Clique e assine por apenas 8,90/mês

Longa Duração: compramos um Onix Plus e passamos pelo recall do incêndio

Compramos o sedã, mas não levamos na hora. O recall provocado pelos incêndios atrasou a entrega do mais novo GM da frota

Por Rodrigo Ribeiro, Péricles Malheiros - Atualizado em 27 nov 2019, 12h01 - Publicado em 22 nov 2019, 16h30
Mimo simpático: nosso Onix Plus foi entregue “embrulhado pra presente” Rodrigo Ribeiro/Quatro Rodas

Primeiro foi o vídeo de Gravataí (RS), com um Onix Plus ardendo em chamas, em setembro, no pátio da fábrica, quando a montadora funcionava a pleno vapor, preparando-se para atender à demanda inicial. E, mesmo com esse incêndio, tudo corria bem para o sedã compacto.

O lançamento, também em setembro, foi feito sem nenhuma ocorrência, e até mesmo a chegada quase que simultânea do seu maior rival, o Hyundai HB20S, ajudou a GM, já que o design do coreano foi alvo de muitas críticas. Parecia que a fumaça do incêndio de Gravataí havia dissipado.

Mas os dias de tranquilidade foram poucos. No início de novembro, QUATRO RODAS divulgou que um outro Onix Plus havia incendiado, desta vez em Mirador (MA). À época, o dono do carro, Cleiton James, relatou o ocorrido à pagina Notícias com Maritonio Dantas.

Ele disse: “Senti um barulho na parte do motor do carro, como uma pequena explosão. Parei o carro no acostamento e, quando levantei o capô, já avistei as chamas. Só deu tempo de pegar minha mochila, que estava no bagageiro, e aí o incêndio foi total. Comprei esse carro uma semana atrás”.

Contatado, Cleiton James confirmou ser o dono do carro, versão Premier. Após esse caso, os ânimos esquentaram na fábrica. Depois a GM reconheceu mais dois casos, um com incêndio parcial e outro com a quebra do bloco do motor.

Defeito no software

O recall reteve nosso carro no pátio por pouco mais de uma semana Leonardo Barboza/Quatro Rodas

Como ninguém falava oficialmente no assunto, aprofundamos nossas investigações e, dois dias após o incêndio, tivemos acesso em primeira mão à nota de esclarecimento da GM ao Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O comunicado explicava que os Onix Plus 2020 tinham um defeito no software de calibração da central eletrônica que poderia levar à quebra do bloco do motor com consequente possibilidade de incêndio e risco de lesão e morte aos ocupantes.

Antes do prazo legal de 15 dias para iniciar o processo de correção, a marca divulgou oficialmente o recall e iniciou o trabalho de chamamento dos carros.

Continua após a publicidade

Foi uma verdadeira estratégia de contenção de crise, afinal, entre veículos no pátio (da fábrica e das concessionárias) e efetivamente entregues, o recall atingiu 19.050 unidades do sedã compacto.

Ainda que a retenção dos Onix Plus fosse acompanhada do empréstimo de um automóvel reserva, claro que muita gente ficou aborrecida de ter seu carro novinho recolhido porque poderia pegar fogo.

Também conforme esperado, o discurso da GM foi no sentido de ver o lado bom do caso.

Questionado se os incêndios não prejudicariam a imagem do lançamento e da própria marca, Marcos Munhoz, vice-presidente da GM no Mercosul, disse: “Pelo contrário, creio que isso aumentou a confiança do consumidor na marca”.

O fato é que, com um resultado positivo ou negativo, recalls logo na fase de estreia não são uma exclusividade do Onix Plus, nem da GM.

Estreia postergada

Relembrados os acontecimentos que movimentaram a chegada do Onix Plus 2020, vale dizer que essa história tem tudo a ver com o Longa Duração. Afinal, logo após o lançamento, adquirimos um Onix Plus para ser o novo integrante de nossa frota!

Para avaliar não só o carro, mas também as suas grandes novidades, como o sistema de Wi-Fi a bordo, o alerta de veículos em ponto cego e o auxílio ativo de manobras, pegamos a versão mais completa possível.

Trata-se da Premier com o pacote R8M, na cor vermelho Carmim. Ou seja, além do preço tabelado de R$ 74.090, pagamos outros R$ 1.590 pela pintura metálica e R$ 3.060 pelos opcionais, num total de R$ 78.740.

Continua após a publicidade

Devido ao calor da notícia, decidimos antecipar a apresentação de nossa mais recente aquisição. Nosso carro aguardava a reprogramação do software, mas o fechamento da edição na véspera da data de entrega nos deixou seguros para revelar a compra.

“Ou seja, quando a revista chegasse às bancas ou aos assinantes, o Onix já estaria em nossa garagem”, conclui o editor de Longa Duração, Péricles Malheiros.

Surpresa tecnológica

Batismo oficial: emplacamos nosso Onix no mesmo dia da entrega Rodrigo Ribeiro/Quatro Rodas

Por conta do recall, que levou a GM a reter todos os veículos que estavam para ser entregues, e a tirar de circulação os que já estavam nas ruas, a entrega ocorreu com um pouco mais de uma semana de atraso em relação ao originalmente combinado.

Nesse ínterim, a concessionária chegou a colocar à disposição um carro reserva, mas é preciso dizer que isso só aconteceu depois de insistentes sondagens nossas. No fim, optamos por não usar o reserva e aguardar a liberação de nosso Onix Plus.

Como previsto, agendamos a retirada uma semana antes da chegada de QUATRO RODAS às bancas. Fomos buscar o carro na Chevrolet Carrera do Butantã, na zona oeste de São Paulo.

Antes de irmos ao carro, a funcionária responsável pela entrega mostrou que o treinamento da GM em relação às novas tecnologias do Onix Plus foi acertada.

Solícita, ela deu detalhes de como funciona o MyLink com bluetooth capaz de sincronizar até dois celulares simultaneamente, e explicou o sistema de Wi-Fi capaz de se conectar a até 12 dispositivos.

Só se equivocou ao afirmar como funcionava o carregador de celular por indução. “Ele depende que o smartphone esteja com o software atualizado”, explicou.

Continua após a publicidade

Na verdade, o dispositivo só funciona com celulares compatíveis com a tecnologia, independente do programa usado. A lista completa de aparelhos está na descrição de nossa vídeo-avaliação do modelo.

Também perguntamos a respeito dos incêndios, e a transparência da funcionária foi exemplar. “A GM fez o recall para garantir a segurança dos clientes, e também por isso retivemos a entrega do seu e de outros Onix Plus”, detalhou.

Ela afirmou ainda que a marca está investigando os motivos do incêndio no pátio de Gravataí, mas reforçou que não havia perigo em usar o veículo.

O plano de revisão foi apresentado de forma adequada, mas um adesivo colado no para-brisas do carro quebrou a sequência de boas surpresas.

Apesar de a funcionária falar (corretamente) que as trocas de óleo acontecem a cada 10 mil quilômetros ou doze meses, um alerta no vidro colocado pela própria Carrera avisa que “a primeira troca” deveria ser feita na metade desse período.

A justificativa era que outros modelos da GM têm essa característica. No entanto, todos os carros flex ou a gasolina da Chevrolet do Brasil têm a primeira troca de óleo dentro do mesmo período das demais.

Ao primeiro contato com o carro, outra escorregada, mas leve. Quando questionada sobre os botões nas maçanetas dianteiras, a funcionária afirmou que elas tinham apenas função estética.

Mas, depois, em dúvida, ela conversou com outros colegas e se corrigiu, explicando que nosso Onix Plus (e todos os outros Premier) tinha chave presencial de série.

Continua após a publicidade
O inusitado anel na chave de seta ajusta a altura do farol Rodrigo Ribeiro/Quatro Rodas

Os principais comandos da cabine e do multimídia foram apresentados com calma e atenção, mas as peculiaridades do Onix Plus acabaram jogando contra o modelo.

Quando perguntamos o que é o anel na chave de seta, foi explicado que se tratava do ajuste de intensidade da luz no painel.

Na realidade é a regulagem de altura do farol, mas aqui dá para dar um desconto: quase nenhum tem esse ajuste feito por um comando em posição tão exótica.

Mais comum é o limitador de velocidade, que também não teve seu funcionamento explicado corretamente: foi dito que ele apenas alertava sobre a velocidade programada, sendo que o recurso deste GM vai além e pode reter o carro quando o valor solicitado é alcançado.

Ao ligar o carro, outra surpresa boa: o indicador de combustível indicava mais de 100 km de autonomia.

A explicação da concessionária é que o Onix Plus havia sido abastecido com alguns litros extras de etanol para fazer uma rodagem de teste após o recall.

Isso também explicaria a quilometragem ligeiramente elevada do hodômetro, de 15 km — normalmente esse valor não passa de 10 km.

Outros brindes foram a película nos vidros e os tapetes de borracha. Faltou só o filtro antipólen, que, como em outros GM, não vem de fábrica e deve ser colocado pelo cliente.

Continua após a publicidade

Quando perguntamos o procedimento para o primeiro abastecimento, outro momento agradavelmente surpreendente. “Esse motor foi feito para rodar com etanol ou gasolina, e não importa qual combustível você vai colocar”, falou a funcionária.

Ela apenas reforçou que é preciso esperar o tanque se esgotar ao trocar de combustível caso o veículo seja desligado em seguida.

Isso evita um problema comum nos primeiros flex, quando o veículo não era capaz de reconhecer o combustível que estava queimando com rapidez, mas que já foi eliminado nos modelos mais modernos.

A qualidade da entrega nos surpreendeu tanto que só faltava um velho problema em carro zero-quilômetro ter sido resolvido: a calibragem dos pneus.

E, de fato, o Onix Plus não veio com a pressão elevadíssima característica dos veículos que ficam muito tempo no pátio. Mas não dá pra comemorar: as quatro rodas estavam com 32 lb/pol², abaixo das 35 lb/pol² recomendadas pela GM.

Agora é hora de levar nosso Onix Plus ao consultor Fabio Fukuda para a marcação das peças e iniciar a rodagem dos primeiros 1.000 km antes de fazermos o primeiro teste no campo de provas da ZF em Limeira (SP).

Chevrolet Onix Plus Longa Duração
Versão: Premier II 1.0 12V Turbo
Motor: 3 cilindros em linha, dianteiro, transversal, 999 cm3, 12V, turbo, 116/116 cv a 5.500 rpm, 16,8/16,3 mkgf a 2.000 rpm
Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
Combustível: flex (gasolina)

Publicidade