Clique e assine por apenas 8,90/mês

Longa Duração: como o modo da tração transforma o Mitsubishi Outlander

Seletores de modos de tração e condução dão versatilidade ao Outlander. Pacato na cidade, ele encara sem medo o fora de estrada

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 24 jun 2020, 13h54 - Publicado em 25 jun 2020, 07h00
Outlander em Avaré: terra não é problema para a tração Fabio Black/Quatro Rodas

O editor-assistente Henrique Rodriguez é do Rio de Janeiro (RJ), mas mora em São Paulo (SP). Assim, vive viajando entre essas duas cidades.

E quase sempre os 450 quilômetros entre suas casas são vencidos a bordo de um carro de Longa Duração. No último mês, Henrique foi de Mitsubishi Outlander.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

O editor comenta que, em sua cidade natal, aproveitou para submeter o SUV com tração 4×4 às mais variadas condições de rodagem.

“Como o motor 2.2 turbodiesel tem uma boa faixa de torque em baixas rotações, rodar no modo de condução Eco na cidade não incomoda em nada. E o consumo de diesel se mantém moderado”, destaca.

Botão ao lado do pisca alerta muda as respostas do motor para economizar combustível Fernando Pires/Quatro Rodas

Na estrada, porém, o modo Eco exige mais paciência, já que o efeito da troca antecipada das marchas é mais perceptível.

Continua após a publicidade

Mas Henrique tem outra boa dica. “Ao desativar o modo Eco, o câmbio posterga a troca de marcha, utilizando uma faixa maior de rotação do motor”.

Botão no console alterna os modos de tração Fernando Pires/Quatro Rodas

“O resultado é um comportamento com resposta mais imediata ao movimento do acelerador. Em trechos sinuosos, além de desabilitar o modo Eco, faço uso das enormes borboletas no volante. Assim, com controle total das marchas, me sinto mais seguro nas entradas e saídas de curva”, completa.

Faltavam ainda os caminhos fora do asfalto para que o editor pudesse concluir seu estudo comportamental do Outlander. Henrique, então, encarou uma pista de terra batida em Maricá.

Modo selecionado é indicado no painel Fernando Pires/Quatro Rodas

“Foi um off-road leve, então não houve nenhuma situação em que fosse necessária a ativação da tração 4×4 Lock. O modo automático funcionou perfeitamente em todos os obstáculos.”

“Aliás, até no asfalto já me beneficiei do 4×4 Auto, quando, numa curva, passei por uma poça de óleo e o Outlander deu apenas uma balançada leve antes de agarrar de novo na pista”, conclui Henrique.

Mitsubishi Outlander – 38.692 km

Ficha técnica:
Versão: 2.2 Turbodiesel HPE-S
Motor: 4 cilindros, dianteiro, transversal, 16V, 165 cv a 3.500 rpm, 36,7 mkgf a 7.500 rpm
Câmbio: Automático de 6 marchas, tração 4×4
Seguro: R$ 4.843 (Perfil Quatro Rodas)
Revisões: Até 60.000 km – R$ 8.248
Gasto no mês: Combustível: R$ 1.562
Consumo: No mês: 11,4 km/l com 30,2% de rodagem na cidade
12,2 km/l com 27,5% de rodagem na cidade
Combustível: Diesel S10

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade