Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mercedes AMG One é, literalmente, um carro de Fórmula 1 adaptado às ruas

Com três anos de atraso, AMG One é ambicioso hiperesportivo que usa cinco motores para atingir mais de 1000 cv e tem volante de Fórmula 1 legítimo

Por Joaquim Oliveira 2 jun 2022, 14h48

A primeira ideia era celebrar o cinquentenário da AMG com o lançamento de um F1 de estrada, mas o caminho revelou-se mais tortuoso do que o previsto e esse presente especial de aniversário só chegou no momento em que a submarca de carros esportivos celebra seus 55 anos.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Mas se em 2017 a coisa não funcionou, agora finalmente a Mercedes-AMG se junta a um seleto grupo de fabricantes de hiperesportivos como McLaren, Porsche, Koenigsegg, Bugatti, Pagani ou Ferrari. Talvez os engenheiros da AMG tenham pensado que colocar um sistema de propulsão de um F1 num veículo com aprovação para andar em estradas públicas nem seria especialmente complicado — isso que acontece quando se tem a maior equipe de Fórmula 1 da última década em casa.

Mas a realidade foi bem distinta e os 275 clientes que já esfregavam as mãos de satisfação em 2019 (eram eles os destinatários da produção prevista para modelo tão exclusivo) perceberam que teriam que esperar.

Nesta quarta-feira, 1º de junho de 2022, o carro foi finalmente mostrado e recebeu luz verde para a produção: “O One nos levou claramente até aos nossos limites”, sintetiza o CEO da AMG, Philipp Schiemer, para quem “este carro foi simultaneamente uma maldição e uma benção”. O problema principal teve a ver com a necessidade de conseguir cumprir as emissões Euro 6, já que nos motores de F1 a otimização dos gases de escape não é propriamente uma prioridade.

Mercedes-AMG ONE (Kraftstoffverbrauch gewichtet, kombiniert: 8,7 l/100 km; CO2‑Emissionen gewichtet, kombiniert: 198 g/km; Stromverbrauch gewichtet, kombiniert: 32 kWh/100 km) // Mercedes-AMG ONE (fuel consumption weighted, combined: 8.7 l/100 km; CO2 emissions weighted, combined: 198 g/km; electricity consumption weighted, combined: 32 kWh/100 km)
Divulgação/Mercedes-Benz

Isto sem contar com a necessidade de tornar o AMG One compatível com as vias públicas e estacionamentos de supermercados, ou de prepará-lo para receber gasolina de alta octanagem em vez do combustível de corridas, carregado de “esteroides”. Isto para não citar a dúzia de engenheiros e mecânicos que gravitam à volta do carro de F1 só para que ele possa arrancar e, neste caso, foram substituídos por um sofisticado software que entra em ação depois de um comando dado pelo motorista..

Mercedes-AMG ONE (Kraftstoffverbrauch gewichtet, kombiniert: 8,7 l/100 km; CO2‑Emissionen gewichtet, kombiniert: 198 g/km; Stromverbrauch gewichtet, kombiniert: 32 kWh/100 km) // Mercedes-AMG ONE (fuel consumption weighted, combined: 8.7 l/100 km; CO2 emissions weighted, combined: 198 g/km; electricity consumption weighted, combined: 32 kWh/100 km)
Divulgação/Mercedes-Benz

Motor campeão

O sistema de propulsão vem diretamente do carro de Hamilton e Russell e é composto por um V6 de 1.6 litros híbrido a gasolina unido a quatro motores elétricos: um integrado no turbocompressor, outro ligado ao virabrequim e mais um em cada roda dianteira. O motor a gasolina tem uma instalação central-traseira (à frente do eixo) e consegue uma rotação máxima de 11.000 rpm. É menos do que nos F1 de corridas por questões relacionadas com durabilidade e também o combustível que é, literalmente, menos “especial de corrida”.

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

Já o turbocompressor alcança rotações muito mais rápidas, estimulado até 100.000 rpm por um motor elétrico de 122 cv e, para além de ser muito mais rápido na resposta, tem a vantagem de utilizar parte da energia excedente do fluxo de gases de escape para gerar eletricidade (agindo como um gerador). É possível guardá-la na bateria de íons de lítio ou enviá-la para o eixo dianteiro ou para o motor elétrico acoplado ao V6.

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

O controle de emissões não é menos complexo e requer quatro catalisadores de metal pré-aquecidos (dois cerâmicos e dois filtros de partículas de gasolina). Tudo para que, “em condições de condução reais” (asseguram os engenheiros alemães) o AMG One seja capaz de cumprir a norma de emissões Euro6.

Mais de 352 km/h

Os números de rendimento máximo do sistema são impressionantes, alcançando os 1.063 cv. O motor V6 de apenas 1.6 litros contribui para esse número incrível com 574 cv (a 9.000 rpm), cada um dos motores elétricos no eixo dianteiro entrega 326 cv, o motor elétrico no virabrequim participa com 163 cv e o motor elétrico do turbocompressor entra com os 122 cv.

Mercedes-AMG ONE (Kraftstoffverbrauch gewichtet, kombiniert: 8,7 l/100 km; CO2‑Emissionen gewichtet, kombiniert: 198 g/km; Stromverbrauch gewichtet, kombiniert: 32 kWh/100 km) // Mercedes-AMG ONE (fuel consumption weighted, combined: 8.7 l/100 km; CO2 emissions weighted, combined: 198 g/km; electricity consumption weighted, combined: 32 kWh/100 km)
Divulgação/Mercedes-Benz

A capacidade da bateria de alta tensão (800 V) e com células com arrefecimento líquido direto (fundamentais para manter a consistência da temperatura de todas as células) é de 8,4 kWh e permite que o AMG One seja capaz de completar 18 km em modo 100% elétrico. Ela pode ser carregada em corrente alternada (por via do carregador portátil de 3,7 kW), além de, dinamicamente, pela força da frenagem e pelo motor a combustão.

AMG One

A velocidade máxima do One é de 352 km/h (limitados eletronicamente) e o 0 a 100 km/h é feito em 2,9 s, enquanto os 200 km/h podem ser atingidos em cerca de 7 s após o arranque. Essa partida do zero é feita em modo elétrico, depois de uma leve pressão num botão no console central. Os primeiros a “despertar” são os motores elétricos no eixo dianteiro, ao mesmo tempo que os catalisadores são pré-aquecidos e só então o motor V6 é ligado (para que a “purga” dos gases possa ser feita adequadamente desde o primeiro instante).

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

As doses massivas de potência e torque são enviadas para as rodas traseiras através de uma reformulada caixa manual robotizada de sete velocidades (cujas relações de transmissão foram definidas com o objetivo de minimizar a diferença de potência depois de uma passagem “uma-acima” e para manter o motor de combustão em elevados regimes, diminuindo o atraso da resposta do turbo). Enquanto isso, a tração nas quatro rodas fica assegurada pelos dois motores ligados às duas rodas dianteiras.

Nível de dificuldade

No volante há seis modos de condução, correspondendo ao local onde o carro é guiado e a disposição de quem guia, conforme se sinta mais condutor ou piloto:

RACE SAFE: é o normal, com funcionamento híbrido e ligando o motor V6 só quando mais potência é exigida.

RACE: híbrido, motor V6 está sempre ligado e pode carregar a bateria para que o rendimento máximo do sistema esteja sempre disponível.

EV: 100% elétrico.

Continua após a publicidade

RACE PLUS: só para pistas, com aerodinâmica ativa, suspensão mais firme, chassis rebaixado e gestão específica de performances.

STRAT 2: só para pista, suspensão ainda mais firme do que em Race Plus, potência máxima de todos os motores tal como numa qualificação de Fórmula 1.

INDIVIDUAL: ajustes definidos de acordo com as preferências do condutor.

O chassi tem uma construção em multibraços de alumínio, com montagem transversal da haste de pressão (push-rod) e o AMG One conta igualmente com amortecimento variável que está dependente dos programas de condução: C (Comfort) e S (Sport) estão disponíveis com os programas EV, Race Safe, Race e Individual; os ajustes de suspensão S (Sport) e S+ (Sport+) funcionam com os programas Race Plus e Strat 2.

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

Ao contrário do carro de F1, o ABS é de série e existem três modos de funcionamento do sistema de controle de estabilidade: ligado, desligado e Sport, que permite ângulos de deriva do eixo antes da intervenção do sistema voltar a deixar tudo “numa boa”. Os freios usam discos de carbono-cerâmica (ventilados e perfurados), com pinças fixas de seis pistões na rodas da frente e fixas de quatro pistões nas traseiras.

Aerodinâmica máxima

A dramática carroceria em fibra de carbono foi desenhada com prioridade máxima à aerodinâmica, de tal modo que a meros 50 km/h o AMG One já é capaz de gerar carga aerodinâmica (com ajuda dos perfis de ventilação ativos que foram colocados por cima dos arcos das rodas).

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

Observado de frente, destaca-se o grande avental negro que integra diversas entradas de ventilação, que também são facilmente visíveis no capô e ajudam a direcionar o fluxo de ar quente para as laterais do cockpit. Assim, enquanto o condutor guia similar a um piloto do piloto de Fórmula 1, ar mais fresco entra pelo teto do carro e chega de forma mais obstruída possível ao motor.

Mercedes-AMG ONE (Kraftstoffverbrauch gewichtet, kombiniert: 8,7 l/100 km; CO2‑Emissionen gewichtet, kombiniert: 198 g/km; Stromverbrauch gewichtet, kombiniert: 32 kWh/100 km) // Mercedes-AMG ONE (fuel consumption weighted, combined: 8.7 l/100 km; CO2 emissions weighted, combined: 198 g/km; electricity consumption weighted, combined: 32 kWh/100 km)
Divulgação/Mercedes-Benz

A gasolina, o V6 está escondido sob duas tampas removíveis que abrem-se diagonalmente, ao passo que a tomada para carregamento da bateria está instalada atrás. A asa traseira é composta por uma asa-lâmina e um perfil aerodinâmico ajustável, podendo ser estendida em duas partes, enquanto os tubos de escape vieram diretamente dos monopostos de F1.

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

Dependendo do programa de condução, o One pode ser rebaixado 37 mm à frente e 30 mm na traseira, o que é importante para melhorar a pressão de contato na dianteira e a eficiência aerodinâmica. Do contrário, em situações em que a frente do One não deve estar tão baixa (como para subir ou descer a rampa de um parque de estacionamento, por exemplo), o carro pode ser subido.

Neste exclusivo contato (estático) com a “fera” admito que fiquei francamente impressionado com esse movimento do carro, como um animal que acorda, se levanta primeiro apoiado nas patas da frente, enquanto começa a respirar de forma mais evidente (isto porque os perfis aerodinâmicos também se levantam enquanto o One se ergue). “Foi esse o efeito que quisemos causar”, confirma-me um sorridente Jochen Hermann, diretor de tecnologia da AMG.

Mais conforto que um F1

A dose de sacrifício associada à pilotagem de um F1 não tem que existir no hiperesportivo alemão que, por isso, está equipado com ar-condicionado, vidros elétricos, revestimentos em pele, entradas USB etc. Cabem dois ocupantes neste cockpit vindo de nave espacial, com bancos fixos integrados ao monocoque de carbono para incrementar a sua rigidez. Curiosamente, a caixa de pedais pode ser manualmente ajustada em doze diferentes etapas.

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

Há duas telas de alta definição de 10”, lado a lado. A da direita é direcionada ao condutor, com toda a informação necessária, e existe um retrovisor que projeta imagens captadas na traseira por uma câmara digital, dado que a vista posterior se encontra totalmente obstruída (entre o motor e as colunas traseiras do habitáculo).

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

O volante, achatado em cima e em baixo, integra vários componentes dos veículoss de corrida e, como é normal nestes, tem a luz indicadora de mudanças de marcha na sua parte superior, além do botão para ativar o DRS, o botão “Pass” (que deve ser usado quando se quer o rendimento máximo da propulsão, com direito a acionamento imediato da segunda marcha), o botão para escolher um dos nove níveis de controle de tração AMG ou os ajustes da suspensão.

Quem estiver familiarizado com o interior de um Mercedes menos “racing” do que o One irá reconhecer os sistemas de navegação, de ajuda ao estacionamento ou a conectividade com aparelhos do usuário.

AMG One
Divulgação/Mercedes-Benz

Unidades esgotadas

As más notícias para os multimilionários que já estivessem planejando encomendar um AMG One é que já é tarde demais, e a concretização do projeto com três anos de atraso não ajudou a diminuir a lista de interessados: mesmo com um preço entre os 2,7 e os 3 milhões de euros, as 275 unidades do AMG One já têm dono (levando cerca de um ano e meio para que todas sejam fabricadas).

Mercedes-AMG ONE (Kraftstoffverbrauch gewichtet, kombiniert: 8,7 l/100 km; CO2‑Emissionen gewichtet, kombiniert: 198 g/km; Stromverbrauch gewichtet, kombiniert: 32 kWh/100 km) // Mercedes-AMG ONE (fuel consumption weighted, combined: 8.7 l/100 km; CO2 emissions weighted, combined: 198 g/km; electricity consumption weighted, combined: 32 kWh/100 km)
Divulgação/Mercedes-Benz

A notícia de consolação é que como, a AMG acredita que uma grande parte deles vão ser guiados em estradas públicas e não escondidos em garagens de exclusivos colecionadores, estas jóias sobre rodas não serão afastadas dos ansiosos olhares humanos. E com um pouco mais de sorte ainda, pode ser até que ao volante esteja Lewis Hamilton ou Niko Rosberg, supostamente membros da lista de privilegiados compradores.

Mercedes-AMG ONE (Kraftstoffverbrauch gewichtet, kombiniert: 8,7 l/100 km; CO2‑Emissionen gewichtet, kombiniert: 198 g/km; Stromverbrauch gewichtet, kombiniert: 32 kWh/100 km) // Mercedes-AMG ONE (fuel consumption weighted, combined: 8.7 l/100 km; CO2 emissions weighted, combined: 198 g/km; electricity consumption weighted, combined: 32 kWh/100 km)
Divulgação/Mercedes-Benz
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)