Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Chevrolet Tracker LTZ 1.8

A Chevrolet abre fogo na direção do EcoSport e lança o seu SUV urbano

Por Péricles Malheiros | Fotos Marco de Bari Atualizado em 9 nov 2016, 00h50 - Publicado em 29 out 2013, 12h12
testes

A moda começou no Brasil em 2004, com a primeira geração do EcoSport. Em menos de uma década, a concorrência – e a própria Ford – se deu conta de que os SUVs montados sobre plataformas de carros pequenos significavam mais do que uma boa aposta. Eles eram uma tendência a ser seguida ao redor do planeta e quem não tivesse um em seu showroom deixaria de ganhar mercado – e dinheiro. Por ter chegado primeiro, o EcoSport ainda nada de braçada: já está na segunda geração, é líder do segmento e goza do status de ser um carro global. O Chevrolet Tracker quer, no mínimo, ofuscar o Eco.

O nome do lançamento da GM não é inédito: é o mesmo que identificava o jipinho vendido por aqui até 2010 – na verdade um Suzuki Vitara com logotipo Chevrolet. “Nossas pesquisas indicaram que o nome ainda estava vivo na memória das pessoas, sempre associado a um espírito aventureiro”, diz Hermann Mahnke, diretor de marketing da GM. Ao redor do planeta, o Tracker tem os mais diversos nomes: Encore (produzido pela Buick), Mokka (Opel) e Trax, feito pela própria Chevrolet, no México. É de lá, aliás, que virão os Tracker que abastecerão o mercado brasileiro, que começa a comercializar o modelo em outubro.

Pelo porte da missão, a estratégia de lançamento do Tracker é tímida. Inicialmente, o carro chega apenas na versão LTZ, sempre com o mesmo motor do Cruze, um quatro-cilindros 1.8 de 144/140 cv, regido por um câmbio automático de seis marchas com trocas sequenciais por meio de botões na lateral da alavanca. Airbags laterais e do tipo cortina e teto solar elétrico compõem o único pacote de equipamentos, chamado pela marca de LTZ 2, de 75 490 reais – o LTZ 1 custa 71 990. Não é novidade que EcoSport e Duster dependem muito das versões mais simples (e baratas), com motor 1.6 e câmbio manual, para se manter no topo do segmento. “Ao menos na fase inicial, optamos por mirar nas versões mais completas dos rivais”, diz Mahnke. No entanto, é claro que a GM sabe da real situação. “A fase de lançamento é o período no qual é possível forçar um pouco a venda da versão completa. Além disso, a fábrica do México é responsável por abastecer vários mercados com o Tracker e, nos primeiros meses, não haveria como atender a um pedido muito grande”, diz uma fonte ligada à marca. Ou seja, a versão boa de briga, a LT, mais simples e mais em conta, vai ficar para uma segunda fase.

O design do Tracker segue o DNA de estilo da Chevrolet: grade grande e bipartida pela gravata dourada e faróis que invadem para-lama e capô. “Repare nos faróis de parábola dupla. Eles também passam a compor a identidade visual da marca”, diz Dagoberto Tribia, diretor de design da GM no Brasil. No México, o Trax tem faróis com máscara negra, enquanto em Portugal o Opel Mokka oferece até xenônio. No perfil, destacam-se os para-lamas volumosos e as maçanetas em dois andares, com as da porta traseira num ponto claramente mais elevado. Atrás, as lanternas imitam os faróis e também avançam pelas laterais. O aerofólio no topo da tampa do porta-malas tem por função dar fluidez ao ar, diminuindo o arrasto aerodinâmico.

Com 4,25 metros de comprimento, 1,78 de largura e 1,65 de altura, o Tracker tem porte mais para o EcoSport (respectivamente 4,24/1,77/1,70) do que para o Duster (4,32/1,82/1,70). Mas não há como negar: ao vivo, o Tracker passa a impressão contrária. A colocação do estepe na traseira, à moda EcoSport, foi cogitada nos primeiros esboços do Tracker, mas a ideia logo foi abandonada. “Fizemos alguns ensaios com o estepe na tampa, mas no fim optamos por imprimir um estilo mais limpo e refinado”, diz o vice-presidente de engenharia, William Bertagni, que participou ativamente de todo o projeto do anti-Eco.

Avaliado no campo de provas da GM, em Indaiatuba (SP), o Tracker cedido para teste cumpriu a prova de aceleração de 0 a 100 km/h em 11,3 segundos, um tempo melhor que o divulgado pela fábrica, de 11,5. O Eco 2.0 automatizado, porém, foi um pouco mais rápido: 10,7 segundos.

Na cabine você encontra um painel exclusivo, mas, não por acaso, há traços de Spin (duplo porta-luvas), Sonic (saídas de ventilação estilo turbina) e Cobalt (quadro de instrumentos com velocímetro digital em evidência). Tracker, Spin, Sonic, Cobalt, Onix e Prisma são montados sobre a plataforma GSV, a arquitetura global de veículos pequenos da GM. Na traseira, o tunel central é baixo e os bancos contam com sistema de rebatimento leve e intuitivo. Apesar de a ficha técnica oficial informar que o porta- malas tem 306 litros, o compartimento passa a nítida impressão de ser maior que o do EcoSport – o site da GM do Canadá indica volume de 530 litros.

Ao volante, o destaque do Tracker é, sem dúvida, a boa calibragem da suspensão, capaz de garantir bom nível de conforto e estabilidade. Mais assentado, o pequeno SUV da Chevrolet balança menos nas curvas que o Eco e o Duster, o que significa uma viagem mais confortável e com maior sensação de segurança. Decepciona, porém, a ausência de controles eletrônicos de estabilidade e tração, itens de série no nosso EcoSport FreeStyle e no Tracker LTZ vendido no México.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

Rodas grandes costumam valorizar o design, mas comprometem o conforto. A suspensão do Tracker, no entanto, é bem acertada, com equilíbrio satisfatório de silêncio, maciez e estabilidade.

★★★★

Continua após a publicidade

MOTOR E CÂMBIO

O câmbio poderia oferecer borboletas de troca de marchas junto ao volante.

★★★★

Continua após a publicidade

CARROCERIA

A carroceria com espaços regulares, simétricos e estreitos denotam uma qualidade de montagem muito superior à do EcoSport.

★★★★

Continua após a publicidade

VIDA A BORDO

Para quem precisa, ou simplesmente gosta de porta-objetos, o Tracker é o carro ideal: são 25 espaços, segundo a GM. Itens de conforto e conveniência também facilitam a vida.

★★★★

Continua após a publicidade

SEGURANÇA

O Eco, alvo do Tracker, oferece controles de estabilidade e tração a partir da versão FreeStyle 1.6, de 61 500 reais. Pior: o Tracker LTZ mexicano oferece os dispositivos como item de série, assim como airbags laterais e do tipo cortina – aqui, apenas como opcionais.

★★★☆

SEU BOLSO

A versão LTZ do Tracker mira no Eco Titanium, que vende pouco diante do FreeStyle. A briga só deve esquentar mesmo com a chegada da versão LT, em 2014.

★★★☆

OS RIVAIS Ford EcoSport

648_tracker_17.jpeg

Por 75 075 reais, o Titanium 2.0 tem câmbio de dupla embreagem, motor com 147 cv, chave presencial e ESP.

Renault Duster

648_tracker_18.jpeg

O Duster é o maior SUV da turma e custa menos (61 990 reais a versão Tech Road), mas será remodelado em 2014.

VEREDICTO

O perfil do consumidor brasileiro de SUVs pende para versões intermediárias em preço e conteúdo, na faixa dos 60 000 reais. Ou seja, as vendas do Tracker só deverão decolar mesmo a partir do ano que vem, com a chegada da versão LT.

Continua após a publicidade

Publicidade