Clique e assine por apenas 8,90/mês

Longa Duração: Citroën cobra caro para repor pneu furado do C4 Cactus

SUV Cactus tem pneu rasgado ao cair num buraco. Para trocar pelo estepe, carro se mostrou dócil. Já a rede, na hora de oferecer a reposição...

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 20 Maio 2020, 09h04 - Publicado em 20 Maio 2020, 07h00
Buraco na pista. E lá se foi o pneu dianteiro direito do nosso Citroën Zeca Chaves/Quatro Rodas

Depois de uma viagem até Uberlândia (MG), o jornalista Zeca Chaves passou por um susto na cidade de Planura (MG).“Fiquei atrás de um caminhão por muito tempo numa estrada de pista simples. Quando cheguei num trecho de faixa seccionada, iniciei a ultrapassagem. Mas, assim que passei para o sentido oposto, atingi um buraco com a roda dianteira direita.

O pneu perdeu pressão imediatamente, mas, como a velocidade era baixa, o carro se manteve sob controle”, conta Zeca.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

No acostamento da rodovia e já com a área devidamente sinalizada (com triângulo a 30 metros para trás e o C4 com o pisca-alerta ativado), Zeca fez um verdadeiro pit-stop.

Continua após a publicidade

“Em menos de dez minutos troquei o conjunto danificado pela roda de emergência. As ferramentas bem localizadas no porta-malas e o macaco de acionamento leve ajudaram a acelerar a tarefa”, completa.

O rasgo, apesar de pequeno, foi no ombro, como é chamada a porção onde são gravadas as especificações do pneu. E rasgo no ombro é fatal: pneu condenado Zeca Chaves/Quatro Rodas

“Como o dano no pneu ocorreu aos 42.213 km e o estepe é do tipo roda de emergência (com medidas diferentes das dos pneus de rodagem e com velocidade máxima de 80 km/h), vamos comprar um par novo”, determinou o editor de Longa Duração, Péricles Malheiros.

Por uma questão de segurança, não misturamos no mesmo eixo pneus com diferença de rodagem entre si superior a 20.000 km. “Este procedimento evita desequilíbrio dinâmico, principalmente em asfalto molhado”, diz Péricles. Partimos, então, para a cotação de um par de pneus originais: Pirelli Cinturato P7 205/55 R17 91V.

Nas concessionárias, encontramos preço alto e falta de estoque. Na Savol e na Trianon, respectivamente, R$ 1.860 e R$ 1.827 – na Trianon, aliás, ainda seria preciso encomendar e esperar ao menos dez dias.

Continua após a publicidade

Na GP France e na Le Mans, nada do Pirelli original, somente Michelin. Na Green, nem isso: “Não temos pneus para o C4 Cactus”, respondeu o atendente. Passamos, então, para a cotação em lojas independentes. Na Della Via Pneus, o par de Pirelli original foi orçado em R$ 1.659, quase o mesmo preço obtido junto à Campneus, R$ 1.652. Acabamos fechando a compra na Valetão, que cobrou o menor preço: R$ 1.436.

Durante a troca, pedimos ao técnico da Valetão um exame minucioso da suspensão, em especial a da dianteira direita: “Está tudo em perfeito estado. O buraco só cortou o pneu mesmo. Nem a roda sofreu com o impacto”, respondeu. Sendo assim, seguimos com o C4 Cactus rumo à revisão de 50.000 km.

Citroën C4 Cactus – 46.244 km

Ficha técnica:
Versão: Feel Pack 1.6 16V
Motor: 4 cilindros, dianteiro, transversal, 1.587 cm3, 16V, 118/115 cv a 5.750 rpm, 16,1/16,1 kgfm a 4.750/4.000 rpm
Câmbio: Automático, 6 marchas, tração dianteira
Seguro: R$ 2.276 (Perfil Quatro Rodas)
Revisões: Até 60.000 km – R$ 4.074
Gasto no mês: Combustível: R$ 676
Par de pneus: R$ 1.276
Alinhamento: R$ 160
Consumo: No mês: 10,6 km/l com 32,1% de rodagem na cidade
Desde abr/19: 10,8 km/l com 31,3% de rodagem na cidade
Combustível: Flex (gasolina)

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Publicidade