Clique e assine por apenas 8,90/mês

Chevrolet Bolt, um elétrico com autonomia de quase 400 km

Andamos no carro que a GM criou para mostrar que está preocupada com o planeta. Ele permite até pequenas viagens, algo impensável na maioria dos rivais

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 8 set 2017, 15h43 - Publicado em 8 set 2017, 15h42
O elétrico custaria o mesmo que um Camaro, cerca de R$ 310.000
O elétrico custaria o mesmo que um Camaro, cerca de R$ 310.000 Divulgação/Chevrolet

O consumidor norte-americano é famoso pelo exagero na hora de comprar carro. Em geral, o pensamento é simples: quanto maior, melhor. Picapes, SUVs e sedãs grandalhões determinam a largura das faixas e das vagas de estacionamento, sempre gigantescas.

Mas, aos poucos, eles vêm mudando essa relação de consumo. Estados como o da Califórnia contam com uma eficaz política de incentivo à compra de carros menos poluentes, como híbridos e elétricos.

E são justamente esses modelos o passaporte para o futuro da indústria automotiva. É mais ou menos esse o papel do Bolt dentro da GM.

Fomos até Detroit, em Michigan, nos Estados Unidos, para avaliar o modelo cuja relevância para a marca vai muito além da pretensão das vendas.

Meio hatch, meio minivan, O Bolt lembra um Fit avantajado
Meio hatch, meio minivan, O Bolt lembra um Fit avantajado Divulgação/Chevrolet

“Claro que esperamos uma boa receptividade do consumidor, mas a função real do Bolt é projetar o que a marca tem a oferecer em termos de carros de um futuro próximo, que são os híbridos (como o Volt) e os elétricos (como o próprio Bolt).

Continua após a publicidade

O primeiro choque (com o perdão do trocadilho), vem com o design. Com apenas 4,17 m de comprimento, o Bolt parece um Honda Fit anabolizado, com porte semelhante ao do Kia Soul.

Diferentemente do Volt, seu irmão híbrido, o Bolt tem linhas discretas, sem elementos exagerados que comumente são vistos em carros ecofriendly (amigos da natureza), como é o caso do Toyota Prius, o mais famoso dessa turma.

Recarga rápida de 30 minutos garante uma rodagem de 145 km
Recarga rápida de 30 minutos garante uma rodagem de 145 km Divulgação/Chevrolet

Na dianteira, a equipe de design pegou leve: para não intimidar o cliente, algumas partes pretas ocupam o lugar que seria das grades em um carro com motor a combustão.

A tomada de ar, de fato, ocupa apenas uma pequena porção do para-choque, uma vez que o sistema de arrefecimento (a líquido) das baterias é bem menos complexo do que o de um motor convencional.

A tampa do sistema de “abastecimento” no para-lama dianteiro lembra a que dava acesso ao tanquinho de partida a frio do antigo Fit. Mas no Bolt ela protege os plugues do sistema de recarga. E por falar em recarga…

Continua após a publicidade

O sistema de baterias de lítio tem capacidade máxima de 60 kWh e é composto por 288 células divididas em três conjuntos, todos dispostos abaixo do assoalho da cabine.

gravidade: o conjunto de baterias, com 435 kg, está instalado no assoalho do Bolt
O bom comportamento nas curvas se deve ao baixo centro de gravidade: o conjunto de baterias, com 435 kg, está instalado no assoalho do Bolt Divulgação/Chevrolet

Pelo equivalente a R$ 2.500, o comprador leva um kit de recarga rápida, com preparação do próprio carro e uso de um plugue especial. Com ele, uma recarga de apenas 30 minutos garante energia suficiente para rodar 145 km.

Recarga rápida de 30 minutos garante uma rodagem de 145 km
Recarga rápida de 30 minutos garante uma rodagem de 145 km Divulgação/Chevrolet

Segundo a marca, completar uma bateria do zero em uma tomada convencional de 220 V demora pouco mais de nove horas, ou seja, enquanto você dorme, seu Bolt recarrega completamente suas energias na garagem.

convencional de 220 V as baterias precisam de até nove horas para carregar totalmente
Em uma tomada convencional de 220 V as baterias precisam de até nove horas para carregar totalmente Divulgação/Chevrolet

Isso feito, surge o grande trunfo do Bolt: a boa autonomia de 383 km. Claro que esse número varia em função do estilo de condução, e condições de uso, clima e topografia, mas também é verdade que o número foi obtido segundo o teste-padrão americano, assim como os rivais Focus Electric (apenas 122 km) e o Nissan Leaf (172 km).

A GM liberou para a nossa avaliação uma versão top do Bolt, Premier, com todos os opcionais, de US$ 43.510 (cerca de R$ 143.000 em conversão direta).

Continua após a publicidade

Mas desconsidere esse valor, pois em muitos estados americanos, a lei de incentivo concede descontos relevantes (de quase 20%) para híbridos e elétricos.

Na Califórnia, por exemplo, o Bolt básico (LT, de US$ 37.495, ou R$ 123.750) sai por US$ 29.995, ou R$ 98.980. Ainda é caro, afinal um Cruze top de linha sai por US$ 24.350, ou R$ 80.350.

E para um consumidor acostumado com modelos gigantes, pesados e com beberrões motores V8, um sedã compacto, peso-pena e com um eficiente 1.4 turbo como o Cruze já parece ser uma opção de carro ecofriendly.

Mas a despeito do que o americano acha do Bolt, nós fomos até Detroit para tirar as nossas impressões do elétrico que começa a chegar a toda a rede Chevrolet nos EUA.

Até no sistema multimídia, o elétrico inova: de maneira fora do convencional, ele não tem um sistema nativo de GPS. Faz sentido, afinal seus potenciais donos são conectados e em sua enorme maioria vão preferir ser guiados pelo navegador do celular, conectado à central via Apple CarPlay ou Android Auto.

Continua após a publicidade
Bolt Premier: espelho com câmera e dez airbags
Bolt Premier: espelho com câmera e dez airbags Divulgação/Chevrolet

Ao volante, o Bolt empolga com respostas instantâneas do acelerador e não chega a ser incomodamente arisco. Seu sistema de freio regenerativo também introduz uma novidade.

Além de poder ser inibido, permite ao piloto aumentar a força de frenagem em paradas longas por meio de uma borboleta atrás do volante, no lado esquerdo, ampliando a quantidade de energia (convertida de cinética para elétrica) enviada para as baterias.

Os bancos dianteiros e traseiros são aquecidos
Os bancos dianteiros e traseiros são aquecidos Divulgação/Chevrolet

Mas o Bolt seria um carro sem graça, se tudo nele fosse racional. O retrovisor interno é um grande barato. Seu espelho interno encobre uma tela capaz de exibir as imagens captadas por uma câmera na traseira.

Uma vez ativado, o motorista vê um ângulo mais aberto do que se passa atrás, sem a interferência de eventuais passageiros do banco traseiro.

Segundo uma fonte ligada à GM, a vinda do Bolt para o Brasil está completamente descartada: “Custaria o mesmo que um Camaro (R$ 310.000), o que inviabilizaria a venda”.

Continua após a publicidade
Câmbio joystick traz sofisticação ao interior
Câmbio joystick traz sofisticação ao interior Divulgação/Chevrolet

Ainda que distante da maioria dos americanos e inatingível para os brasileiros, não há como negar: o Bolt, com sua autonomia campeã, vai deixar muita gente ligada nele.

Veredicto

Com autonomia mais próxima do cotidiano do consumidor, o Bolt é uma alternativa elétrica real, mas ainda é preciso estar disposto a pagar alto para rodar com a consciência mais tranquila.

Ficha técnica – Chevrolet Bolt

  • Preço: US$ 43.510
  • Motor: elétrico, 200 cv (150 kW), 36,8 mkgf (360 Nm), baterias de íons de lítio, 60 kWh, 3 conjuntos com 96 células
  • Câmbio: transmissão direta, diant.
  • Suspensão: independente, McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
  • Freios: disco ventilado (diant.) e disco sólido (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Pneus: alumínio, 215/50 R17
  • Dimensões: comprimento, 416,6 cm; largura, 176,5 cm; altura, 159,5 cm; entre-eixos, 309,6 cm; peso das baterias, 435 kg; peso do carro, 1.616 kg; porta-malas, 478 l
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 7s, autonomia de 383 km (dados de fábrica)
Publicidade