Clique e assine por apenas 5,90/mês

Corsa, Astra, Zafira: carros da “francesa” Opel que queríamos no Brasil

Comprada pela PSA em 2017, Opel começa a renovar sua linha com plataformas e motores franceses

Por Henrique Rodriguez, de Frankfurt (Alemanha) - 12 set 2019, 07h00
Baseado no novo 208, novo Corsa faria bonito no Brasil Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

A Opel tem um passado no Brasil, ainda que indiretamente.

Além de ter tido alguns carros importados décadas atrás, foi ela quem desenvolveu a grande maioria dos modelos da Chevrolet lançados nos anos 1990 e 2000, como Corsa, Zafira, Meriva, Astra e Vectra.

Mas hoje ela sobrevive graças ao grupo francês PSA. E é a única marca do grupo presente no Salão de Frankfurt.

Vendida pela General Motors no início de 2017, a Opel vê sua gama sendo renovada em alinhamento com as novas gerações dos modelos equivalentes de Peugeot e Citroën. Nessas, chegou a ter seu furgão Combo registrado no Brasil pela PSA. 

Combo, o primeiro Opel registrado pela PSA no Brasil Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

O Opel Combo nasceu como uma variante do Corsa, mas hoje é uma multivan baseada na mesma plataforma dos novos Citroën Berlingo e Peugeot Rifter.

Tem versões de cinco e sete lugares, e dispõe de itens como portas traseiras corrediças, porta-trecos volumosos no teto e até um teto-solar panorâmico duplo. No Brasil, seria concorrente do Fiat Doblò – um carro que vive seus últimos dias no país.

Opel Zafira, de minivan a furgão Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

O furgão da Opel tem, pelo menos, um nome marcante para o brasileiro: Zafira Life. Na prática, é uma versão própria dos Peugeot Expert e Citroën Jumpy, que têm unidades montadas no Uruguai e vendidas no Brasil.

Novo Corsa usa mesma base do novíssimo 208 Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Só que há modelos muito mais interessantes na linha Opel para o Brasil. É o caso da nova geração do Corsa, grande atração da marca alemã nesta edição do Salão de Frankfurt. 

Vai dizer que um hatch chamado Corsa com esta pintura bitom não causaria frisson nos brasileiros? Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

O hatch compacto já está em pré-venda na Europa tanto nas versões com motor a combustão (15.510 euros) e elétrica (29.990 euros).

Continua após a publicidade
Cabine do novo Corsa lembra muito a de um Peugeot Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

O que a carroceria com traços alinhados com o estilo dos outros Opel esconde é que sua plataforma é a CMP, do novo Peugeot 208 e do DS 3 Crossback.

Reconhece esta central multimídia? Ela já equipa alguns PSA no Brasil, como o Citroën C4 Cactus Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Mas o interior não disfarça essa relação tão bem. Além da central multimídia, dos botões e do seletor do câmbio emprestados de modelos como 208 e 3008, a posição de dirigir é praticamente a mesma dos Peugeot.

Só não espere um espaço tão generoso para pernas no novo Corsa Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Embora o quadro de instrumentos digital fique atrás e não acima do volante, a coluna de direção mantém a mesma posição: recuada e baixa, mesmo quando no limite dos ajustes de altura e profundidade. O assento pode ser posicionado bem rente ao assoalho, como no 208.

Opel Grandland Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

O Opel Grandland X passa a mesma impressão. Embora tenha sido lançado antes mesmo da PSA comprar a Opel, ele é baseado no Peugeot 3008, e deixa isso evidente nos pequenos detalhes.

Em Frankfurt, a novidade é a versão Hybrid4, que combina o motor 1.6 THP em versão de 200 cv com dois motores elétricos de 109 cv, com autonomia 100% elétrica de 52 km.

Quem ainda mantém a essência dos Opel desenvolvidos pela General Motors é o Astra. O hatch médio foi reestilizado recentemente e recebeu, inclusive, novos motores fornecidos pela GM, caso do 1.4 turbo de 145 cv.

Astra seria a salvação dos hatches médios no Brasil? Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

De acordo com Miguel Tomé, diretor de Comunicação da Opel, o Astra seguirá à risca o cronograma estabelecido ainda quando a marca era controlada pelos norte-americanos.

A tendência, porém, é que o Astra passe a ser baseado no mesmo projeto que dará origem à próxima geração do Peugeot 308.

Para Tomé, o posicionamento de cada marca é bem claro para o consumidor europeu. Enquanto os DS assumem posição premium dentro da PSA, as demais marcas generalistas se diferem por suas características.

“A Opel tem proposta mais clássica no design, enquanto os Peugeot são mais modernos e os Citroën são focados no conforto. Modelos equivalentes de cada marca também têm, por exemplo, acerto de suspensão e direção próprios, o que lhes dá personalidade própria”, conta.

Continua após a publicidade
Publicidade