Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Longa Duração: Compass dá show em sua primeira missão na terra

Ladeira com barro (e chuva) não fez cócegas no 4x4 turbodiesel da frota

Por Péricles Malheiros Atualizado em 2 abr 2018, 16h30 - Publicado em 15 dez 2017, 13h36
Terra e chuva: dificuldade zero para o Compass. A pista não era muito acidentada, mas a água formou lama e ficou escorregadia Ulisses Calvacante/Quatro Rodas

A ansiedade para ser o primeiro motorista da equipe a tirar o Jeep Compass do asfalto para testar seus dotes off-road era grande. Coube ao editor Ulisses Cavalcante a felicidade de combinar, pela primeira vez, a posse do Compass a uma incursão fora do asfalto – e, para melhorar, em um dia de chuva.

“Tive a oportunidade de dirigir com o Compass carregado em Guararema, interior de São Paulo, em uma estrada de terra batida. Nada radical, pois já vi até carros de passeio bem baixos circulando por ela. Mas desta vez estava chovendo muito e a terra compactada ficou extremamente escorregadia. Nos aclives, muitos precisaram desistir da travessia”, conta Ulisses.

Sucesso na lama, Compass ganha elogios Ulisses Calvacante/Quatro Rodas

Enquanto os carros de tração dianteira sofriam, nosso Compass de Longa Duração enfrentou o terreno como se estivesse no asfalto, mesmo com pneus de uso misto.

“É tentador comentar algo do tipo ‘ah, mas um Fusca também venceria essa ladeira enlameada’. Até é verdade, mas não com o mesmo nível de conforto, tecnologia, conectividade, espaço e segurança”, diz o editor.

Depois de provar as múltiplas possibilidades de configuração do sistema de tração, Ulisses disse: “O acionamento é muito fácil e intuitivo, mesmo para motoristas sem experiência em 4×4. Mas as teclas são muito sensíveis. Como elas ficam no console, próximas a uma porta USB, uma tomada 12 V e um pequeno porta-objetos – ou seja, uma área de muita utilização –, basta um leve esbarrão para alterar acidentalmente o modo de tração. Ainda que o Compass tenha sistemas de proteção para impedir o acionamento efetivo de uma opção inadequada, essa característica incomoda”.

Continua após a publicidade
Compass marcou a volta de um modelo diesel na frota de Longa Duração após 20 anos Christian Castanho/Quatro Rodas

O editor finalizou o relato de seus dias com o Compass com um duplo elogio. “A autonomia do diesel é incrível. É muito bom rodar a semana toda sem se preocupar com o marcador de combustível, que demora a baixar. Em dado momento, estava com 3/4 do tanque e o computador de bordo ainda indicava uma autonomia restante de 700 km. Outro benefício foi o menor índice de ruído na estrada: a 120 km/h, o conta-giros marca menos de 2.000 rpm.”

No diário de bordo, uma reclamação geral: cinco motoristas notaram um ruído na coluna B esquerda, vindo da parte embutida do cinto de segurança. Pediremos uma verificação aos 10.000 km, quando faremos uma parada para alinhamento, balanceamento e rodízio.

  • Jeep Compass –  8.878 km

    Consumo

    • No mês: 12,1 km/l com 12,8% de rodagem na cidade
    • Desde out/17: 12 km/l com 17,5% de rodagem na cidade
    • Combustível: diesel S-10

    Gastos no mês

    • Combustível: R$ 1.141,13

    Ficha técnica

    • Versão: Longitude 2.0 16V turbodiesel
    • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.956 cm3, 16V, 170 cv a 3.750 rpm, 35,7 mkgf a 1.750 rpm
    • Câmbio: automático, 9 marchas, 4×4
    • Combustível: diesel
    • Seguro (perfil QUATRO RODAS): R$ 9.969
    Continua após a publicidade
    Publicidade