Clique e assine por apenas 8,90/mês

Impressões ao dirigir: Novo Mercedes Classe A

O hatch muda no visual, nos motores e incorpora o novo sistema multimídia com recursos de inteligência artificial

Por Paulo Campo Grande, de Trogir (Croácia) - 9 jul 2018, 15h58
Cabine maior: distância entre-eixos passou de 270 para 273 cm Divulgação/Mercedes-Benz

O novo Mercedes Classe A, quem diria, quebra uma tradição que durava desde os anos 1950: a do sedã Classe S ser o portador das novas tecnologias na marca.

O hatch, que foi lançado mês passado na Europa e que chega ao Brasil em novembro, é o primeiro Mercedes equipado com o novo sistema de informação e entretenimento MBUX (Mercedes-Benz User Experience), com o que há de mais avançado em aspectos como capacidade de processamento, interface gráfica e inteligência de algoritmos.

Tablet com duas telas substitui painel e central multimídia Divulgação/Mercedes-Benz

Entre outros atributos, o MBUX tem recursos de inteligência artificial que o tornam capaz de aprender a rotina do usuário e sugerir ações como visitar determinados lugares ou fazer ligações para pessoas em horários específicos.

Sistema MBUX pode ser adicionado por meio de telas touch Divulgação/Mercedes-Benz

O MBUX consiste de um tablet com duas telas que substituem os tradicionais painel de instrumentos e visor da central multimídia.

Ele pode ser controlado como um tablet comum (por meio de toques e movimentos com os dedos nas telas), pelo touchpad (no console), por botões (no volante) e comandos de voz.

Touchpad no console Divulgação/Mercedes-Benz

Em nosso teste, nos pareceu sempre muito fácil e intuitivo ativar as funções desejadas. O menu da tela da direita pode ser replicado na da esquerda para que o motorista se concentre na estrada.

E os comandos de voz podem ser feitos de maneira natural, sem precisar empostar a voz ou dizer claramente todas as sílabas das palavras. O carro de teste só conversava em inglês, mas, segundo a Mercedes, o sistema tem condições de entender 23 idiomas e pode facilmente aprender variações como o português falado no Brasil, diferente do de Portugal.

Teclas no volante e por comando de voz Divulgação/Mercedes-Benz

Para acionar o sistema, bastava dizer “Hey, Mercedes” e dar a ordem desejada. Quando ele não entendia, pedia para repetir.

De acordo com a fábrica, com o tempo os equívocos tendem a desaparecer, uma vez que a central aprende a reconhecer a maneira de as pessoas se expressarem sendo capaz de atender até mesmo pedidos feitos por meio de frases indiretas como “Estou com frio”, em vez de “Aumente a temperatura da cabine”. 

O MBUX é a principal inovação do carro, mas não é a única. O Classe A ficou três centímetros maior na distância entre-eixos e ganhou 1,4 cm na bitola dianteira, medidas que serviram para melhorar a dirigibilidade e ampliar o espaço na cabine.

Antes fixos, os encostos de cabeça agora são ajustáveis Divulgação/Mercedes-Benz

De fato, ao volante, nós sentimos o Classe A mais bem assentado e dono de uma cabine com mais conforto, principalmente para quem viaja no banco traseiro. O design, que aparentemente é apenas uma evolução estilística do antecessor, consumiu horas de estudos aerodinâmicos.

Cabine acomoda cinco adultos com conforto Divulgação/Mercedes-Benz

E sistemas já conhecidos, como os dispositivos eletrônicos de assistência ao motorista, também foram aperfeiçoados.

Um exemplo é o piloto automático adaptativo ativo, que, além de regular a velocidade e a distância do carro à frente, agora ainda pode alertar o motorista sobre alguma manobra de risco e, dependendo do caso, fazer as correções necessárias.

Continua após a publicidade

Durante nosso test drive, observamos o novo ACC em ação, quando, em uma curva, deixamos o carro escapar levemente, começando a invadir a faixa contrária.

Para evitar que isso ocorresse, o sistema girou o volante trazendo o carro de volta à trajetória e acionou o freio na roda traseira do lado interno da curva.

O Classe A foi apresentado em três versões: A 180 (diesel), A 200 (gasolina) e A 250 (gasolina). No Brasil, haverá apenas as versões movidas a gasolina.

A primeira a chegar, em novembro, será a A 250, equipada com o conhecido motor 2.0, mas com melhorias como novo comando de válvulas variável e pacote de redução de atrito, que lhe renderam 15 cv a mais, fazendo sua potência máxima subir de 211 para 226 cv.

Dois motores a gasolina: 1.4 de 163 cv (acima) e 2.0 de 226 cv Divulgação/Mercedes-Benz

A A 200 virá no primeiro trimestre de 2019, com um motor 1.4 inteiramente novo, com turbocompressor variável, dispositivo de corte de cilindros e 163 cv de potência. Esse motor, que no princípio não será flex, substitui o 1.6 Turbo Flex que entregava de 156 cv.

Tanto a A 200 quanto a A 250 serão equipadas com o câmbio 7GTronic, automático de sete marchas.

Nós dirigimos as duas versões pelas ruas e estradas da Croácia, onde foi feita a apresentação, e podemos dizer que a A 200 é um carro que vai bem para o dia a dia, com agilidade no trânsito e segurança para ultrapassar nas estradas.

Mas, para quem gosta de sentir que o carro tem força de reserva, que responde ao mínimo movimento de pedal, a A 250 não tem comparação. Ela é bem mais esperta e gostosa de dirigir.

De acordo com a fábrica, a A 200 faz de 0 a 100 km/h em 8 segundos e atinge a velocidade máxima de 225 km/h, enquanto a A 250 acelera em 6,2 segundos e chega a 250 km/h. Em relação ao consumo, no ciclo de uso misto europeu, a A 200 faz 17,9 km/l contra a média de 15,4 km/l da A 250.

Hatch ganhou aerofólio maior e ombros mais largos Divulgação/Mercedes-Benz

A Mercedes ainda não definiu as configurações para o Brasil. As unidades avaliadas eram completas, com bancos de couro, detalhes em alumínio no painel e equipamentos como ACC ativo, detector de pontos cegos, head-up display e teto solar.

Segundo a empresa, porém, pode-se esperar pela maioria dos itens apresentados nos carros, com exceção do serviço de concierge Mercedes Me e eventualmente algum dispositivo que dependa de homologação nas autoridades brasileiras.

Banco traseiro tripartido e porta-malas de 370 litros Divulgação/Mercedes-Benz

A fábrica ainda não fala em valores. Mas diz que o carro manterá o posicionamento. Ou seja: continuará na mesma faixa de preço. Atualmente, a A 200 custa R$ 153.900 e a A 250 sai por R$ 210.900. Dá para esperar algum aumento, porém. Afinal, a vanguarda tem seu preço.

Veredicto

Na quarta geração, o Classe A evoluiu bastante e deixou de ser o patinho feio da Mercedes

Ficha técnica –  Mercedes-Benz Classe A

  • Preços:  R$153.900 a R$210.900
  • Motor:  Gas., diant., long., 4 cilindros., 16v inj. direta, turbo. A 200:1.4, 1.332 cm, 163 cv a 5.500 rpm, 25,5 mkgf a 1.620 rpm. A 250:2.0, 1.001 cm, 226 cva 5.500 rpm, 35,7 mkgf a 1.800 rpm.
  • Câmbio:  automático, 7 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: A 200- McPherson (diant.) eixo de torção (tras.). A 250- McPherson (diant,)/multilink (tras.)
  • Freios: Disco ventilado (diant.), sólido (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: A 200-205/60 R16, A 250-205/55 R17
  • Dimensões: Comprimento 441,9; largura, 179,6 m; altura: 144,5 cm; entre-eixos, 272,9 cm; peso. 1.375 kg. (A 200)/1.445kg. (A 250); tanque, 48L; porta-malas, 370L
Continua após a publicidade
Publicidade