Clique e assine com até 75% de desconto

Impressões: Rolls-Royce Cullinan, SUV que exagera no tamanho e no luxo

Seguindo a tradição da marca, o Rolls-Royce Cullinan é um SUV de luxo, conforto, desempenho (e preço) extremos

Por Joaquim Oliveira 22 fev 2019, 09h00
SUV vai de 0 a 100 km/h em 5,2 segundos Divulgação/Rolls-Royce

Durante muitos anos, os manda-chuvas da Rolls-Royce e da BMW (dona da marca inglesa) viveram o dilema de fazer um SUV com a estatueta Spirit of Ecstasy, símbolo da Rolls, sobre o capô.

“Um veículo desse tipo não se encaixa em nosso portfólio”, era o que eles mais diziam a quem perguntasse tanto em Goodwood (fábrica da Rolls) como em Munique (sede da BMW).

Sob pressão dos mais progressistas e, principalmente, dos endinheirados clientes (e a quem as empresas não costumam dizer que não), o Cullinan nasceu respeitando, dentro do possível, o que a tradição da marca preconiza: conforto quase infinito e desempenho mais que superior.

Quem foi ao Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro, pôde conferir isso ao vivo.

Claro que a beleza está nos olhos de quem vê e mesmo que diversos críticos não encontrem elegância nesta limousine de saltos altos, não podemos negar que o Cullinan tem uma aparência muito imponente – com a estatueta Spirit of Ecstasy, colocada em uma altura nunca vista na história da marca.

Porta-malas tem 560 litros de capacidade Divulgação/Rolls-Royce

O motor é o mesmo do recém-atualizado sedã Phantom, um V12 biturbo de 571 cv e 86,7 mkgf montado na frente do SUV de 5,34 metros e 2,6 toneladas – o que resulta em uma relação peso/potência de 4,6 kg/cv, digna de superesportivo.

Segundo a fábrica, o Cullinan vai de 0 a 100 km/h em 5,2 segundos e atinge 250 km/h de máxima (eletronicamente amordaçada). O consumo? 6,7 km/l, no ciclo misto europeu.

Mesmo admitindo essa marca ruim, a Rolls diz que não tem planos para fazer uma versão híbrida a curto prazo e nem nada menos de uma dúzia de cilindros para empurrar o carro. Mas é sabido que a marca tem intenções de eletrificar toda a sua gama.

O acesso ao interior digno de reis é feito atrás, por portas de abertura invertida (suicida), e todas (incluindo a do porta-malas com 560/1.930 litros) são operadas eletricamente.

As clássicas saídas de ventilação têm puxadores que liberam a passagem do ar Divulgação/Rolls-Royce

Para que os passageiros não sintam nenhum desconforto ao entrar no Cullinan, a suspensão desce 4 cm. Para que isso aconteça, basta que o motorista pressione um botão na chave. A altura volta ao normal assim que é dada a partida.

Não lhe falta espaço (a distância entre-eixos é de 3,30 metros). Os enormes e luxuosos bancos de couro dispõem de aquecimento e ventilação e os assentos traseiros (que podem ser dois ou três) são mais altos que os da frente para que os passageiros mais importantes do veículo tenham uma visão tão livre quanto possível.

Na configuração de dois bancos (individuais) atrás pode haver uma pequena geladeira e duas taças de champanhe para celebrar.

Tampa do porta-malas bipartida sustenta dois bancos Divulgação/Rolls-Royce

A ligação ao passado da marca surge na presença do guarda-chuva embutido na porta traseira (que tem circulação de ar permanente para que ele esteja sempre seco) ou na colocação opcional de um vidro para separar a cabine do porta-malas, remetendo aos tempos em que as bagagens seguiam em um compartimento preso à traseira do veículo.

RESERVA DE POTÊNCIA

Com três lugares atrás, há um banco com encosto dividido em duas partes assimétricas que podem ser reclinadas eletricamente.

A tampa do porta-malas, por sua vez, pode servir de base para duas cadeiras que se instalam viradas para o exterior. Não faltam monitores, mesas e sistema de massagem para aumentar o conforto a bordo.

Uma falha imperdoável, porém, é o fato de o ar-condicionado não ser automático – há apenas os comandos de quente (vermelho) e frio (azul).

Para o motorista, a instrumentação segue o estilo clássico com a tradição de mostrar a Reserva de Potência. E há também as saídas de ventilação, que devem ser puxadas para deixar o ar passar.

SUV mede 1,84 m de altura e 5,34 m de comprimento Divulgação/Rolls-Royce

Ao volante, a primeira constatação é de que os cerca de 100 kg de material de isolamento acústico que o carro recebeu provocam a sensação de que estamos assistindo a um filme sem som, ao ver a paisagem passar do lado de fora.

Até o V12 parece mudo em muitos momentos.

O motor se faz presente pelo desempenho que entrega ao carro, com respostas sempre prontas e generosas em termos de torque e potência e coordenado com a transmissão suave e o câmbio automático de oito marchas.

Continua após a publicidade
Na traseira, há mesas, monitores e bancos com ventilação, aquecimento e massagem Divulgação/Rolls-Royce

A suspensão pneumática analisa a aceleração da carroceria, os movimentos do volante e as informações da câmera para ajustar o amortecimento e as barras estabilizadoras eletrônicas de modo a impedir oscilações excessivas.

O conforto é prioridade, mas a dirigibilidade não foi descuidada, tendo como aliada o eixo traseiro direcional, que faz com que o Cullinan se mova com mais agilidade.

Claro sinal de tradição: relógio analógico Divulgação/Rolls-Royce

Para rodar fora do asfalto, um botão no console permite selecionar o programa Off-road, para que o SUV se adapte sozinho às condições de rodagem. Mas o motorista pode escolher entre seis diferentes modos de condução no painel central.

O MAIOR DIAMANTE

Na Alemanha, o Cullinan de entrada sai por 315.000 euros, o que quer dizer que ele passa a ser o SUV mais caro do mundo. O Bentley Bentayga, seu mais próximo concorrente, custa cerca de 70.000 euros mais barato.

O preço é uma forma de tornar o Cullinan exclusivo.

Para coroar uma joia tão especial, a Rolls procurou o nome de algo muito valioso: o maior diamante que se tem registro, que por sua vez foi batizado assim por causa do proprietário da mina sul-africana (Thomas Cullinan) onde a pedra foi encontrada, com 621 gramas (depois ele foi cortado em nove peças principais e 96 brilhantes pequenos).

Faróis full led retangulares ladeiam a grade frontal Divulgação/Rolls-Royce

Isso foi lá em 1905, um ano antes da fundação da marca de Charles Stewart Rolls e Sir Frederick Henry Royce, que concretizaram o sonho visionário de produzir os automóveis mais luxuosos do mundo.

  • Veredicto

    Os britânicos fizeram outra limusine de luxo, mas agora com aptidão para andar em todo tipo de terreno. 

    Ficha Técnica

    Rolls-Royce Cullinan – 315.000 euros

    Motor: gasolina, dianteira, longitudinal, V12, DOHC, 48V, turbo, injeção direta, 6.749 cm3; 92 x 84,6 mm, 571 cv a 5.000 rpm, 86,7 mkgf a 1.500 rpm

    Câmbio: automático, 8 marchas, tração integral

    Suspensão: pneumática, duplo A (dianteira), braços múltiplos (traseira)

    Freios: disco ventilado, nas quatro rodas

    Direção: elétrica, com eixo traseiro direcional

    Rodas e pneus: liga leve, 225/45 R22

    Dimensões: comprimento, 534,1 cm; largura, 200 cm; altura, 183,5 cm; entre-eixos, 329,5 cm; peso, 2.660 kg; tanque, 80 l; porta-malas, 560 l

    Desempenho: 0 a 100 km/h em 5,2 s; velocidade máxima de 250 km/h (limitada eletronicamente)

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade