Impressões: novo Mercedes GLE é um Classe A com entre-eixos de Fiat Toro

Com tanto luxo e tecnologias embarcadas, é difícil imaginar esse SUV fora do asfalto. Só que não faltará capacidade para isso

Sistema de suspensão a ar é opcional e garante melhor desempenho no asfalto e também no fora de estrada

Sistema de suspensão a ar é opcional e garante melhor desempenho no asfalto e também no fora de estrada (Divulgação/Mercedes-Benz)

O Mercedes-Benz GLE só deverá chegar ao Brasil no fim de 2019.

E olha que a marca ainda nem cravou a data exata, mas o SUV já está atrasado: o BMW X5, principal rival e também renovado há pouco tempo, está disponível em pré-venda desde o mês de janeiro.

Por isso, fomos até San Antonio, no estado americano do Texas, para descobrir quais são as qualidades do novo desafiante. Aí, você decidirá se vale a pena esperar o estreante.

Apesar da plataforma nova – essa é a primeira mudança completa desde 2015, quando o GLE abandonou o nome ML –, esse modelo ainda guarda muitas semelhanças com o antecessor.

As terceiras janelas, por exemplo, seguem em destaque, logo após a coluna inclinada.

Visualmente, o GLE parece bem mais largo

Visualmente, o GLE parece bem mais largo (Divulgação/Mercedes-Benz)

Se a grade parece faminta para devorar qualquer terreno, as lanternas traseiras inspiradas no Classe A revelam que o SUV perdeu agressividade, ao menos contra o vento.

Prova disso é o coeficiente aerodinâmico de 0,29 cx (contra 0,32 cx do antecessor), o melhor da categoria. Dentro, o SUV manteve a inspiração nos lançamentos mais recentes da empresa.

O quadro de instrumentos digital com 12,3 polegadas fica posicionado ao lado de outra tela, que tem exatamente o mesmo tamanho, dedicada exclusivamente à central multimídia.

É claro que o sistema MBUX está presente, ao menos como opcional para os EUA, com suas funções de reconhecimento de gestos, comandos de voz e inteligência artificial. E, agora, a empresa afirma que a tecnologia, já presente no próprio Classe A,  foi aprimorada.

Principalmente na lateral, o visual se manteve fiel às gerações anteriores do modelo

Principalmente na lateral, o visual se manteve fiel às gerações anteriores do modelo (Divulgação/Mercedes-Benz)

O entre-eixos aumentou 8 cm, chegando a 2,99 m – o mesmo que o da picape compacta-média Fiat Toro -, o que garante mais espaço na segunda fileira. O fabricante fala em 7 cm extras para as pernas e 3,3 cm para a cabeça.

Para dar mais conforto aos passageiros, é possível incluir regulagens elétricas em até seis posições.

Já lá atrás, nos bancos escondidos no porta-malas, só terão espaço pessoas com até 1,70 m, ainda que o acesso seja facilitado pelos assentos à frente com deslocamento elétrico.

E agora cabem até 825 litros de bagagem (sem a terceira fileira), 30 litros mais que antes.

Central multimídia usa inteligência artificial para reconhecer gestos e controlar funções do carro

Central multimídia usa inteligência artificial para reconhecer gestos e controlar funções do carro (Divulgação/Mercedes-Benz)

Durante o primeiro contato nos EUA, só pudemos dirigir o GLE 450, que tem motor de seis cilindros em linha 3.0 a gasolina com 367 cv de potência e 51 mkgf de torque.

E não é que o SUV deixou boa impressão? Sempre equipado com câmbio automático de nove marchas, o conjunto tem boas respostas já a 1.600 rpm e se mantém assim até 5.000 rpm.

Além disso, o motorista pode liberar 22 cv e 25,5 mkgf extras por alguns segundos – para isso, o motor de arranque com 48V entra em ação –, suficientes para garantir uma ultrapassagem.

Quadro de instrumentos digital pode ser configurado com quatro diferentes temas, que mudam informações e cor

Quadro de instrumentos digital pode ser configurado com quatro diferentes temas, que mudam informações e cor (Divulgação/Mercedes-Benz)

No carro que provamos, o sistema de tração integral funciona com embreagem multidiscos que permite enviar até 100% da força a um dos eixos.

Entretanto, também haverá uma opção mais simples, com acoplamento viscoso, disponível apenas nas configurações de entrada com motores de quatro cilindros.

Isso porque, ao menos na Europa, já estão confirmadas as versões 330d e 350d, ambas a diesel, além do 350de (que acrescenta a esse combustível a tecnologia híbrida plug-in).

Para o Brasil, ainda não foram confirmadas as motorizações que serão oferecidas.

Tudo bem que esse Mercedes-Benz tem bom isolamento acústico, sistemas de direção e freios competentes, além de câmbio bem escalonado – capaz de conseguir o melhor rendimento possível do conjunto mecânico, mesmo com os cinco passageiros a bordo.

Espaço para os passageiros aumentou e há opção de ajustes elétricos em até seis posições na segunda fileira

Espaço para os passageiros aumentou e há opção de ajustes elétricos em até seis posições na segunda fileira (Divulgação/Mercedes-Benz)

Mas também há alguns opcionais que ajudam a causar boa impressão, como a suspensão a ar com E-Active Body, que trabalha com um dispositivo hidráulico que dispensa as barras estabilizadoras.

E como as rodas do mesmo eixo não estão unidas, isso significa mais valentia para percursos off-road.

Vale lembrar que a tecnologia elétrica de 48V não serve apenas para breves acelerações: também controla a inclinação ativa da carroceria, fazendo com que o SUV de 2 toneladas se atire para dentro das curvas como um motociclista, reduzindo ao máximo os movimentos laterais.

Já a função Free Driving permite sair de terrenos irregulares ou arenosos estendendo a suspensão para aumentar o contato do pneu com o piso até  recuperar a tração necessária.

A nova geração do GLE é espaçosa, funcional, além de oferecer equipamentos de conectividade e entretenimento mais sofisticados que existem nessa indústria atualmente.

Dinamicamente, ele já deverá corresponder às expectativas nas versões de entrada com motor de quatro cilindros diesel e suspensão simples.

Entretanto, é na configuração topo de linha que o SUV surpreende pela desenvoltura no asfalto (e fora dele) até roubar sorrisos do motorista.

Ficha técnica – Mercedes-Benz GLE 450

  • Preço: 80.000 euros
  • Motor: dianteira longitudinal, 6 cil. em linha, 24V, turbo, injeção direta, 2. 999 cm³, 83 x 92,4 mm, 10,5:1, 367 cv a 5. 500 rpm, 51 mkgf a 1.600 rpm
  • Câmbio: automática, 9 marchas, tração 4×4
  • Direção: elétrica
  • Suspensão: duplo A (dianteira) e multilink (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira) e sólido (traseira)
  • Pneus: 235/65 R18
  • Dimensões: comprimento, 492,4 cm; altura, 177,2 cm; largura, 194,7 cm; entre-eixos, 299,5 cm; peso, 2.220 kg; tanque, 65 litros; porta-malas, 825 litros (com 5 pessoas)
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 5,7 s; veloc. máx. de 250 km/h, eletronicamente limitada (dados de fábrica)
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s