Clique e assine por apenas 5,90/mês

Teste: Caoa Chery Tiggo 8 é SUV de sete lugares competente e equilibrado

Mais novo SUV da Caoa Chery também é o melhor deles e vendido em versão única tabelada a R$ 168.600. Motor é 1.6 turbo de 187 cv

Por Paulo Campo Grande - Atualizado em 4 out 2020, 15h42 - Publicado em 5 out 2020, 08h01
Tiggo 8 tem linhas ‘parrudas’ e chama atenção Fernando Pires/Quatro Rodas

No mercado automotivo, enquanto não conquista um lugar ao sol, uma marca jovem como a Caoa Chery precisa provar seus méritos todos os dias. Depois, o desafio é não desapontar as expectativas criadas, mas até chegar a esse estágio leva tempo.

Com o Tiggo 8, a Caoa dá um importante passo nesse sentido. Um SUV como ele deve atender compromissos de dirigibilidade, segurança e conforto que estão acima dos padrões exigidos por veículos de segmentos inferiores. E, pelo que apresentou em nosso teste, o Tiggo 8 pode cumprir bem essa tarefa.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

No que diz respeito à manufatura, o Tiggo 8 demonstrou ser um produto bem produzido. Suas peças têm bom aspecto e estão bem encaixadas. Os vãos da carroceria não são estreitos como os vistos em alguns modelos do segmento premium – como os japoneses da Lexus, que se destacam nesse aspecto –, mas são uniformes, o que é um indicativo de qualidade.

A Caoa fala que seu SUV tem 65% de aços de alta resistência e 8% de ultrarresistência, o que não dá para conferir com o produto acabado, mas é possível avaliar pelo comportamento do carro e o que notamos foi um SUV com boa rigidez torcional, tanto no rodar quanto nas situações em que a carroceria sofre torção.

Fernando Pires/Quatro Rodas

No acabamento do Tiggo 8, ainda existem plásticos com aspecto de plástico. Mas, em geral, a maioria das superfícies tem boa aparência, seja por fora, seja por dentro da cabine. E, além disso, é importante lembrar que modelos que usam alumínio de verdade nos frisos, geralmente, custam mais caro.

Os bancos são revestidos de material que imita couro, mas com o refinamento do tecido perfurado nas partes centrais dos assentos e dos encostos.

O design do Tiggo 8 traz soluções interessantes, como a grade dianteira em dois estágios (com um degrau na altura do emblema da marca) e o friso ascendente na base da área envidraçada.

A Caoa diz que o estilo do SUV foi projetado em um estúdio europeu. Por dentro, o painel horizontal também agrada e é elegante sem parecer cópia flagrante de algum Audi ou Land Rover.

Fernando Pires/Quatro Rodas

O Tiggo 8 tem preço sugerido de R$ 168.600, mas no lançamento está sendo oferecido com desconto de 7%, pelo valor de R$ 156.900. Ele entra na faixa de SUVs como o Ford Territory SEL (R$ 165.900), Chevrolet Equinox 2.0 Premier (R$ 172.190) e Jeep Compass Limited 2.0 Flex (R$ 153.990).

O Tiggo 8 se destaca pela quantidade de equipamentos de série – apresentado em apenas uma versão, o Caoa Chery não tem opcionais. A lista de itens inclui seis airbags, câmera 360 graus, detector de pontos cegos, faróis e lanternas com leds, ESP, assistente de partida em rampas, freio automático de descida e uma coleção de sensores de chuva, luz, estacionamento e de pressão e de temperatura dos pneus. O painel é digital (12,3”) e a central multimídia (10,25”) é compatível com o sistema Apple CarPlay e tem HD próprio com capacidade de 5,45 gigabytes.

Na cabine ainda há luz ambiente, bancos elétricos, ar-condicionado bizona com saídas traseiras, chave presencial e teto solar.

A abertura automática do porta-malas também merece destaque porque ela dispensa o motorista de passar o pé sob o para-choque, uma atitude que pode ser constrangedora se a pessoa não localiza o sensor na primeira pedalada.

Fernando Pires/Quatro Rodas

São tantos recursos que o usuário pode acabar se acostumando mal e sentindo falta de dispositivos que normalmente aparecem associados ao conteúdo descrito acima, mas que não entram na lista do Tiggo, como memórias para os ajustes do banco do motorista, borboletas para trocas de marcha no modo manual no volante e também sistemas de ajuda ao motorista como freio de emergência, alerta de mudança de faixa ou piloto automático adaptativo.

Um recurso interessante do Tiggo 8 é a existência da terceira fila de bancos, totalizando sete lugares, onde os dois assentos extras não são necessariamente destinados a duas crianças.

Continua após a publicidade

Nesses postos, ainda que com os joelhos posicionados mais altos que os quadris, dois adultos conseguem viajar desde que o espaço seja negociado com o pessoal da segunda fila, uma vez que esses assentos correm sobre trilhos e podem ser colocados um pouco mais avançados.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Na configuração de sete lugares, o porta-malas do Tiggo 8 praticamente desaparece: fica com 193 litros de capacidade. Mas, com cinco lugares, o espaço vai a 889 litros.

O Tiggo 8 é equipado com motor 1.6 16V com turbo, intercooler e injeção direta de combustível que rende 187 cv de potência e 28 kgfm de torque, acoplado ao câmbio automatizado de dupla embreagem e sete marchas. Em nossa pista, o SUV andou bem. Ele acelerou de 0 a 100 km/h em 8,7 segundos e ficou com as marcas de 11,1 km/l, na cidade, e 12,8 km/l, na estrada.

Comparando com o Ford Territory, ele se saiu melhor. O Ford fez o tempo de 10,5 segundos, nas provas de aceleracão, e conseguiu as médias de 8,8 km/l, no ciclo urbano, e 11,2 km/l, no rodoviário. Ao volante, o Tiggo 8 é um SUV confortável, bem assentado nos pneus 235/55 R18 e nas suspensões indedendentes (McPherson, na frente, e multilink, atrás). A direção progressiva tem comportamento adequado.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Mas o SUV é um carro familiar para ser dirigido como tal, uma vez que características como peso, centro de gravidade elevado e porte desencorajam manobras mais ousadas.

Mesmo sem a fama de marcas mais antigas e consagradas, o Tiggo 8 pode ser uma boa opção para quem busca um SUV de sete lugares.

TESTE Caoa Chery Tiggo 8

Aceleração
0 a 100 km/h (s): 8,7
0 a 1.000 m (s; km/h): 29,8/178,6

Velocidade máxima (km/h*): n/d

Retomadas
D 40 a 80 km/h (s): 3,8
D 60 a 100 km/h (s): 4,9
D 80 a 120 km/h (s): 5,7

Frenagens
120/80/60 km/h – 0 (m): 59/25,8/14,5

Consumo
Urbano/rodoviário (km/l): 11,1/12,8

Ruído interno
PM/ Rot. máx./80/120 km/h (dBA): 36,2/66,9/63,4/69,6

Aferição
Velocidade indicada (km/h): 100
Velocidade real (km/h): 97
Rotação do motor (rpm): 1.700

Seu bolso
Preço (R$): 168.600
Garantia (anos): 3
Concessionárias: 80

Ficha técnica
Motor: gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros, turbo, intercooler, injeção direta, 16V, 1.600 cm3; 187 cv a 5.500 rpm, 28 kgfm a 2.000 rpm câmbio: automatizado de dupla embreagem, 7 marchas, tração dianteira direção: elétrica progressiva suspensão: McPherson (dianteira), multilink (traseira) freios: disco ventilado (dianteiro), sólido (traseiro), pneus: 235/55 R18 dimensões: comprimento, 470 cm; largura, 186 cm; altura, 170,5; entre-eixos, 271 cm; vão livre do solo, 21,2 cm; geometria (em graus), ataque, 20; saída, 23, rampa, 47%; porta-malas, 193/889/1.930 l; tanque de combustível, 51 l; peso, n/d

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de setembro da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade