Clique e assine por apenas 8,90/mês

Longa duração: as histórias de Creta, Compass, Kwid, Virtus e mais em 2018

Alegrias e tristezas, estreias e desmontes de despedida. Relembramos tudo de bom e de ruim que aconteceu no Longa Duração em 2018

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 27 nov 2019, 12h12 - Publicado em 25 fev 2019, 09h00

Três estreias e três desmontes movimentaram o ano de nossa frota. Entre erros e acertos da rede de concessionárias e gratas surpresas e tristes decepções dos carros, é hora de relembrar o que de melhor (e de pior) rolou em 2018:

Chevrolet Cruze LTZ 1.4 Turbo

Elogiado pelo rico pacote tecnológico e o bom conjunto mecânico, o sedã também foi bem no desmonte Xico Buny/Quatro Rodas

Logo na primeira edição do ano, em janeiro, o Cruze se despedia do Longa Duração.

Sempre elogiado pelo rico pacote tecnológico (tinha sistema de auxílio ativo de estacionamento, farol alto automático e alerta de presença de veículos em ponto cego) e pelo bom conjunto mecânico (motor 1.4 turbo e câmbio automático de seis marchas), o sedã foi bem também no desmonte.

Ainda que aprovado, foi embora com alguns deslizes: os retentores não impediram que parte do óleo lubrificante escorresse pela haste das válvulas, gerando carbonização, e houve invasão de poeira nas portas.

Continua após a publicidade

Hyundai Creta Prestige 2.0

Com uma passagem bastante calma pelo Longa Duração, o Creta teve a melhor avaliação de todos os tempos Xico Buny/Quatro Rodas

Pense numa vida mansa. Foi assim a passagem do Creta pelo Longa Duração. No uso, um único susto, reportado na edição de maio.

Na estrada, ao passar sobre um pedaço de banda de rodagem de um pneu grande, um caminhão arremessou o detrito contra a dianteira do nosso Creta, que vinha atrás.

O resultado foi uma trinca na porção inferior do para-choque, junto ao farol de neblina. Na rede Hyundai, uma única (mas profunda) decepção.

Justamente numa concessionária premium, em São Paulo, a troca do filtro de ar do motor foi negligenciada. Desmontado em agosto, o Creta saiu com a melhor avaliação de todos os tempos.

Continua após a publicidade

Fiat Argo Drive 1.3

Missão cumprida: Fiat Argo se provou melhor que seus antecessores Xico Buny/Quatro Rodas

O Argo chegou na esteira de Uno e Mobi, ambos saídos do Longa Duração aprovados, mas com ressalvas – as mais pesadas, de cunho técnico. Então, automaticamente, ele ganhou a missão de se provar melhor do que seus antecessores.

Conseguiu. E com folga. No desmonte, publicado em outubro, o Argo foi aprovado com louvor, sem nenhum sistema, parte ou conjunto merecedor de crítica.

No convívio, apenas críticas pontuais: a central multimídia travou algumas vezes e o start-stop se tornou lento nas partidas. Com mais de 40.000 km, uma bolha nos obrigou a comprar um par de pneus novos, por R$ 704.

Jeep Compass Longitude 2.0 Turbodiesel

Continua após a publicidade
Longa Duração do Jeep CompassRea
Jeep Compass com Longitude a diesel foi uma das versões mais vendidas Silvio Goia/Quatro Rodas

Ao decidirmos comprar o Compass, o SUV era uma promessa de sucesso. Então, dobramos a aposta: ficamos com o Longitude a diesel.

Acertamos na mosca: em pouco tempo, a versão passou a ser uma das mais vendidas. O convívio diário nos permitiu ver o Jeep em detalhes.

Percebemos que, apesar do DNA aventureiro, ele dificulta a vida ao rebocar ou ser rebocado. Na dianteira, você remove a tampinha plástica e encontra uma barra lisa.

Atrás, há a rosca, mas o terminal roscável não está no carro nem na lista de acessórios da marca. Depois, ele sofreria uma tentativa de roubo, frustrada pelo freio que é acionado ao se abrir a porta.

Renault Kwid Intense 1.0

Continua após a publicidade
Desde o início em nossa frota, o hatch já teve dois destaques: o baixo consumo de gasolina e o elevado nível de ruído na cabine Christian Castanho/Quatro Rodas

A gente nem sequer pôde entrar na gigantesca fila de interessados por um Kwid, pois o sistema de cadastro e venda online da Renault restringia o negócio às pessoas físicas. As primeiras entregas ocorreram quase que simultaneamente aos recalls iniciais.

Para nós, os chamamentos para os reparos tiveram um lado positivo: com a confiança no produto abalada, muita gente desistiu da compra e começou a sobrar Kwid no mercado.

Foi assim que, em março, o hatch compacto passou a fazer parte de nossa frota. Até aqui, dois destaques: o baixo consumo de gasolina e o elevado nível de ruído na cabine.

Toyota Prius 1.8 Híbrido

Toyota Prius
É menos confortável que o Corolla, mas bem mais econômico Christian Castanho/Quatro Rodas

O Prius tem uma enorme responsabilidade dentro do Longa Duração.

Continua após a publicidade

Além de ser o primeiro modelo híbrido a fazer parte de nossa frota, ele antecipa como será a próxima geração do Corolla, que será fabricada no Brasil até 2021, usando a mesma plataforma (TNGA) e base mecânica (1.8 a combustão mais motor elétrico e câmbio automático CVT).

O Prius não é causador de grandes emoções, para o bem e para o mal. Até aqui, tem se mostrado um sedã menos confortável que o Corolla, mas muito mais econômico. Dentre as poucas críticas, uma é unânime: a ausência de travamento automático das portas.

VW Virtus Highline 1.0 Turbo

Virtus, a promissora versão sedã do Polo, também deu início a nossa jornada Christian Castanho/Quatro Rodas

Recebemos muitos contatos por e-mail de nossos leitores quando deixamos de comprar o novo Polo, no final de 2017. Não era à toa: já estávamos de olho no Virtus, a promissora (e bem maior) versão sedã do Polo.

Assim, em junho, a novidade iniciava sua jornada de 60.000 km. Em função de uma estratégia de lançamento, as três primeiras revisões sairão de graça.

Continua após a publicidade

Recentemente, fizemos um comparativo do serviço de guincho das marcas dos carros de Longa e o Virtus foi o vitorioso: numa situação real de emergência, teria sido atendido em apenas 42 minutos, do início da chamada à chegada da plataforma.

Publicidade