Grandes Brasileiros: Chevrolet Astra GLS, sucessor do Kadett

O hatch médio da Opel surpreendeu pelo desempenho e praticidade, consolidando seu nome no Brasil como referência no segmento

Clássicos Astra GLS A grade é a dos Vauxhall ingleses, mas com a gravata da Chevrolet

A grade é a dos Vauxhall ingleses, mas com a gravata da Chevrolet (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Lançado na Alemanha em 1984, o Chevrolet Kadett chegou ao Brasil cinco anos depois, pouco antes da abertura do mercado aos importados. Era o nacional mais atual, superior ao único rival, o Ford Escort.

Fez muito sucesso e, por um breve período, passou a dividir espaço com seu sucessor europeu: o Astra. Após cinco anos, o Kadett já não era capaz de enfrentar hatches médios como VW Pointer e Fiat Tipo, beneficiados pela praticidade das quatro portas.

A política cambial favorável às importações fez com que a GM trouxesse o Astra da Bélgica, que em dezembro de 1994 substituiu as versões mais caras do Kadett.

Clássicos Astra GLS Modelo foi importado da Bélgica por apenas dois anos, mas abriu caminho para a versão nacional

Modelo foi importado da Bélgica por apenas dois anos, mas abriu caminho para a versão nacional (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Para isso, foi necessário desenvolver uma logística própria, pois as motorizações europeias não eram adequadas ao Brasil. Assim, o velho motor Família II de 2 litros, 8 válvulas e 116 cv (que já equipava os Vectra GLS e CD) era produzido aqui e enviado para a fábrica da Opel na Antuérpia.

Com 4,05 metros, o Astra era uma evolução frente ao Kadett. Mesmo com o entre-eixos de 2,51 m (1 cm a menos que o antecessor), oferecia maior espaço no banco traseiro e 60 litros a mais no porta-malas.

Comum aos dois era a preocupação com a aerodinâmica: seu Cx era de só 0,32. Oferecido na versão única GLS, o Astra trazia direção hidráulica, barras de proteção nas portas e cintos com pré-tensionadores.

Clássicos Astra GLS O volante conserva o logotipo da Opel

O volante conserva o logotipo da Opel (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Também tinha travas, espelhos e vidros dianteiros elétricos – as manivelas dos vidros traseiros destoavam do conjunto. Entre os opcionais estavam rádio/toca-fitas, ar-condicionado e airbags dianteiros.

O acabamento interno era típico dos Opel, com bancos revestidos em tecido e plásticos de boa qualidade. Completo, o quadro de instrumentos era o do Vectra e semelhante ao do luxuoso Omega.

A ampla área envidraçada garantia visibilidade traseira muito superior à do Kadett, comprometida pelas largas colunas traseiras.

Clássicos Astra GLS Motor de 2.0 litros era feito no Brasil

Motor de 2.0 litros era feito no Brasil (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na mecânica, o Astra era idêntico ao Vectra. As suspensões eram do tipo McPherson à frente e eixo de torção atrás, com ótimo compromisso entre conforto e estabilidade. Os cuidados com a aerodinâmica e o escalonamento da transmissão resultavam em um rendimento acima da média.

Com o mesmo câmbio de relações curtas dos modelos Sport 1.8i 16V e GSi 2.0i 16V europeus, o Astra “brasileiro” ia de 0 a 100 km/h em 10,94 s, mais rápido que o Pointer GTI (11,28 s) e o Tipo 2.0 SLX (11,39 s). Também era imbatível no consumo, com média de 11,55 km/l contra 10,03 do Volkswagen e 11,55 do Fiat.

Pesando 1.106 kg, sua relação peso/potência era de excelentes 9,53 kg/cv. O câmbio curto limitava a máxima a 184,6 km/h (inferior aos 187,2 km/h do Tipo e 192,3 km/h do Pointer), mas garantia a retomada de 40 a 100 km/h em 17,93 s, superando todos os nacionais. Entre os importados, só ficava atrás de esportivos como BMW M5 e Nissan 300ZX Turbo.

Clássicos Astra GLS Rodas de liga eram acessórios de concessionária

Rodas de liga eram acessórios de concessionária (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Apesar de suas virtudes, o Astra belga teve vida curta: em fevereiro de 1995, o governo elevou o imposto de importação de 20% para 70%. Economicamente inviável, sua importação foi encerrada em 1996, após cerca de 36.000 unidades vendidas.

O exemplar das fotos pertence ao colecionador paulistano Rafael Santos. Encontra-se em excepcional estado de conservação e ainda está equipado com raras rodas de liga leve: “Muitos contestam a originalidade, mas encontrei um material publicitário da GM onde as rodas constam como acessório de concessionária”.

A ausência forçada do Astra prolongou a carreira do Kadett até 1998, mas o Astra já havia conquistado os brasileiros. Apresentada em 1998, sua segunda geração acabou sendo produzida em São Caetano do Sul (SP), disputando o mercado dos hatches médios por longos 13 anos.

Teste QUATRO RODAS – Dezembro de 1994

  • Aceleração 0 a 100 km/h: 10,94 s
  • Velocidade máxima: 184,6 km/h
  • Consumo médio (álc.): 11,55 km/l
  • Preço (dezembro 1994): R$ 19.900
  • Preço (atualizado IPC-A/IBGE): R$ 101.300

Ficha técnica – Ford Escort GL 1985

  • Motor: transversal, 4 cilindros em linha, 1.998 cm³, comando simples no cabeçote, 116 cv a 5.200 rpm, 17,3 mkgf a 2.800 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: comprimento, 402 cm; largura, 160 cm; altura, 142 cm; entre-eixos, 251 cm; peso, 1.106 kg
  • Rodas e pneus: 175/65 R14
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s