Clique e assine por apenas 5,90/mês

Mercedes-Benz Classe S, conforto de primeira classe

O sedã mais luxuoso da Mercedes nunca esteve tão tecnológico - e está perto de ser o primeiro carro autônomo da história da marca

Por Vitor Matsubara, de Zurique (Suíça) - Atualizado em 24 jan 2018, 18h29 - Publicado em 17 out 2017, 20h26
A reestilização foi tão sutil que é difícil notar os novos faróis e o para-choque redesenhado Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Até quem não gosta de carros sabe identificar um Mercedes-Benz. Essa fama mundial se deve em grande parte ao Classe S. A nomenclatura adotada desde 1972 (quando o W116 chegou às ruas) vem do alemão “Sonderklasse”, ou “classe especial”, em português.

Esse nome nunca fez tanto sentido quanto em sua sexta geração, cuja reestilização estreia no Brasil neste mês.

Com 5,26 metros, o Classe S reúne o que há de melhor na Mercedes-Benz Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Não perca tempo procurando-as do lado de fora. Se antes o Classe S ditava as referências de estilo da linha Mercedes, agora falta personalidade ao sedã. As alterações visuais são tão sutis que apenas um especialista na marca poderá identificá-las rapidamente.

Os faróis ganharam três fileiras de led com intensidade variável, e a clássica grade frontal foi redesenhada, assim como os para-choques. Retoques ainda mais leves foram feitos na traseira, embora as lanternas ainda lembrem (e muito) o estilo adotado no Classe C.

Faróis preservaram o formato do modelo anterior, mas ganharam fileiras de leds Dieter Rebmann/Mercedes-Benz
Desenho das lanternas lembra muito as do Classe C Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Abro a porta e me deparo com duas enormes telas de 12,3 polegadas cada, uma atrás do volante, outra no centro. Por meio delas é possível visualizar as informações do computador de bordo, escolher entre os quatro modos de condução e selecionar a temperatura do ar-condicionado em qualquer uma das quatro zonas da cabine.

São 64 cores de iluminação interna, inclusive algumas de gosto duvidoso Dieter Rebmann/Mercedes-Benz
Tela de 12,3 polegadas substitui o painel analógico convencional Dieter Rebmann/Mercedes-Benz
Usuário pode personalizar disposição dos mostradores e as informações exibidas na tela Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Lembra da antiga alavanca do piloto automático posicionada abaixo da chave de seta? Finalmente ela foi substituída por um grupo de botões posicionados do lado esquerdo do volante.

Se era hora de mudar, então a Mercedes poderia ter investido em comandos mais práticos para a central multimídia – ou uma simples tela sensível ao toque. Navegar pelos menus demanda tempo e habilidade para se acostumar tanto ao botão giratório quanto ao touchpad.

Nada de alavanca: agora o piloto automático (adaptativo) é ativado por botões no volante Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Vários botões e alavancas são compartilhados com os modelos inferiores da linha, um pecado para um carro da estirpe do Classe S. Já o painel combina detalhes tradicionais, como os apliques em madeira e o clássico relógio analógico da suíça IWC, com toques de ousadia (leia-se extravagância) incomuns para o mais clássico dos Mercedes-Benz.

Interior tem predominância de materiais nobres, como madeira, alumínio e couro Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

É o caso do filete de led percorrendo toda a extensão do painel e das portas, cuja cor da iluminação pode ser alterada ao toque de um botão.

Ninguém na montadora admite, mas detalhes como esse foram criados pensando em clientes de mercados altamente rentáveis para a marca, como o Oriente Médio e sobretudo a China – onde o modelo responde por incríveis 33% das vendas locais.

Sistema de som tem 1.520 Watts de potência e alto-falantes por toda a cabine Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Goste ou não, a ambientação interna faz parte de um sistema de relaxamento a bordo chamado pela marca de Energizing. São seis programas que sincronizam os sistemas de climatização (que exalam fragrâncias especiais), som e massageadores dos bancos dianteiros por dez minutos.

Quem viaja atrás tem poltronas reclináveis e acesso aos principais comandos Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

O Classe S pode não desfrutar do mesmo charme de antes, mas ainda é o modelo mais tecnológico da gama. Essa geração dá um importante passo rumo ao futuro da condução autônoma trazendo novos sistemas.

Se equipado com o pacote opcional Driving Assistance, o Classe S aproveita as informações do GPS para estudar o percurso e evitar surpresas. O sedã reduz a velocidade para contornar uma curva fechada e volta a acelerar para retomar a velocidade programada. Curiosamente, a condução semiautônoma segue o modo de condução selecionado.

Continua após a publicidade

Escolha o modo Comfort e o Classe S andará tranquilamente. Se mudar para o modo Sport, o carro freia mais tarde e acelera de forma mais vigorosa.

Banco traseiro tem refrigerador entre os assentos e sistema de entretenimento atrás dos bancos dianteiros Dieter Rebmann/Mercedes-Benz
Bancos individuais possuem comandos elétricos e massageador Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Precisa mudar de faixa? Basta acionar a seta para o veículo se encarregar do resto. Caso haja um automóvel se aproximando em um cruzamento, as câmeras e sensores do Classe S calculam a velocidade do outro carro, desacelerando ou freando o sedã para evitar a colisão.

Na hora de estacionar, o motorista não precisa frear nem selecionar as marchas necessárias para completar a manobra. Aliás, dá até para ficar do lado de fora do veículo, já que tudo pode ser controlado por um aplicativo de smartphone.

E, caso o motorista permaneça muito tempo sem colocar as mãos no volante, o sistema interpreta a falta de interação como uma situação de emergência. Assim, o veículo para de forma gradual, destrava as portas, aciona o pisca-alerta e faz uma ligação para o serviço de resgate.

Das dez versões disponíveis na Europa, apenas três serão importadas para o mercado brasileiro: a inédita S 560 e as AMG S 63 e S 65. Ambas possuem entre-eixos alongado e um motor 4.0 V8 biturbo, preparado para render 475 cv no S 560 e 620 cv no caso da AMG S 63. Na AMG S 65, o motor 6.0 V12 entrega 630 cv.

Motor 4.0 V8 biturbo rende 475 cv na versão S 560 Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Quem estiver atrás do volante não se decepcionará com o rodar extremamente suave do S. Praticamente não se ouve o som dos oito cilindros trabalhando nas acelerações, tanto pelo ótimo isolamento acústico quanto pelo rodar silencioso.

A história só muda se o motorista selecionar um dos modos esportivos. Aí o silêncio é irrompido por um ronco mais grave, principalmente no modo Sport+. As respostas, porém, são sempre imediatas, independente de qual seja o modo selecionado.

Piloto automático se ajusta à velocidade do carro à frente a até 210 km/h Dieter Rebmann/Mercedes-Benz

Ágil para um carro de 5,26 metros de comprimento, o sedã transmite uma grande sensação de segurança nas curvas, sobretudo pela atuação do sistema que inclina a suspensão em 2,65 graus para o lado interno da curva. A intenção é amenizar a rolagem da carroceria.

Diante de tantas novidades, só uma coisa nunca mudou nas seis gerações do Classe S: a exclusividade. O sedã é caro até para os padrões europeus, onde o modelo começa em 88.476 euros e pode passar dos 200.000 euros na ultraluxuosa versão Maybach S 650.

A Mercedes-Benz oferece três versões do sedã no Brasil, todas com entre-eixos alongado: a S 560 L sai por R$ 769.900, a AMG S 63 L V8 custa R$ 974.900 e a AMG S 65 L V12  é oferecida pela bagatela de R$ 1.166.900. Sorte de quem pode ter um.

Veredicto

Requinte e exclusividade são as palavras de ordem do S, um carro que (quase) anda sozinho.

Ficha técnica – Mercedes-Benz S 560

Preço: R$ 769.900
Motor: gas., diant., longit., V8, 3.982 cm3, 32V, 83,0 x 92,0 mm, 10,5:1, 475 cv a 5.250 rpm, 71,4 mkgf a 2.000 rpm
Câmbio: aut., 9 marchas, tração integral
Suspensão: ind. multilink (diant.e tras.)
Freios: discos ventilados(diant. e tras.)
Direção: elétrica
Rodas e pneus: 245/50 R18
Dimensões: comp., 525,5 cm; largura, 189,9 cm; altura, 149,4 cm; entre-eixos, 316,5 cm; peso, 2.070 kg; tanque, 80 l; porta-malas, 530 l
Desempenho: 0 a 100 km/h em 4,7 s, vel. máx., 250 km/h

 

Continua após a publicidade
Publicidade