Clique e assine por apenas 8,90/mês

Toyota Century: o luxuoso sedã da família imperial japonesa

Ícone da indústria local, sedã é o preferido de empresários e autoridades há décadas

Por Zeca Chaves, de Tóquio (Japão), com Vitor Matsubara - Atualizado em 26 out 2017, 18h09 - Publicado em 26 out 2017, 17h25
Design conservador e muito luxo: a terceira geração do Century é uma das atrações da Toyota em Tóquio Zeca Chaves/Quatro Rodas

Quando falamos em Toyota, logo pensamos em modelos como Corolla, Prius e Hilux. Porém, o Century é um dos modelos mais concorridos no estande da marca, já que o sedã é um ícone para os japoneses.

A Toyota está lançando a terceira geração do clássico que é considerado uma espécie de Rolls-Royce japonês. Apesar de esta ser sua terceira reedição, o Century já está nas ruas há cinco décadas.

 

Grade larga e faróis retangulares estão presentes desde a primeira geraçãoPrimeiro carro de luxo projetado no Japão, o sedã nasceu em 1967. Seu nome faz alusão ao centenário de Sakichi Toyoda, fundador da empresa falecido em outubro de 1930.

A semelhança com os tradicionais sedãs norte-americanos daquela época não era por acaso: sua missão era substitui-los na garagem das autoridades e empresários japoneses.

Rodas de liga leve raiadas lembram as antigas gerações do sedãTodos os detalhes evidenciam que o sedã é um capítulo à parte na linha Toyota. O tradicional logotipo estilizado da empresa foi substituído por uma fênix – o símbolo da família imperial.

Logotipo da Toyota foi substituído pela fênix, símbolo da família do Imperador Zeca Chaves/Quatro Rodas

Sua produção é limitadíssima: apenas 50 unidades são feitas por mês. Um artesão inspeciona todas as etapas da produção. Um tratamento especial na pintura exige várias etapas de lixamento e polimento para obter o efeito espelhado desejado.

O projeto tem algumas peculiaridades. O piso do veículo foi rebaixado para facilitar o acesso de idosos e mulheres vestidas com quimonos. Não há revestimento de couro nos bancos, pois os clientes preferem sentir o toque do tecido em lã de primeira qualidade.

Central multimídia: um toque de modernidade no conservador sedã Toyota/Divulgação
Bancos individuais tem massageadores e ajustes elétricos Toyota/Divulgação
Sobram comodidades para quem viaja atrás Toyota/Divulgação

Debaixo do capô, o Century agora usa um V8 5.0 com injeção direta de combustível e tecnologia híbrida. A potência é de 394 cv, mas a Toyota não divulgou informações sobre a parte mecânica, nem dados de desempenho. Seu lançamento está programado para 2018.

Estilo sóbrio lembra os modelos da Rolls-Royce Zeca Chaves/Quatro Rodas

Luxo e sobriedade: as marcas do carro do imperador

É difícil encontrar diferenças entre as três gerações do Century. Seu design sempre foi excessivamente conservador. A larga grade cromada tem a companhia de faróis retangulares. As formas retas já viraram marca registrada do sedã, assim como os apliques cromados em volta das janelas.

Nome homenageava o centenário do fundador da Toyota Toyota/Divulgação

Tamanho nunca foi problema desde a primeira geração. Eram 5,12 metros de comprimento, 1,89 metro de largura, 1,45 metro de altura e 2,86 metros de distância entre-eixos.

Continua após a publicidade

Curiosamente, os espelhos retrovisores fixados quase em cima dos para-lamas dianteiros (uma peculiaridade de vários projetos japoneses dos anos 60 e 70) só foram movidos para o lugar convencional no fim dos anos 2000.

O motor 3.0 V8 tinha comando de válvulas no bloco e câmaras de combustão hemisféricas. Com 150 cv e torque máximo de 24 mkgf, o carro atingia a velocidade máxima de 170 km/h.

O câmbio era automático de três marchas e a suspensão era independente na dianteira e com eixo rígido atrás, sempre com calibragem priorizando o conforto.

Interior nunca teve couro; a Toyota diz que seus donos preferem revestimento em lã reprodução/Internet

Durante os 50 anos de vida do modelo, o Century recebeu novas motorizações (como um V8 3.4 de 170 cv, posteriormente substituído por um V8 4.0 com injeção eletrônica em meados dos anos 90) e freios a disco no lugar dos tambores.

O design foi discretamente atualizado, tomando sempre o cuidado de não desagradar quem apreciava seu estilo conservador. Em 1991, o Century ganhou uma versão 15 cm maior e havia ainda a opção de uma limousine com 5,77 metros de comprimento e entre-eixos de 3,51 metros.

Dois anos mais tarde, o sedã ganhou airbag para o motorista e uma nova reestilização.

Espelhos retrovisores acima dos para-lamas só mudaram de lugar no fim dos anos 2000 Toyota/Divulgação

A segunda geração surgiu em 1997, e os mais desavisados nem notaram as diferenças. As maiores alterações foram realizadas do lado de dentro, especialmente para quem viaja atrás.

Masseageadores, cortinas nas janelas e banco dianteiro direito rebatível eram oferecidos de série. O Century tinha até o sofisticado mecanismo de sucção das portas, até hoje um item oferecido apenas nos modelos mais luxuosos das marcas europeias.

O motor era um V12 5.0 associado à tração traseira – configuração inédita em um carro japonês. Equipado com duplo comando nos cabeçotes, o conjunto tinha apenas 280 cv e 46 mkgf, associado à transmissão automática de cinco marchas.

O sistema de freios trazia discos ventilados nas quatro rodas com função antitravamento (ABS) e a suspensão traseira virou independente.

Em 2005, o sedã ganhava uma caixa automática de seis marchas e o motor passou a poluir menos. No ano seguinte, o Century se tornaria o carro oficial do Imperador Akihito – que antes se locomovia a bordo de um Nissan Prince Royal 1967.

Feito exclusivamente para o Imperador, o Century Royal tem 6,15 m de comprimento Toyota/Divulgação

O Century Royal foi especialmente desenvolvido para Sua Majestade, oferecendo oito lugares distribuídos por 6,15 metros de comprimento, portas traseiras com abertura em sentido invertido e suspensão com molas pneumáticas.

Atualmente, o sedã ainda é o carro oficial do Imperador em seus compromissos oficiais.

Continua após a publicidade
Publicidade