep Renegade e Volkswagen T-Cross, os SUVs compactos mais vendidos do Brasil nos últimos tempos.

É possível guardar o tampão no compartimento inferior de 36 litros

É possível guardar o tampão no compartimento inferior de 36 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os alvos não foram escolhidos por acaso: a Chevrolet prevê que até o final do ano a fábrica de São Caetano do Sul (SP) terá capacidade suficiente para alçar seu SUV compacto ao pódio do segmento.

Se a estratégia da GM for acertada, desta vez o Tracker não será mero coadjuvante.

Teste – Chevrolet Tracker Premier 1.2 AT

Aceleração
0 a 100 km/h: 10,1 s
0 a 1.000 m: 31,4 s – 165,4 km/h

Velocidade máxima
N/D

Retomada (em D)
40 a 80 km/h: 4,5 s
60 a 100 km/h: 5,7 s
80 a 120 km/h: 7 s

Frenagens
60/80/120 km/h – 0 m: 14,7/25,7/59,1 m

Consumo
Urbano: 11,5 km/l
Rodoviário: 13,8 km/l

Ficha técnica – Tracker Premier 1.2

  • Preço: R$ 112.000
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros em linha, turbo, 1199 cm³; 12V, 75 x 90,5 mm, 10,5:1, 133/132 cv a 5.500 rpm, 21,4/19,4 kgfm a 2.000 rpm
  • Câmbio: automático, seis marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteiro), eixo de torção (traseiro)
  • Freios: disco ventilado (dianteiro), tambor (traseiro)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 215/55 R17
  • Dimensões: comp., 427 cm; larg. 179,1 cm; alt., 162,6 cm; entre-eixos, 257 cm; peso, 1.271 kg; tanque, 44 l; porta-malas, 393 l; vão livre do solo, 15,7 cm; ângulo de ataque, 17°; ângulo de saída, 28°; capacidade de carga, 410 kg

Versões, equipamentos e preços do Chevrolet Tracker 2021

Tracker 1.0 turbo Manual

Tracker 1.0 turbo Manual (Reprodução/Chevrolet)

Tracker 1.0 turbo Manual – R$ 82.000 

Seis airbags; controles de estabilidade e tração com assistente de rampas; alarme; chave canivete; conjunto óptico dianteiro com projetor nos faróis (incluindo regulagem de altura do facho), luzes de neblina e luzes diurnas de led; grade frontal com detalhes em prata; maçanetas externas pretas e internas prateadas; barras longitudinais de teto pretas; rodas de liga leve aro 16; travas, vidros, retrovisores e direção elétricos; ar-condicionado manual; volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade; banco do motorista com regulagem de altura; controle de cruzeiro; computador de bordo digital de 3,5″ com indicador de troca de marcha; aviso sonoro de uso de cintos dianteiros e traseiros; cintos dianteiros com pré-tensionadores e ajuste de altura; sensores traseiros de estacionamento; bancos de tecido; central MyLink de 8 polegadas com projeção de celulares Android e Apple, Bluetooth para até dois celulares, entrada USB dianteira e traseira, seis alto-falantes e ponto de Wi-Fi nativo para até sete celulares simultâneos.

Tracker 1.2 turbo AT

Tracker 1.2 turbo AT (Reprodução/Chevrolet)

Tracker 1.2 turbo AT – R$ 90.500

Acrescenta ao pacote anterior: start/stop.

Tracker LT 1.0 turbo AT

Tracker LT 1.0 turbo AT (Reprodução/Chevrolet)

Tracker LT 1.0 turbo AT – R$ 89.990

Acrescenta ao pacote anterior: adesivo preto na coluna B; grade dianteira com detalhes cromados; maçanetas externas na cor do veículo; rack de teto na cor prata; câmera de ré; chave com sensor presencial; partida do motor por botão; star-stop; capas dos retrovisores externos na cor do veículo; luzes internas individuais para motorista e passageiro.

Tracker LTZ 1.2 turbo AT

Tracker LTZ 1.2 turbo AT (Reprodução/Chevrolet)

Tracker LTZ 1.2 turbo AT – R$ 99.900

 Acrescenta ao pacote anterior: alerta de ponto cego; rodas de liga leve aro 17; volante com revestimento que simula couro; faróis e limpadores de para-brisa com acendimento automático; bancos com revestimento parcial que simula couro junto ao tecido.

Tracker Premier 1.2 turbo AT

Tracker Premier 1.2 turbo AT (Reprodução/Chevrolet)

Tracker Premier 1.2 turbo AT – R$ 112.000

 Acrescenta ao pacote anterior: alerta de colisão frontal com frenagem automática emergencial; faróis com projetor de led e luzes auxiliares de conversão e manobras; lanternas traseiras de led; maçanetas externas com detalhes e internas totalmente cromadas; para-choques com apliques em prata fosco; rodas aro 17 com desenho exclusivo; indicador de distância para o veículo à frente; monitoramento de pressão dos pneus; frisos cromados na base dos vidros laterais; ar-condicionado automático e digital; carregador de celular sem fio; assistente automático de estacionamento; descansa-braço traseiro com dois porta-copos; retrovisores externos com luz de seta integrada; computador de bordo colorido; bancos revestidos totalmente de material que simula couro; acabamento interno bicolor nas cores preta e azul; teto solar panorâmico.

Tracker PcD 1.0 AT

Tracker PcD 1.0 AT (Reprodução/Chevrolet)

Tracker 1.0 turbo PcD AT – R$ 70.000 (antes das isenções)

Seis airbags; alarme anti-furto; assistente de partida em rampa; controle de estabilidade e tração; faróis e lanternas de neblina; indicador de nível de vida do óleo; luz de condução diurna; regulagem de altura dos faróis; sistema de fixação de cadeiras para crianças Isofix e Top Tether; sistema de distribuição de frenagem (EBD); maçanetas internas na cor prata e externas na cor do veículo; ar-condicionado manual; direção com regulagem de altura e profundidade; direção elétrica progressiva; trava elétrica das portas com acionamento na chave; vidros elétricos com sistema “um toque”, anti esmagamento e fechamento/abertura automática pela chave; central multimídia MyLink com tela de 8 polegadas e compatibilidade com Android Auto e Apple CarPlay; painel de instrumentos digital; volante multifuncional; câmera de ré; piloto automático; sistema start-stop e Easy Start (partida sem chave).

Em um primeiro momento haverá um  pacote promocional que inclui rodas de alumínio de 16 polegadas, rack de teto na cor prata, espelhos retrovisores externos elétricos na cor do veículo e cobertura de porta-malas.

Com exceção da versão PcD, que terá um ano de garantia, todas as outras terão três anos. São seis as opções de cores: branco (sólida); cinza, azul, prata, preto e vermelho (metálicas). Mas só a versão Premier poderá vir pintada na cor de lançamento azul power.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Carlos Minkap

    Vai continuar coadjuvante.

  2. Jozenildo Bezerra

    Sera?

  3. Alex de Souza e Silva

    Gostei do que vi, considerando que ele é praticamente um onix suv, a versão mais barata poderia até mesmo roubar vendas do onix sedan premier, eu só não entendo por que a geração anterior não se encaixou bem no mercado mesmo tendo um bom motor 1.5 (ou 1.4 não lembro) do cruze, sempre gostei daquele carro, creio que agora sua situação mude.